: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  Os Peões acrobáticos...
 

 

 

Os anais enxadrísticos registram ocorrências verdadeiramente extraordinárias e surpreendentes, envolvendo as mais diversas e curiosas situações. Assim como encontramos jogadores bissextos que se notabilizaram somente com uma partida, existem também compositores de finais que garantiram o seu lugar na história com uma produção escassa, mas bastante significativa.

    Ainda mais espantoso e admirável é o caso do mestre espanhol José Sanz Aguado que assegurou sua "imortalidade enxadrística" apenas com um final, elaborado no decorrer de uma partida jogada contra o seu conterrâneo Martin Esteban Ortueta, em Madrid, 1933.

    De rara beleza, é uma autêntica jóia, de intenso brilho, fadada a ser apreciada "per omnia saecula saeculorum", confirmando o famoso verso do poeta inglês John Keats: "uma coisa bela é uma alegria para sempre"...

    Ao tomar conhecimento dessa obra- prima, Tartakover não pode conter o seu entusiamo e fez questão de mostrá- la ao famoso compositor francês Henri Rinck, na esperança de que esse finalista pudesse aproveitá- la para fazer um estudo artístico.

    O veredicto de Rinck foi simplesmente consagrador: "Todo esse final é de uma estonteante perfeição artística, não precisando ser acrescentado ou diminuído em nada para que seja incluído entre as melhores produções do gênero !"

    A posição do diagrama focaliza o seu momento crítico. Neste instante, de pretas, Sanz continuou com 1 ... Td2, penetrando resoluto na sétima fila. Ortueta defendeu- se com 2 Ca4, mas foi surpreendido com 2 ... Txb2!

    "Incrível, mas verdadeiro", disse Tartakover sobre esta captura.

    Após 3 Cxb2, seguiu- se 3 ... c3!, não permitindo 4 Cd3, em vista de 4 ... c4+ 5 Rf1 cxd3 6 Re1 c2 7 Rd2 Be3+!. Por causa dessa variante, Ortueta contra- sacrificou com 4 Txb6, esperando assim frustrar os planos das pretas de coroação. Para contestar esse intento, Sanz prosseguiu com 4 ... c4! - uma surpreendente jogada de repouso que reativa a ameaça 5 ... c2.

    Numa tentativa desesperada de salvação, as brancas jogaram 5 Tb4 e, aparentemente, resolveram todas as suas dificuldades. Estava escrito, porém, que os peões pretos realizariam prodígios para alcançar o triunfo e, agora, entra em cena o terceiro personagem, complementando o magnífico trabalho de seus companheiros: 5 ... a5!!, forçando a capitulação das brancas.

    A vitória das pretas se apresenta sob duplo aspecto: vertical ( 6 Txc4 cxb2! ) ou horizontal ( 6 Tb8 c2! ). Por outro lado, se 6 Cd3 cxd3 7 Th4+ Rg8 8 Rf2 c2 9 Tc4 d2!, e ganham.

    Na apreciação que fez sobre esse magnífico final, Tartakover designou os peões pretos como sendo "acrobáticos", em decorrência das manobras engenhosas que efetuaram para alcançar o triunfo.

 
 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO