: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  UM DRIBLE À LA GARRINCHA!...
 

 

 

Que correlação pode existir entre o popularíssimo futebol – de natureza predominantemente física - e o elitista xadrez, considerado a ginástica do intelecto?!

      É verdade que, no afã de demonstrar uma erudição e conhecimento que julgam possuir, certos comentaristas esportivos, diante de uma partida de futebol retrancada, um hermético "ferrolho" no qual as duas equipes atuam com excesso de cautela e timidez, costumam afirmar que "se trata de um jogo de xadrez, com ambos os contendores sem assumir o menor risco, procurando se resguardar ao máximo, na esperança de que ocorra uma falha clamorosa que assegure um triunfo imerecido e sem expressão".

     Semelhante comparação é inadequada e não traduz a verdadeira essência do futebol e do xadrez - atividades lúdicas que proporcionam momentos de grandes emoções, com jogadas eletrizantes, planos engenhosos e arremates espetaculares!

     Ainda recentemente, por ocasião da partida decisiva do campeonato europeu, envolvendo as equipes do "Real Madrid" e do "Bayer Leverkusen", houve uma jogada magistral que redundou na vitória da representação espanhola: o brasileiro Roberto Carlos,com uma maestria impecável, centrou a bola na medida exata para o francês Zinedine Zidane, de voleio, concluir com perfeição ! Em termos de globalização não podia ter sido mais expressivo: um brasileiro e um francês garantindo o triunfo da representação espanhola! Foi um verdadeiro xeque-mate nas aspirações da equipe alemã!
 

     Na partida comentada a seguir, verifica-se também uma situação excepcional, com um simples peão servindo de esteio a uma poderosa Dama, a fim que essa peça possa executar uma graciosa e inesperada finta, lembrando a impecável habilidade do sempiterno "Mané Garrincha" - o Rei do drible!

Os comentários elucidativos são de autoria do vencedor, o famoso ex-campeão mundial Miguel Botvinnik. Um detalhe merecedor de ser destacado é o fato de que Botvinnik notabilizou-se como um dos mais perfeitos adeptos da escola posicional, enquanto que nesta partida revela toda a sua habilidade como tático e combinador!


XVI Campeonato Mundial por Equipes
Tel-Aviv, novembro de 1964.
Brancas - Yoel Aloni (Israel)
Pretas - Miguel Botvinnik (URSS)
PD - Defesa Índia do Rei
ECO - E71 

1 d4 Cf6 2 c4 c5 3 d5 g6 4 Cc3 d6 5 e4 Bg7 6 h3
Um velho método de jogar nesta variante. 6 Bg5 é considerado mais perigoso.

6...O-O 7 Be3 e6 8 dxe6
Após esta troca as Pretas não têm dificuldades na abertura. 8 Cf3 é essencial.

8..Bxe6 9 Cf3 Da5 10 Dd2 Cc6 11 Be2 Cd7!
Um plano incisivo das Pretas: se livram do peão atrasado e passam a dominar a casa "d4".

12 0-0 Cde5 13 Cxe5 dxe5 14 Tadi Cd4 15 Bd3?
Uma falha que custará um peão. Após 15 Cd5 a partida estaria nivelada.

15...Bxh3!
Agora 16 Bxd4 exd4 17 gxh3 dxc3 seria ruim para as Brancas. Ao invés disso, Aloni encontra uma interessante maneira de complicar o jogo.

16 b4!
Sacrificando temporariamente um peão, mas assumindo a iniciativa.

16...cxb4 17 Cd5 Bg4?!
Uma perda de tempo. Exato era 17...Bd7! e, após 18 Tabi Dd8 19 Txb4 Bc6, a ala da Dama estaria bem resguardada, ao passo que agora as Brancas ficam bem ativas nesse setor do tabuleiro.

18 Tb1 Dd8
Em caso contrário, 19 a3 seria desagradável.

19 Bxd4 exd4 20 Txb4 b6 21 a4!
Ameaçando 22 a5, recuperando o peão ou ficando com um forte peão passado. As Pretas optam pela única chance razoável: um contra-ataque na ala do Rei.

21...f5 22 exf5 Bxf5 23 a5 bxa5
A última chance de vitória baseada na psicologia: suponhamos que as Brancas resolvam recuperar imediatamente um dos peões sacrificados?

24 Tb5
E é o que acontece! Aloni falha ao não descobrir o lance mais forte 24 Tb7!, após o que as Pretas dificilmente conseguiriam vencer! Nem 24.. .Bxd3 25 Dxd3 Tf7 26 Txf7 Rxf7 27 Df3+ Rg8 28 c5 Tc8 29 c6 - ou 24.. .Dh4 25 g3 Dg4 26 Rg2!, ameaçando Ce7+ e Th1 — deixariam as Brancas em risco de perder; na realidade, as Pretas é que teriam de jogar para o empate! Agora, as Pretas podem dobrar suas Torres na coluna do Rei e isto deve decidir a partida a seu favor.

24...Bxd3 25 Dxd3 Dh4 26 g3 Dg4 27 Te1
Uma tentativa desesperada de mudar o curso inevitável dos acontecimentos. Após 27 Tb2 Tf 7! - como as Brancas precisam de uma Torre na sétima! — seguido de 28...Taf8! e as Brancas não teriam contra-ataque.

27...Tf3 28 Dbl Taf8 29 Te4
Esta é a última chance que as Brancas dispõem para se safar, pois a Dama preta não tem uma casa satisfatória, por exemplo, 29...Dh3 30 Ce7+ Rh8 31 Cxg6+! hxg6 32 Th4++-. Mas quem disse que a dama é obrigada a mover-se?!.

29...Txg3+! 30 fxg3 Dxg3+ 31 Rh1 d3!
Que fantástica trajetória realizou este simples peão: a princípio, era débil e atrasado; em seguida, mudou-se para a coluna-e e, por último, voltou à sua coluna de origem para cumprir uma gloriosa missão, passando a ser a mais importante peça das pretas!

 

32 Ce7+ Rh8 33 De1 Dh3+ 34 Rg2 d2!! 35 Cxg6+ hxg6 36 Dh4+
As brancas lançam mão de seu último cartucho!

36...Rg8!!!
Qual não foi o espanto do condutor das brancas diante desse autêntico drible de corpo, que encerra de forma magnífica essa expressiva partida! Note-se que a tragédia das brancas era inevitável, pois se 36 Th4+ -  no lugar de 36 Dh4+ - seguir-se-ia do mesmo modo 36...Rg8!!, pois a casa e6 estaria protegida pela dama preta.

0-1. As brancas abandonaram.
Depois de 37 Tb1 Db3! era decisivo; enquanto que 37 Dxh3 d1=D+ 38 Rh2 Tf2+ 39 Rg3 Dg1+ 40 Rh4 Bf6+ 41 Tg5 Bxg5#!.

 



QUAL A PARTIDA MAIS BELA ?

     Na crónica anterior apresentamos dois prêmios de beleza ganhos por "Bobby" Fischer diante dos irmãos Byrne: Donald e Robert. Indagamos então de nossos leitores qual a mais bela das duas. Eis o resultado:

     Partida Donald x Fischer  : Aldenor Abrantes (Fortaleza CE), Antonio Curado (Coimbra-Portugal), Fábio Alcântara (São Paulo), Francisco Garcez Leme (Barueri-SP), João Cardoso (Caieira-SP), João Batista Amaral (Natal-RN), José Carlos G. Pereira (Jales-SP), José Roberto Oliveira (Araraquara-SP), José Saraiva (Fortaleza-CE), Luciana (Guarulhos-SP), Luciano Justi Antunes (Lages Manoel Vieira (Cabo de Santo Antoriio-PE), Pedro Alcântara de Meio (Petrópolis-RJ), Peter Jackson Milier Camargo (São José do Rio Preto-SP), Renato Cássio Dei Gáudio Duarte (Betim-MG), Ricardo de Souza Cury (Belo Horizonte-MG), Venceslau Goulart Guimarâes (Nova Hamburgo-RS), Ulisses Diviani Pereira (Bragança Paulista-SP). Total: 18 votos.

     Partida Robert x Fischer : Achilles Gadelha (Fortaleza-CE), Adolfo Quixadá Neto (Fortaleza-CE), Arnulfo Cardoso (Ribeirão Preto SP), Cássio Roberto Pucci (Valinhos-SP), Fábio Simioli da Silva(Campo Grande), Francisco José (Piracicaba-SP), Francisco José Baena de Moraes (Campinas-SP), Gerardo José Pelegati (Guarulhos-SP), Guilherme Pereira (São Manoel), Honório Augusto Machado (Iguatu CE), João José M.Lima (Aracati-CE), José Luiz (São Paulo-SP). José Neto Malvaso (Ribeirão Preto-SP), Leandro Palma (Charqueado-RS), Manoel Soares (Fortaleza-CE), Marcelo Alves (São Paulo-SP), Milton Matone (São Paulo Paulo Sunao Shintate Jr. (São Paulo-SP), Raul Edi Augusto (São Paulo-SP), Reinaldo Jorge Zachetto (Porto Alegre RS), Ronaldo Vasconcelos (Paulista-PE), Sérgio Pegado (Campinas-SP). Total: 22 votos.

     Verifica-se assim que em 40 votos, 22 optam pela partida Robert x Fischer como a mais bela, enquanto que 18 foram a favor da partida Donald x Fischer.

      É interessante registrar que Fischer também revelou a sua preferência, pois no seu famoso livro "My 60 Memorable Games" comentou com destaque o seu triunfo diante de Robert Byrne e não incluiu a sua partida com Donald! 

 
 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO