: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  UM INTRÉPIDO PARTIDÁRIO DO DRAGÃO
 

 

 

   Em sua 63ª edição, o tradicional torneio de início de ano efetuado no balneário holandês de "Wijk aan Zee"("Recanto à beira-mar") não foi desta feita o de mais elevada categoria, embora tenha reunido, entre outros valores, os quatro melhores enxadristas da atualidade: Garry Kaspárov, Vladimir Kramnik, Viswanathan Anand e Alexey Shírov. Seu desenrolar, entretanto, foi dos mais empolgantes, com partidas dramáticas, plenas de emoções e combatividade. 

    Vencedor das duas versões anteriores, Kaspárov era apontado como o favorito ao primeiro lugar: além de motivado em obter uma terceira vitória consecutiva e estabelecer assim um marco sem paralelo na história desse torneio, ele desejava demonstrar haver superado a crise ocorrida em Londres, no melancólico match disputado com Kramnik, quando perdeu a coroa de virtual campeão do mundo!

    Mesmo com todo esse favoritismo, acrescido da circunstância de ter sido beneficiado pelo sorteio de cores, jogando de brancas contra os seus principais rivais (Anand, Kramnik e Shírov), Kaspárov envidou todos os seus esforços para poder alcançar a vitória, sem perder uma vez sequer! Posteriormente, declarou não ter ficado plenamente satisfeito com suas partidas, por causa de algumas falhas cometidas. Ora, como dizia Tartakover – parodiando Descartes – "erro ergo sum" – ou seja, "erro, logo existo".

    Quanto à segunda colocação de Anand – a meio ponto apenas do campeão – transmite a falsa impressão de que ele se empenhou com afinco para situar-se entre os primeiros. Na realidade, ainda envolvido pela euforia de ter conquistado recentemente o título oficial de campeão do mundo, esse grande-mestre indiano limitou-se a uma atuação burocrática e até a 10ª rodada havia vencido somente uma partida e empatado as demais, sendo que diante de Kasparov e Shírov passou por sérias vicissitudes. Nas três últimas rodadas, teve chance de reabilitar-se ao vencer o combalido trio holandês: Piket, Timman e Van Wely, garantindo deste modo o segundo lugar do torneio.

    Já Kramnik demonstrou em várias oportunidades o seu ânimo de batalhar pelos primeiros lugares, produzindo partidas de grande interesse, com um destaque especial para o seu duelo com Ivanchuk, pleno de peripécias, provocando na platéia um estonteante suspense, com o triunfo oscilando ora para um lado ora para o outro! A derrota para Morozevich- que implicou na perda de sua invencibilidade e impossibilitou dividir a primeira colocação – decorreu muito mais de sua obstinação em perseguir o triunfo do que pelos méritos de seu adversário!

    No que diz respeito a Shírov, merece um capítulo à parte: durante mais da metade do torneio, manteve-se na liderança, tudo indicando que ficaria entre os primeiros; contudo, na 9ª rodada. ao enfrentar Kaspárov, em partida crucial, foi vítima de uma variante adrede preparada pelo seu astuto adversário e logo na abertura ficou em posição comprometida, sem a menor chance de recuperação. Essa derrota causou-lhe um forte impacto, com danosas conseqüências em seus compromissos restantes.

  Corus Wijk aan Zee NED 2001

 

 

 

 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

 

 

1

Kasparov,G

2849

-2

&;

½

½

½

½

½

1

½

1

1

½

½

1

1

9.0 

-

2

Anand,V

2790

+28

½

&;

½

½

½

½

½

½

½

½

1

1

1

1

8.5 

-

3

Kramnik,V

2772

+18

½

½

&;

1

½

0

1

½

½

½

1

½

1

½

8.0

50.25

4

Ivanchuk,V

2717

+77

½

½

0

&;

½

1

1

½

½

1

½

½

½

1

8.0 

49.50

5

Adams,Mi

2746

+17

½

½

½

½

&;

1

½

½

½

0

1

½

1

½

7.5 

47.75

6

Morozevich,A

2745

+18

½

½

1

0

0

&;

½

0

½

1

1

1

1

½

7.5 

44.25

7

Shirov,A

2718

+47

0

½

0

0

½

½

&;

½

1

½

1

1

1

1

7.5 

41.00

8

Leko,P

2745

-38

½

½

½

½

½

1

½

&;

½

½

0

½

½

½

6.5 

-

9

Topalov,V

2718

-65

0

½

½

½

½

½

0

½

&;

½

½

1

½

0

5.5 

-

10

Fedorov,Alex

2575

+59

0

½

½

0

1

0

½

½

½

&;

½

0

0

1

5.0

32.00

11

Van Wely,L

2700

-75

½

0

0

½

0

0

0

1

½

½

&;

1

½

½

5.0 

29.00

12

Piket,Je

2632

-32

½

0

½

½

½

0

0

½

0

1

0

&;

½

½

4.5 

28.75

13

Tiviakov,S

2597

+5

0

0

0

½

0

0

0

½

½

1

½

½

&;

1

4.5 

23.75

14

Timman,J

2629

-60

0

0

½

0

½

½

0

½

1

0

½

½

0

&;

4.0 

-

Media Elo: 2709 <=> Cat: 19 gm = 4.68 m = 2.08

Generated with ChessBase 8.0

   Dos demais participantes, achamos oportuno apreciar a performance do estreante Alexey Fedórov. Natural da República da Bielo-Rússia, onde nasceu em 10.10.64, é ainda pouco conhecido no circuito internacional, embora – pasmem os leitores! – tenha estado no Brasil em 1996, integrando a delegação de enxadristas de seu país contratados para representar o município paulista de Santo André nos tradicionais "Jogos Abertos do Interior". Em Bragança Paulista – cidade sede naquele ano dos citados jogos – Fedórov cometeu um pecado imperdoável: deixou-se envolver emocionalmente com uma de suas conterrâneas – componente da equipe feminina – e a possessiva Caissa,- fonte inspiradora de todo enxadrista, mas que não admite concorrência- desprezou-o incontinenti e ele teve um desempenho desastroso que deixou muito a desejar! Isto foi suficiente para desacreditá-lo e a apressada opinião que ficou a seu respeito era de que se tratava de mais um dos muitos jogadores egressos da extinta União Soviética ainda sem lastro magistral!

    Passado algum tempo, cônscio de sua responsabilidade e com o pensamento voltado unicamente para o tabuleiro, essa impressão desapareceu em face de sua excelente atuação no fortíssimo Campeonato Europeu por Equipes de 1999, quando foi saudado como a sensação desse certame!

    Em "Wijk aan Zee" 2001, a sua classificação final – ficando em 10º lugar entre 14 concorrentes – não correspondeu ao padrão de jogo apresentado em suas partidas, as quais, na maioria, foram vibrantes e impetuosas. De temperamento romântico e espírito aventureiro, Fedórov cultiva linhas de jogo audaciosas e ricas de possibilidades táticas. De Brancas, tem predileção pelo antiqüíssimo e arriscado "Gambito do Rei" e, de Pretas, defende-se com a popular "Índia do Rei" e tem preferência pela controvertida "Variante do Dragão".

    De resto, nesse torneio adotou referido esquema defensivo contra três adversários respeitáveis e obteve o expressivo resultado de um empate e duas vitórias!

   Na 3ª rodada, ao enfrentar o seu xará Alexey Shírov, ele demonstrou todo o sangue-frio e acendrada têmpera indispensáveis àquele que se dispõe a recorrer a tão caprichoso sistema. Na posição do diagrama, Fedórov estava numa situação extremamente difícil, com o Rei exposto a um forte ataque e na iminência de levar mate. Um jogador sem experiência em "dançar à beira do abismo" entraria em pânico e assinaria o termo de rendição. Um partidário do "Dragão", porém reagiria de forma drástica, como fez Fedórov continuando com 34...Bxc2+! 35 Rxc2 axb3+ 36 Rc3 Taxe8 37 Txe8 Dxf3+ 38 Rb4 Df4+ 39 Rxb3 Df3+ 40 Rb4 c5+! 41 Rb5 Dd3+ 42 Rb6 Db1+! 43 Rc6 (Se 43 Rc7 Dh7!) 43... Dh1+! 44 Rc7 Dh2+ empate. As Brancas não têm como evitar o xeque perpétuo.

    Na 7ª rodada, o conhecido gm holandês Jan Timman foi surpreendido com uma novidade teórica e sucumbiu nas garras afiadas do "Dragão". Eis como ocorreu esta tragédia:

    Brancas – J. Timman Pretas – A. Fedórov

    1 e4 c5 2 Cf3 d6 3 d4 cxd4 4 Cxd4 Cf6 5 Cc3 g6 6 Be3 Bg7 7 f3 Cc6 8 Dd2 0-0 9 0-0-0 d5 10 De1
   A paternidade desta continuação é atribuída ao gm Sêmen Dvoris e tem como objetivo dificultar a libertação central das Pretas – se agora 10...dxe4? 11 Cxc6-, bem como ensejar a eventual transferência da Dama para a ala do Rei.

     10...e5 11 Cxc6 bxc6 12 exd5 Cxd5 13 Bc4 Be6 14 Ce4 Dc7 15 Cg5?!
    Mais usual é 15 Bc5, como indicam diversas partidas da prática magistral.

     15...Cxe3 16 Cxe6 Db6 17 Cxf8 Cxc4! - diagrama
     Custa admitir que semelhante continuação, óbvia e natural, seja uma novidade teórica, como afirma o inflexível "Fritz".

    18 Dc3 Da6! 19 Db3
   
Teria sido fatal 19 Cd7 em vista de 19...Dxa2! 20 b3 Bh6+! e ganham.

    19...Txf8 20 Rb1 e4! 21 c3 e3 22 Ra1 Cd2 23 Dc2 Te8 24 The1 Te5!
    
Invalida a planejada captura 25 Txd2 e
ameaça o brilhante arremate: 25...Dxa2+! 26 Rxa2 Ta5+ 27 Da4 Txa4++.

      25 a3 Dc4 - As Brancas abandonaram.
     Além da desvantagem material, as Brancas estavam praticamente em "zugzwang".

     Finalmente, na antepenúltima rodada, aconteceu a maior surpresa do torneio! O gm inglês Michael Adams – um dos jogadores mais difíceis de ser derrotado – estava invicto, numa situação privilegiada no quadro de resultados, tudo indicando que ficaria num dos lugares de honra do torneio. Seu adversário nessa rodada era Alexey Fedórov que, além de mal colocado, jogaria de pretas e, por certo, iria recorrer, mais uma vez, ao ardiloso e complicado "Dragão". Assim sendo, Adams analisou com todo o cuidado a partida de seu colega Jan Timman diante de Fedórov e preparou uma linha de jogo extremamente aguda que lhe asseguraria a vitória! Eis como transcorreu este duelo:

     Brancas – M. Adams Pretas – A.Fedórov

     1 e4 c5 2 Cf3 d6 3 d4 cxd4 4 Cxd4 Cf6 5 Cc3 g6 6 Be3 Bg7 7 f3 Cc6 8 Dd2 0-0 9 0-0-0 d5 10 exd5
     Em seus preparativos domésticos, Adams preferiu esta alternativa que conduz ao ganho de um Peão, mas, em compensação, concede a iniciativa das ações às Pretas.

      10...Cxd5 11 Cxc6 bxc6 12 Cxd5 cxd5 13 Dxd5 Dc7 14 Dc5
      A alternativa 14 Dxa8 tem a seguinte contestação: 14...Bf5 15 Dxf8+ Rxf8 16 Td2 – forçado, pois 16 c3? ensejaria 16...Bxc3! e 16 Bd3 seria refutado com 16...De5 – 16...h5 17 Be2 Db8 18 b3 Bc3 19 Td5 Be6 20 Tc5 Db4 21 Rb1 Bf6 e, segundo Miles, as Pretas têm "um ataque eficiente"

      14...Db8 15 Da3 Be6 16 Ba6 De5! 17 g3 Tad8 18 Bf4 Df6 19 The1 Bf5! 20 Txd8
     Era tentador 20 Txe7, mas seria punido com 20..Txd1+ 21 Rxd1 Td8+ 22 Rc1 Bf8!

     20...Txd8 21 c3 Db6!
      A partir deste momento, é digno de aplausos o desempenho coeso das peças pretas, enquanto que as brancas estão dispersas e sem coordenação. A ameaça mortal agora é 22...Df2!

      22 Be3 Bh6!
      Eis o Bispo draconiano se oferecendo estoicamente para que a Dama possa cumprir a sua gloriosa missão, pois se 23 Bxh6? Df2 era decisivo!

      23 f4 Dc6!
     O trabalho desenvolvido pela Dama é notável e merecedor de todo o reconhecimento. A idéia agora é 24...De4! e "o trem das onze" esmagaria o indefeso Rei das Brancas -
diagrama.

     24 Bd2?
     "Fritz" critica o lance do texto e recomenda 24 g4 Bxg4 25 Dxe7,porém, ainda e sempre, as Pretas teriam melhores perspectivas.

     24...Dd5 25 Te2 e5! 26 Da4 exf4 27 gxf4 Bxf4!
     Toda a partida foi conduzida à perfeição por Fedórov! Se 28 Dxf4? Dxa2!, com imediato triunfo.

      28 Te8+ Rg7 29 Dxf4 Txe8 30 Bc4?
      A sugestão do Fritz era 30 Dd4+ Dxd4 31 cxd4; o final resultante, entretanto, seria favorável às Pretas.

      30...Dh1+ 31 Bf1 Rg8! As Brancas abandonaram.
     Não havia defesa para a jogada 32...Bd3.

     A melhor partida de Fedórov em "Wijk aan Zee", indicativa de que as suas qualidades precisam apenas ser buriladas para que ele possa ocupar um lugar de destaque no "ranking" mundial!

 
 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO