: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

   5º Match Xadrez do Futuro
 

Um melhor aproveitamento das indicações do computador determinou o resultado do confronto
 

 

A - Br. jogam e ganham



B - Mate em 3 lances

 

O 5º Match Xadrez do Futuro, Advanced Chess, em que ambos os jogadores dispõem de um computador de última geração a seu lado para fazer consultas táticas e enciclopédicas, reuniu este ano dois super GM-As e campeões mundiais, Vladimir Kramnik (Einstein TV) e Viswanathan Anand (Fide), entre os dias 21 e 23 deste mês, em Leon, na Espanha.

     O ritmo de jogo era de 45m + 15s por lance a finish. O que Kramnik e Anand consultavam nos computadores era retransmitido para um telão numa sala contígua, onde todos os presentes podiam “entrar no pensamento” desses insuperáveis ases do topboard magistral.

     Nas três últimas edições dessa festa peculiar, Anand demonstrou uma grande superioridade sobre os seus adversários, não apenas técnica mas, também, como um “micreiro” dos mais sagazes, sabendo aproveitar como ninguém as infalíveis sugestões dos softs enxadrísticos instalados no seu computador.

     Em 1999, Anand venceu Karpov por 5 a 1 —- massacre a que se atribuiu a evidente falta de entrosamento entre Karpov e seu computador. Em 2000, ele voltou a vencer num quadrangular com a participação de Judit, Shirov e Illescas. Em 2001, outro quadrangular (Topalov, Leko e Shirov) também vencido pelo gênio de Madras que, mercê desses resultados, foi reconhecido como “Campeão Mundial do Xadrez Avançado”.

     Neste ano, sua patente superioridade em manejar o mouse esfumou-se diante de Kramnik, que (oh azar!) há quase dois anos treina para jogar em Bahrein (outubro) um match contra o Fritz-7.0, cuja bolsa é de 1 milhão de dólares garantida pelo sheik Al-Jaleifa.

     Com forças tão equilibradas, o resultado do match em seis partidas acusou uma única vitória de Kramnik e cinco empates, 3.5 a 2.5.

V. Kramnik (2809) x (2757) V. Anand (3ª p. Vº Match Advanced Chess, León/ESP, 22.06.2002 - GD Aceito, D 27).

1 Cf3 d5 2 d4 e6 3 c4 dxc4
Uma das principais armas de defesa do super GM-A indiano, a aceitação desse falso gambito se baseia num rápido e preciso desenvolvimento das peças pretas.

4 e3 c5
Como se vê, ninguém desconhece a falsidade desse gambito, pois se as pretas tentassem manter o peão de c4 elas estariam com os lances contados: 4...b5? 5 a4 c6 6 axb5 cxb5 7 b3! com uma considerável superioridade.

5 Bxc4 Cf6 6 0-0 a6 7 Bb3
Assim como Judit e Shirov mantêm uma birra em torno de determinada linha da Siciliana, esses dois também repetem sistematicamente essa mesma variante D27, como a querer provar que em algum ponto um dos dois está com a razão. Vladimir começou experimentando 7 dxc5, 0-1 in 29 - Mônaco 1997; em seguida, optou por 7 a4, ½-½ in 54 - Mônaco 1999; a partir daí, ele vem empregando com êxito o lance do texto, 7 Bb3.

7...cxd4
Ano passado, Vishy preferiu 7...Cbd7 8 De2 b5 9 e4 Bb7 10 d5 c4 11 dxe6 fxe6 12 Bc2 Bd6 13 b3 Ce5 14 Cbd2 c3 15 Cb1 Cxf3+ 16 Dxf3 b4 17 a3 a5 18 Dh3! e5 19 axb4 axb4 20 Ta8 Bxa8 21 De6+ De7 22 Dc8+ Dd8 23 Da6 0-0 24 Td1 com equilíbrio, ½-½ in 38. Kramnik-Anand, Mainz 2001.

8 exd4 Cc6 9 Cc3 Be7 10 Bg5!
Antes, em três oportunidades pelo menos e contra o mesmo e insistente Anand, Kramnik inclinara-se por 10 Te1, obtendo o saldo positivo de uma vitória (Dos Hermanas 1999) e dois empates (Mainz 2001 e Mônaco 2001). No entanto, o lance do texto parece mais consentâneo, disponibilizando a tomada em f6 de um cavalo que defende o mate em h7 e ainda dificulta o pontaço d5.

10...0-0 11 Dd2 Ca5
Já aconteceu 11...h6 12 Bf4 Te8 13 Tad1 Bf8 14 Ce5 Ce7 15 Dd3! Ced5 16 Bc1 b5 17 Dg3 Bb7! 18 Bxh6 Cxc3 19 bxc3 Ce4! 20 Dg4 Cf6 21 Dg5 De7! 22 Td3 Ce4 23 Dg4 Cf6 24 Dg5 Ce4 25 Dg4 Cf6, ½-½. Kramnik-Anand, Mainz 2001.

12 Bc2 b5 13 Tad1! N - diagrama
Temendo talvez uma preparação caseira, Volódia evita a continuação 13 Df4 Ta7 14 Tad1 Bb7 15 d5! Bxd5 16 Cxd5 exd5 17 Dh4 h5 18 Tfe1 Cc6 19 g4 Dd6 20 gxh5 Db4 21 h6 Dxh4 22 Cxh4 Ce4 23 hxg7 Tc8 24 Bxe7 Cxe7 25 Bxe4 dxe4 26 Txe4 Rxg7 27 Td6! e as brancas se impuseram, 1-0 in 39. Kramnik-Anand, Dortmund 2001.

13…Cc4 14 Df4 Ta7
Evidente, se 14…Cxb2? 15 Bxf6 Bxf6 16 De4+-.

15 Ce5 Tc716 Cxc4 bxc4
Se 16...Txc4 17 Bb3 Tc6 18 Bxf6! Bxf6 19 d5! - temático nessas posições, com clara vantagem das brancas.

17 Bxf6!
Segundo o boletim oficial desse match, Kramnik pensou 10 minutos para trocar seu bispo pelo cavalo de f6. Mas isso era necessário, para abrir vantajosamente a posição.

17...Bxf6 18 d5!
Dá até para desconfiar da validade técnica desse match entre os dois dos maiores jogadores da atualidade: até agora, praticamente todos os lances que foram jogados apareceram como primeira opção na bendita telinha do meu computador (Fritz-7.0). Agora, se 18...exd5 19 Txd5 Td7 20 Txd7 Dxd7 21 Dxc4 Bb7 22 Td1 De7 23 Dd3 com +0.65 de vantagem.

18...e5!? 19 Df3 Tb7
Ou então, 19...Be7 20 d6! Bxd6 21 Dd5 Be7 22 Dxe5 Tc5 23 De2 +0.75.

20 De4! g6 21 Dxc4 Txb2 22 Bb3!
Esse bispo, que já não tinha nada para fazer na diagonal b1-h7, é obrigado a situar-se na posição mais ativa; para neutralizá-lo, as pretas precisam trocar seu bispo de casas brancas, mas qualquer troca apenas evidencia ainda mais o passado peão-d, o terrível “peão de Keres”.

22...Bg5 23 d6!! Be6 24 Da4!
Todo o empenho das brancas há de se concentrar no avanço do peão-d, que é sentido estratégico da posição. Para o lance do texto, o Fritz registra uma vantagem de +0.85; já para a fisiologia inata desses softs, 24 Dxa6, ele anota +0.91 e oferece a variante 24 Dxa6 Bxb3 25 axb3 Txb3 26 Cd5 Tb2 27 d7! Db8 28 Cf6+ etc.

24...Bxb3 25 axb3 Db6 26 Dg4! Bf4 27 Cd5!
Contra 27 g3? Be3! e as pretas teriam um razoável contra-jogo; e seria ilusório 27 Ca4?? Db4!! com graves ameaças.

27...Dd8 28 Cxf4 exf4 29 d7!! - diagrama
A escola soviética marca sua presença na consecução do vitorioso plano estratégico das brancas que norteou Volódia o tempo todo.

29...Txb3 30 Dxf4 Tb8
A própria posição das peças no tabuleiro pode determinar o grau de inferioridade das pretas, que têm suas peças presas, restringidas na última fileira, enquanto as pesadas peças brancas, na vertical, têm mais de uma utilidade, como atacar a ala do rei.

31 Tfe1 Db6 32 h4! h5 33 Td6! Dc5
Aqui, já no zeitnot, Anand não viu ou não compreendeu a mensagem do Fritz, que assinala como paliativo 33...Dd8 34 Dc4! Rh7 35 Te5 a6 36 De4 +1.31; ou 33...Da5 34 Te7 Dc5 35 Df6 Dc1+ 36 Rh2 Dh6 37 Txa6 +-2.00; agora, sem nenhuma pressa, as brancas vão combinar a coroação de seu peão-d com ameaças de mate.

34 Df6!
Qualquer um escolheria 34 Txa6 (+1.82); o Fritz indica esse lance como melhor (+1.91) e dá a seguinte linha: 34...Tbd8 35 Te7! Dc7 36 De5! Dc2 37 Txa6!! e se agora 37...Dd1+ 38 Rh2 Txd7? 39 Txg6+ com mate a seguir.

34...Df5 35 Dxf5! gxf5 36 Txa6
As brancas vão trocar esse peão passado em d7 pelos desarticulados peões de f5 e h5, estabelecendo um final que, nesse nível, não dá para continuar.

36...Tfd8 37 Td6, 1-0.
O arremate seria 37...Rf8 38 Th6 Rg7 39 Txh5 Rg6 40 Tg5+ Rf6 41 Td1 Tb7 42 Td5! Tbxd7 43 Tgxf5 com ganho fácil.


Soluções
644 A (Y. Afek, Israel 1972 - 2º pr.) 1 Txb5+! Rxb5 2 Ce5+ Ra4! 3 Cd7! Be2! 4 Bxe2 Tb8+! 5 Bb5+!! Txb5 6 Ra2!+-.
B (W. Baird, Manchester Weekly Times, 1893) 1 Db8! (bloqueio) 1… Rc5 2 Bb5 Rd5 3 De5#; 1…Re4 2 Db3! Rf5 3 Bd3#; 1...Rc6 2 Bc4! Rc5/Rd7 3 Dc7/Ce5#; 1…Re6 2 Bc4+ Rf5 3 Db1#.

 
 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO