: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  K-K 2000 - 3
 

 

 

        No Riverside Studio de Londres, UK, onde se desenrolam as 16 partidas do match pelo oficioso campeonato mundial (8 out-4 nov), que o desafiante Vladimir Kramnik vence por 6.5 a 4.5, o que vem assombrando a todos não é o escore negativo do campeão Garry Kasparov, mas a apatia de seu jogo e um desânimo absolutamente impróprio de quem venceu com brilhantismo todos os grandes torneios disputados este ano.
     Na décima partida, quando ele foi varrido do tabuleiro tal qual um capivara desorientado, há uma infinidade de exemplos, sendo que na linha específica seguida por ele encontramos un que, idêntico, vai até às vésperas de seu abandono.
     Se estivermos assistindo a uma ‘‘armação’’, como isso se parece, então a coisa terá sido tão mal feita que a palavra "revanche" ecoará como a maior piada enxadrística deste final de milênio, só superada pela informação do porteiro da TV Riverside: — Kasparov? Tem um fulano aí dentro que é a cara dele, todo mundo diz que é ele... mas o joguinho dele é igualzinho ao meu.

     KRAMNIK x KASPAROV (8/m. WCC-Londres, 21.10.00 — Nimzoindia, E 32)
     1 d4 Cf6 2 c4 e6 3 Cc3 Bb4 4 Dc2 0-0 5 a3 Bxc3+ 6 Dxc3 b6 7 Bg5 Bb7 8 f3 h6 9 Bh4 d5 10 e3 Cbd7 11 cxd5 Cxd5 12 Bxd8 Cxc3 13 Bh4 Cd5 14 Bf2 c5 15 Bb5 Tfd8 16 e4 Cc7!? N 17 Bxd7 Txd7 18 dxc5 f5! 19 cxb6 axb6 20 Ce2 fxe4 21 fxe4 Bxe4 22 0-0 Td2 23 Cc3 Bb7 24 b4 Tf8 25 Ta2 Txa2 26 Cxa2 Cd5 27 Bd4 Ta8 28 Cc3 Cxc3 29 Bxc3 Txa3 30 Bd4 b5 31 Tf4 Td3 32 Tg4 g5 33 h4 Rf7 34 hxg5 hxg5 35 Rf2 Td2+ 36 Re3 Txg2 37 Txg2 Bxg2 38 Be5, 1/2-1/2.

     KASPAROV x KRAMNIK (9/m. WCC-Londres, 22.10.00 — Espanhola, C 67)
     1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 Cf6 4 0-0 Cxe4 5 d4 Cd6 6 Bxc6 dxc6 7 dxe5 Cf5 8 Dxd8+ Rxd8 9 Cc3 h6 10 Td1+ Re8 11 h3 a5 12 Bf4 Be6 13 g4 Ce7 14 Cd4 Cd5 15 Cce2 Bc5 16 Cxe6 fxe6 17 c4 Cb6 18 b3 a4 19 Bd2 Rf7 20 Bc3 Thd8 21 Txd8 Txd8 22 Rg2 Td3 23 Tc1 g5 24 Tc2 axb3 25 axb3 Cd7 26 Ta2 Be7! 27 Ta7 Cc5 28 f3 Cxb3 29 Txb7 Cc1!! 30 Cxc1 Txc3, 1/2-1/2.

     KRAMNIK x KASPAROV (10/m. WCC-Londres, 24.10.00 — Nimzoindia, E 54)
     1 d4 Cf6 2 c4 e6 3 Cc3 Bb4 4 e3! 0-0 5 Bd3 d5 6 Cf3 c5 7 0-0 cxd4 8 exd4 dxc4 9 Bxc4 b6 10 Bg5 Bb7 11 Te1 Cbd7 12 Tc1 Tc8 13 Db3 Be7 14 Bxf6 Cxf6 15 Bxe6! fxe6 16 Dxe6+ Rh8 17 Dxe7 Bxf3 18 gxf3! Dxd4 19 Cb5 Dxb2 20 Txc8 Txc8 21 Cd6 Tb8 22 Cf7+ Rg8 23 De6! Tf8? 24 Cd8+! Rh8 25 De7!, 1-0.

     KASPAROV x KRAMNIK (11/m. WCC-Londres, 26.10.00 — Espanhola, C 78)
     1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 a6 4 Ba4 Cf6 5 0-0 b5 6 Bb3 Bc5 7 a4 Bb7 8 d3 0-0 9 Cc3 Ca5 10 axb5 Cxb3 11 Cxb3 axb5 12 Txa8 Bxa8 13 Cxe5 d5! 14 Bg5 dxe4 15 dxe4 Dxd1 16 Txd1 b4 17 Bxf6 bxc3 18 bxc3 gxf6 19 Cd7 Bd6 20 Cxf8 Rxf8 21 f3 h5 22 h4 (Ta1!!) Re7 23 Rf2 Bb7 24 c4 Be5 25 Td2 Bc8 26 Td5 Be6 27 Ta5 c5 28 Re3 Bd4+ 29 Rd3 f5 30 b4 fxe4+ 31 Rxe4 Bf2 32 bxc5 Bxh4 33 e6 Rd6 34 Txh5 Bf2 35 g4 Bxc6 36 Th2 Bc5 37 Tc2 f6 38 Th2 Bxc4 39 Th6 Bd5+ 40 Rf5 Bxf3 41 g5 Rd5, 1/2-1/2.

V. KRAMNIK (2.770) x (2.849) G. KASPAROV  (10/m. WCC-Londres, 24.10.00 -- Nimzoindia, E 54)

1 d4 Cf6 2 c4 e6 3 Cc3 Bb4 4 e3!
Se se pudesse transformar esse lance em gestos e orações, então a cena apresentaria Kramnik ajeitando os óculos, levantando o olhar lentamente para melhor encarar Kasparov e acrescentando ao seu esgar de ironia um significativo menear de cabeça, lhe perguntaria: "Será que você pensou que eu ia repetir a mesma variante bichada da oitava rodada?". De fato, nessa aludida partida, quando Kramnik utilizou-se da poderosa continuação de Capablanca, 4 Dc2!, o campeão, conhecendo vários antecedentes de seu adversário, preparou-lhe uma surpresa laboratorial, obtendo uma clara superioridade. O fato ocorreu no lance 16...Cc7!? N (vide registro acima), quando o que se conhecia era 16...Ce7 17 Ce2 cxd4 18 Cxd4 a6 l9 Be2 Cc5 20 b4 Ca4 21 0-0 e5 22 Cb3 Cc3 23 Tfe1 Cxe2+ 24 Txe2 Td6 25 Td2, ½-½. Anand-Karpov, active-chess Monte Carlo 1999; ou então, 16...Ce7 17 Ce2 Bc6 18 Ba6 b5 19 a4 bxa4 20 dxc5 Ce5 21 Cd4 e as brancas se apossaram da iniciativa, 1-0 in 61. Kasparov-Kramnik, 16/m. blitz Moscou 1998. Assim, fazendo alarde de uma primorosa preparação técnica e psicológica, o desafiante envereda agora pela Variante Rubinstein (4 e3), a mais rica e complexa entre tantas que existem para combater a sempre eficiente Defesa Nimzowitch.

4 ... O-O
As outras continuações à disposição das pretas são 4...b6, 4...c5, 4...d5, 4...Cc6, 4...d6, 4...c6 -- todas a exigir de seus usuários uma memória prodigiosa e um pleno conhecimento dos intrincados meandros que elas apresentam.

5 Bd3 d5 6 Cf3 c5
Essa
avalanche maciça de peões centrais é uma das mais clássicas e efetivas maneiras de operar ao alcance das pretas, não obstante a obra-prima de Avro/1938 (Botvinnik-Capablanca, 1-0 in 41), conhecida como "a partida do século".

7 0-0 cxd4 8 exd4!
O peão isolado que as brancas se permitem (d4) passa a ser um ferrolho do jogo das pretas, impossibilitando-as de jogar ...e5, que franquearia a ação do bispo de c8. Outra, esse peão em d4, além de liberar o bispo de c1, confere às brancas o básico centro maior (d4 x e6), compensando destarte a fraqueza de seu isolamento
.

8... dxc4 9 Bxc4 b6 10 Bg5 Bb7 11 Te1! Cbd7 12 Tc1!
Essa partida é um modelo perfeito da
escola soviética
: um inibidor peão central em d4,cavalos nas melhores casas dominando o centro do tabuleiro (Cc3= d5/e4 & Cf3= e5/d4), os bispos tesourando agressivamente a posição adversária e as torres na plenitude de suas funções -- uma na coluna aberta c, outra na semi-aberta e. Tudo isso com frenética precisão, sem sequer uma única e mísera perda de tempo. Só estão faltando jogar a dama de d1 e... Kramnik!

12... Tc8 13 Db3! - diag. 1
Olha aí, só falta agora algo do próprio Ovik (Kramnik), que até aqui se limitou em executar as recomendações de sua magnífica escola e que estão consagradas pela teoria das aberturas. As outras continuações mais correntes são 13 Bb3 e 13 Bd3. Por exemplo, 13 Bb3 a6 14 De2 h6 15 Bh4 Te8 16 Ce5 Cxe5 17 dxe5 Dd4 18 Bg3 Ce4! 19 Dg4 Bxc3 20 bxc3 Txc3 21 Tcd1 Txg3! e as pretas venceram, 0-1 in 38. Van Wely-Piket, Tilburg 1998; ou então, 13 Bd3 Te8 14 De2 Bxc3! 15 bxc3 Dc7 16 Bh4  Ch5 17 Cg5 g6 18 Dd2 Bd5 19 f3 Bc4 20 Bb1 Df4 com equilíbrio, ½-½ in 32. Psakhis-Hillarp Persson, Torshavn 2000.

13... Be7? - diag. 2
Uma escolha infeliz, um lance inferior que denuncia o relaxamento na preparação teórica do campeão e que era justamente o grande apanágio de seu comportamento técnico. Tampouco serviria 13...De7?, em vista de 14 Bd5! Ba6 15 Da4 Bxc3 16 bxc3 Cb8 17 Bb3 b5 18 Da5 Db7 19 Bxf6 gxf6 20 d5! exd5 21 Db4! Dd7 22 Dh4 Rg7 23 Cd4, 1-0. Browne-Ljubojevic, Tilburg 1979. O próprio Browne recomendava até Ba5, qualquer coisa que evitasse a inferior ocupação da casa e7, fosse pelo bispo ou pela dama. Impunha-se, portanto, 13...Bxc3! 14 Txc3 De8!? N 15 Cd2! h6 16 Bxh6! gxh6 17 Th3 Cg4! 18 Tg3 Cf6 19 h3 Dd7 20 hxg4 Dxd4 21 Td3 Df4 22 f3 Tfd8 23 Dc3?? b5! 24 Bxb5 Txc3 25 Txd8+ Rg7 26 bxc3 Dc7!, 0-1. Brodskij-Kruppa, Alusta 1994. Ou ainda, 13...Bxc3! 14 Txc3 h6 15 Bh4 Bd5 16 Bxd5 exd5 17 Ce5 Txc3 18 Dxc3 Dc8! 19 Cc6 Da6 20 Da3 Dxa3 21 bxa3 a6 22 f3 g5 23 Bg3 Rg7 24 Te7 Tc8 25 Ce5 Cxe5 26 Bxe5 Rg6 27 Tb7 Tc6 com equilíbrio, embora 0-1 in 37. Atanu-Nguyen Anh Dung, Budapest 2000.

14 Bxf6! Cxf6? - diag. 3
Aí está o desastre. No caso de 14...gxf6?! 15 d5! Rh8 (se 15...Cc5 16 Dd1+/-) 16 dxe6 Cc5 17 Dd1 Dxd1 18 Tcxd1 Bxf3 19 gxf3 fxe6 20 Bxe6 e, segundo Sergey Shipov, as brancas estão nitidamente melhores. Nielsen-Hellsten, Gistrup 1996. Kasparov confessou sua total insatisfação por 14...Bxf6 17 Cb5!, sem vislumbrar como as pretas poderiam sair desse aperto. No entanto, Shipov oferece a linha 15...Bxf3! 16 Dxf3 a6 17 Ca7 Tc7 18 Cc6 Dc8 19 d5 exd5 20 Bxd5 Ce5!, com igualdade; ou 17 Cd6 Tc7 e aqui, se 18 Cxf7?! Txf7 19 Bxe6 Cf8 20 Txc7 Dxc7 ou 18 Bxa6 Txc1! 19 Txc1 Cb8!-/+; ou ainda, 18 De4 g6! -- esvaziando o temático sacrifício em e6. E essa posição, com bispos de cores opostas e chances mútuas, inviabilizaria qualquer tipo de prognóstico
.

15 Bxe6! fxe6 16 Dxe6+ Rh8
No caso de 16...Tf7, a emenda sairia pior do que o soneto: 17 Cg5 Df8 18 Cxf7 Dxf7 19 Dxe7, ganhando. Por falar em poesia, na presente posição ainda não cabe ao grande Gazza a recomendação de Manuel (
"o que lhe resta a fazer é tocar um tango argentino"), mas o simples fato de estar tentando escapar mais uma vez (vide partidas 4 e 6) do laço do carrasco deixa indisfarçáveis reflexos na qualidade de seu jogo.

17 Dxe7 Bxf3 18 gxf3!
Mantendo a substancial superioridade que se esfumaria após 18 Dxd8? Tcxd8 19 gxf3 Txd4 20 Tcd1 Txd1 21 Txd1 Rg8 e nunca mais as brancas venceriam com esse falso peão (f3) de vantagem.

18... Dxd4 19 Cb5! - diag. 4
O incrível disso tudo é que essa mesma posição já ocorreu in Hazai-Danielsen, Valby 1994, tendo seguido 19...Df4!? 20 Txc8 Txc8 21 Cd6 Dxf3? 22 Cxc8 Dg4+ 23 Rf1 Dh3+ 24 Re2 Dxc8 25 Rd2! e as brancas se impuseram com facilidade, 1-0 in 32. Ainda assim, de acordo com Miguel Illescas, as pretas dispunham de um extraordinário recurso, que era 21...Ta8! 22 Cf7+ Rg8 e agora, 23 De6 Tf8! 24 Cd8+ Rh8 25 De7 Cg4! 26 Dxg7+ Rxg7 27 Ce6+ Rg8 28 Cxf4 Cxh2! 29 Rxh2 Txf4, com muitas possibilidade de empate; ou então, 23 Cd8 Dg5+ 24 Rh1 Dh5! 25 De6+ Rh8 26 Cf7+ Rg8, com chances de sobrevivência.

19... Dxb2? N 20 Txc8 Txc8 21 Cd6! Tb8?!
Mesmo nos extertores, Kasparov tenta seduzir o adversário com a captura extemporânea do peãozinho de a7: 22 Dxa7?! Tf8 23 De7 Ta8! 24 Cf7+ Rg8 25 Cd8 h6 26 Df7+ Rh8 27 Ce6 Cg8 e as pretas ainda poderiam oferecer resistência.

22 Cf7+ Rg8 23 De6 - diag. 5
Ovik não se deixa enganar e procura tirar o máximo de proveito desse gatilho mortal, que é a combinação dama + cavalo. E já agora ele ameaça o famoso mate de Philidor: 24 Ch6+ Rh8 25 Dg8+ Cxg8 26 Cf7#.

23... Tf8??
Era forçado 23...h5!, embora as análises apontem conclusivamente para 24 Cg5+ Rh8 25 Df5 e agora (Illescas), 25...Dxa2 26 Te6! Rg8 27 Dg6! Da3 28 h4+-; ou 25...Dc3 26 Te6 Dc7 27 Dg6 Tf8 28 Txf6! gxf6 29 Dh6+ Rg8 30 Dxf8+!+-; e por fim, 25...Dc3 26 Te6 Rg8 27 h4!+- e as pretas estariam zugadas.. A outra opção seria 23...h6, mas depois de 24 Cxh6+ Rh7 25 Df5+! Rh8 26 Cf7+ Rg8 27 Cg5, com a mesma engrenagem da análise anterior.

24 Cd8+! Rh8 25 De7, 1-0
Seria um despropósito continuar depois de 25...Txd8 (se 25...Rg8 26 Ce6!+-) 26 Dxd8+ Cg8 27 Dd5! com posição vitoriosa.

Uma partida que ficará nos registros dos campeonatos mundiais como um dos mais assombrosos casos de colapso mental de um dos maiores campeões de nossa história secular. 

 

 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO