: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  Dos Hermanas - 2
 

 

 

    A impressão que se tem é que a Fide (Federação Internacional de Xadrez) quer realmente acabar de vez com a simbolização do título de campeão mundial. Pensando bem, para deleite dos capivaras, mais vale dois pândegos GMs que sacrificam até a própria mãe (se a querida velhinha cair na besteira de entrar no tabuleiro, é claro) do que um único e vaidoso campeão, desses que mesmo antes de executar o profilático lance inicial já quer saber o que dirão os jornais do dia seguinte.

     Faz uma semana, foi deflagrada uma verdadeira guerra entre os mais famosos Ks do mundo enxadrístico (Karpov, Kasparov, Kramnik) e a Fide. Uma guerra, aliás, sem a mínima chance de vitória para qualquer um dos lados, mas com uma derrota garantida para todos nós.

     E enquanto aguardam para ver de que lado vai cambar o burro, cidades como Dos Hermanas preferem promover vários torneios menores e um principal, por não poder contar com a fulguração de grandes estrelas, que nessas alturas devem estar em estratégica penumbra.

     Até a penúltima rodada, a tabela registrava: 1/3. Illescas, Smirin e Dreev 5.0 (em 8 possíveis); 4/5 Azmaiparashvili e Almasi 4.5; 6/7) Gurevich e Vallejo 4.0; 8/9) Radjabov e Sokolov 3.5; 10) Krasenkov 1.0.

 Sokolov x Dreev (3ªrod. Dos Hermanas, 21.04.01 — Merano, D 43) 
1 d4 d5 2 c4 c6 3 Cf3 Cf6 4 Cc3 e6 5 Bg5 h6! 6 Bh4 dxc4 7 e4 g5 8 Bg3 b5 9 Be2 Bb7 10 h4 b4 11 Ca4 Cxe4 12 Be5 Tg8 13 Dc2 c5! 14 Bxc4 g4 15 Bb5+ Cd7 16 dxc5 b3! 17 Dd3 gxf3 18 c6 Bb4+ 19 Bc3 Bxc3+ 20 bxc3 fxg2 21 Tg1 b2 22 Td1 Dxh4!! 23 Dxd7+ Rf8 24 Dd4 b1=D 25 Txb1 Td8! 26 cxb7 Txd4 27 b8=D+ Td8 28 Dxa7 Dh2 29 Re2 Td2+! 30 Re3 Tg3+! 31 Rxe4 Tg4+!, 0-1.

Azmaiparashvili x Sokolov (6ªrod. Dos Hermanas, 24.04.01 — Escocesa, C 45) 
1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 d4 exd4 4 Cxd4 Bc5 5 Be3 Df6 6 c3 Cge7 7 Bc4 Ce5 8 Be2 d5 9 0-0 0-0 10 f4 C5c6 11 e5 Dg6 12 Dd2 Bxd4 13 cxd4 h5 14 Cc3 Bf5 15 Bf3 Tad8 16 Ce2! Bg4 17 Cg3 h4 18 f5! Bxf5 19 Ch5 h3 20 Tf2 Dh7 21 g4! Bg6 22 Cf4 Be4 23 Tc1 Cg6 24 Ch5! Tde8 25 Bg5 Cgxe5 26 dxe5 Cxe5 27 Be2 c6 28 Bf6! Dg6 29 g5! Cd3 30 Cxg7! Cxf2 31 Bh5 Dh7 32 Dxf2 Bg2 33 Bg4 De4 34 Cf5! Te5 35 Dh4, 1-0.

Almasi x Vallejo (6ªrod. Dos Hermanas, 24.04.01 — Vienense, C 25)
1 e4 e5 2 Cc3 Cc6 3 g3 g6 4 Bg2 Bg7 5 d3 d6 6 Cge2 f5 7 exf5 Bxf5 8 0-0 Cge7 9 Bg5 Dd7 10 b4 a6 11 Bxe7 Cxe7 12 Bxb7 Tb8 13 Bg2 Txb4 14 Tb1 Txb1 15 Dxb1 Bh3 16 Bxh3! Dxh3 17 Db3 Dd7 18 Cd5! Cxd5 19 Dxd5 c6 20 Dc4 d5 21 Dxa6 0-0 22 Da4 Db7 23 Cc1! Ta8 24 Dg4 Rh8 25 De6 Db6 26 Cb3 Db5 27 c4 Db7 28 Cc5 Db6 29 Cd7 Dc7 30 Cc5 Bf8 31 Cd7 Bg7 32 Tc1! Td8 33 Cc5 Da7 34 Dxc6 dxc4 35 Ce6! Tb8 36 Txc4 Bh6 37 Ta4! De7 38 Ta8!, 1-0.

Krasenkov x Azmaiparashvili (7ª rod. Dos Hermanas, 25.05.01 — Ortodoxa, D 43) 
1 Cf3 d5 2 d4 Cf6 3 c4 e6 4 Cc3 dxc4 5 Da4+ c6 6 Dxc4 b5 7 Db3 Cbd7 8 Bg5 h6 9 Bxf6 Cxf6 10 e3 a6 11 Tc1?! Bd7 12 e4? c5! 13 dxc5 Da5! 14 e5 Ce4 15 a3 Bxc5 16 Tc2 Tc8! 17 Bd3 Cxc3 18 bxc3 Dxa3 19 Db1 Be7!, 0-1.

GMA Dos Hermanas ESP 2001

 

 

 

 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

 

 

 

Dreev,A

2685

+26

1

    

1

½

½

0

½

½

½

1

1

5.5 / 9

22.75

Smirin,I

2691

+19

2

0

    

½

½

½

½

1

1

½

1

5.5 / 9

22.00

Almasi,Z

2640

+34

3

½

½

    

1

½

½

½

½

½

½

5.0 / 9

22.50

Vallejo Pons,F

2559

+124

4

½

½

0

    

1

½

½

½

1

½

5.0 / 9

22.00

Illescas Cordoba,M

2562

+120

5

1

½

½

0

    

1

0

½

½

1

5.0 / 9

21.25

Azmaiparashvili,Z

2670

0

6

½

½

½

½

0

    

½

½

1

1

5.0 / 9

20.25

Gurevich,M

2688

-60

7

½

0

½

½

1

½

    

1

0

½

4.5 / 9

 

Radjabov,T

2533

+71

8

½

0

½

½

½

½

0

    

½

1

4.0 / 9

16.25

Sokolov,I

2659

-68

9

0

½

½

0

½

0

1

½

    

1

4.0 / 9

15.75

Krasenkow,M

2655

-315

10

0

0

½

½

0

0

½

0

0

    

1.5 / 9

 

Media Elo: 2634 <=> Cat: 16 gm = 4.23 m = 2.43


     Na última rodada desse XIº Magistral de Dos Hermanas, a única, dolorosa e inalcançável colocação era a do GM polonês Mikhail Krasenkov, até então com seis derrotas e dois empates, numa campanha negativa inédita em sua consagrada carreira.

     As primeiras colocações eram disputadas por Smirin, Dreev e Illescas, todos com 5.0 pontos na tabela de classificação. O GM israelense Ilia Smirin, com brancas, defrontava o tenaz GM georgiano Zurab Azmaiparasvili, ½-½ in 36; o GM russo Alexey Dreev, com brancas, enfrentava o sólido GM belga (nado in URSS) Mikhail Gurevich, ½-½ in 41; e o GM espanhol Miguel Illescas, que seria favorecido pelo sistema de desempate se os três terminassem igualados em pontos, parecia ter o desafio mais suave, pois mesmo conduzindo as pretas, seu adversário seria o seu vibrante compatriota, mas pouco experiente (18 anos) GM Francisco "Paco" Vallejo Pons.

    No final, após sua derrota, um queixoso Illescas revelava à Imprensa que jogou esse torneio "mal preparado, teoricamente". E olhem que nesse final de ano, ele passou pelo menos três meses estudando diariamente (média de seis horas) com Joel Lautier e Vladimir Kramnik, em virtude do compromisso desse último que enfrentaria Garry Kasparov pelo oficioso campeonato mundial. Naquela ocasião, eles levantaram as últimas novidades e as mais interessantes variantes surgidas nestes últimos tempos no tabuleiro magistral.

 

F. VALLEJO (2559) x (2562) M. ILLESCAS (9ª e última rod. XXI Dos Hermanas, 27.04.01 -- Espanhola, C 66)

1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 Cf6 4 d3!!!
Um lance espetacular, exatamente por não ser o melhor na posição, mas o esplêndido diante das circunstâncias.
Certa vez, enfrentei um adversário que adotou com as pretas uma sólida estrutura defensiva. Eu, com brancas, julguei-me na obrigação de arriscar o máximo possível, e acabei perdendo essa partida.
 Pouco tempo depois, esse fulano que me "vencera", adotou o mesmo esquema contra um capivara de carteirinha. Ele certamente pensara: "
se venci um mestre assim, mais fácil vou vencer esse capivara". Ora, acontece que para o capivara em questão, até 25% do ponto (não era nem um empate!) já estava de ótimo tamanho! O tal fulano passou a partida inteira esperando ser atacado por um capivara que
não tinha a mínima intenção disso. Aí, então, é que ele se tocou: se seu adversário não se dispusesse a atacá-lo, sua defesa não valia para coisa alguma, muito menos para cavar um ponto por mais capivara que o seu adversário fosse.
 Desesperado, o "caracol" (vamos chamá-lo assim), precisando vencer, saiu de sua crosta atrás de comida e findou por ser devorado pelo peixe-pedra, que apenas aguardava pacientemente uma oportunidade para isso.
A mesma coisa vai ocorrer nessa partida. Illescas, "segundo" (treinador) de Kramnik durante o match deste contra Kasparov valendo o oficioso título de campeão mundial da Brain Games Network, estudou a fundo essa Variante Berlinense na Abertura Ruy Lopez (Espanhola). E, certamente, esgotou toda a variante advinda do melhor lance dessa posição e que não poderia deixar de ser utilizado por Kasparov, um jogador em permanente busca da iniciativa: 4 0-0! Como se recorda, Kramnik não perdeu uma única vez (naquele match) contra essa continuação.
Aqui, Vallejo se utiliza do mesmo estratagema que o capivara adotou contra o "caracol", ou seja, além de procurar simplesmente não perder, ainda priva seu adversário de trilhar um caminho que ele conhece tão bem.
Tecnicamente, o lance 4 d3 conduz a posições senão idênticas, pelo menos bastante assemelhadas àquelas do Ataque Andersen, que também gozava das preferências de
Steinitz. "De pronto, esse lance elude a Variante Aberta (4...Cxe4, jogada por Kramnik), mas se tem o mérito de retardar a liquidação central, facilita sobremodo a defesa das pretas"
-- é o que diz a teoria.

4... d6 5 0-0 Bd7 6 c3 g6
A clausura proveniente de 6...Be7 não consegue convencer: 7 Cbd2 0-0 8 Te1 Te8 9 Cf1 Bf8 10 Cg3 Ce7 11 Bxd7 Dxd7 12 Bg5 De6 13 d4! Cd7 14 Dd3 a6 15 b3 Tac8 16 Tad1 f6 17 Be3 g6 18 dxe5! Cxe5 19 De2! Cxf3+ 20 Dxf3 Bg7 21 Bd2 Df7 22 c4! e as brancas detêm uma nítida superioridade
.

7 Te1
Muitos preferem o contra-senso, a incongruência da ruptura 7 d4, quando se sabe que o ataque de Andersen, lento e cauteloso, obedece à mesma filosofia que se adota com relação a uma sopa quente, que deve ser tomada sem pressa, pelas beiradas, através de lances como Te1, Cbd2, Cf1, Ba4, Bc2 etc. Um exemplo do que dissemos vamos encontrar em 7 d4?! Bg7 8 d5 Ce7 9 Bxd7+ Dxd7 10 c4 0-0 11 Cc3 h6 12 Ce1 f5! 13 Cd3 Cf6 14 f3 f4! 15 c5 g5! e nessa "índia do rei" as chances foram (e são) equivalentes, ½-½ in 34. Tukmakov-Zurakhov, Ucrânia 1966.

7... Bg7 8 Cbd2
Outra vez, surge a possível imprudência de 8 d4 0-0 9 Bg5 De8 10 Bxf6 Bxf6 11 d5 Cb8 12 Bxd7 Cxd7 13 c4 a5! 14 Cc3 Cc5 15 b3 Dd7 16 Dc2 Bg7! 17 a3 f5! 18 b4 fxe4 19 Cd2 Cd3 20 Tf1 axb4 21 Ccxe4 Cf4 22 axb4 Dg4 23 g3 Ch3+ 24 Rg2 Txa1 25 Txa1 Cxf2! e as brancas escaparam milagrosamente, ½-½ in 40. Spassky-Korchnoi, St. Petersburg m/rapid 1999.

8... 0-0 9 Cf1
Um último exemplo desse d4 e não se fala mais nisso: 9 d4 Cxd4! 10 cxd4 Bxb5 11 Db3 De8 12 a4 Ba6 13 dxe5 dxe5 14 Dc3 c6 15 b4 De6 16 Tb1 b5 17 Dxe5 bxa4 18 Da5 Bd3 19 Ta1 Bb5 10 Bb2 Tfd8 21 Cd4 De8 22 C2f3 Cg4 23 h3 Ce5 24 Cxe5 Bxe5 25 Cxb5 Bxb2 26 Cc7 De7 27 Cxa1 Bxa1 28 Txa1 Txa8 29 e5 Td8 25 Dxa4 Dxe5, com paridade, ½-½ in 43. Bellin-Westerinen, Gausdal 1990
.

9... h6
Uma idéia interessante, buscando o conveniente alivio de algumas trocas ao mesmo tempo em que namora com a ala do rei, seria 9...De8!? 10 Cg3 CVd4! 11 cxd4 Bxb5 12 a4 Bc6 13 dxe5 dxe5 14 b3 De6 15 Bb2 Cd7 16 d4 exd4 17 Cxd4 Dd6 18 Te3 Tfe8 19 Dc2? Bxd4 20 Td1 Bxe3! 21 Txd6 Bxf2+ 22 Dxf2 cxd6 23 Cf5 f6 24 Cxd6 Te6 25 Df4 Tf8 26 Ba3 Ce5 27 Df2 Td8! 28 Dxa7 Rg7! 29 Cxb7 Td7 30 Db8 Te8! com vantagem decisiva, 0-1 in 39. Zaichik-Zacharov, Volgodonsk 1983
.

10 Bd2 Ch5
Esse lance parece lógico, ensaiando a expansão ...f5. Ocorre, porém, que quase sempre a garantia de sucesso de um ataque de ala requer uma definição central (centro cerrado) e essa ainda não ocorreu.

11 Ba4 a6 12 h3 b5 13 Bc2
Observem que todas as peças vão paulatinamente se direcionando para a ala do rei. Todas, brancas e pretas, como se a ala da dama nem existisse
.

13... Df6?!
Aí está um lance proibido para um verdadeiro indianista: na hora de executá-lo, a alergia da lógica encheria sua mão de bolhas. Com ou sem o centro cerrado, ganhando ou perdendo, a expansão das pretas se baseará sempre nesse pontaço ...f5. E com uma dama desse tamanho na frente, fica difícil.

14 Ce3 Cf4 15 h4
O meu Fritz-6.0 recomenda 15 Cg4! Bxg4 16 hxg4, com ligeira vantagem para as brancas, +/- 0.22. No entanto, Paco Vallejo conta com um maior volume de jogo na ala do rei e, pela posição, tem facilidade para arregimentar mais peças para aquele setor do que o seu adversário, no caso sua torre de e1, daí por que ele protela qualquer tipo de troca.

15... Ce7?!
Em análises
post-mortem, todos foram unânimes em apontar a retirada dessa dama atrapalhada em f6 e o posterior avanço ...f5 como a melhor continuação para as pretas. Mas uma das maiores tragédias estratégicas de uma partida de xadrez é exatamente essa: elaborar um plano defeituoso e insistir nele.

16 g3! Ch3+ 17 Rg2 g5 18 hxg5! hxg5
Sem esquecer que essa coluna-h, aberta, favorece muito mais às brancas, mercê da rápida ação de sua torres. Assim, ao abrir a coluna-h, Miguel repete a imprudência de quem amola uma faca e deixa-a ao alcance de seu desafeto
.

19 De2! Bh6
Não procedia 19...Cf4+ 20 gxf4 exf4 21 Cf1 g4 22 Ch2 f3+ 23 Cxf3 gxf3+ 24 Dxf3 Dg6+ 25 Dg3, com um vantajoso índice de +/- 1.09.

20 Ch2 Dg6 21 Th1 g4
Novamente, seria sem validade a entrega 21...Cf4+ 22 gxf4 gxf4+ 23 Ceg4 f5 24 exf5 f3+!? 25 Dxf3 Cxf5 26 Bb3+ Rg7 27 De2 Bc6+ 28 Rg1 Bxd2 29 Dxd2 Th8 30 f3 Cg3 31 Rf2 Cxh1+ 32 Txh1 e as pretas não teriam compensação pelo material sacrificado.

22 Cexg4! Bxd2
Qualquer outro seguimento seria pior ainda, por exemplo, 22...Bxg4 23 Cxg4 Bxd2 24 Txh3 f5 25 Cxe5 dxe5 26 Dxd2, com posição vitoriosa
.

23 Dxd2 f5 24 exf5 Cxf5
O Fritz oferece como menos mau (+/-1.78) 24...Bxf5 25 Rxh3 Bxg4+ 26 Cxg4 Dh5+ 27 Rg2 Dxg4 28 d4! Df3+ 29 Rg1 Rf7 30 dxe5, com vantagem; para o lance do texto, o Fritz registra um índice aniquilante de +/- 2.19 e dá uma sequência quase igual à da partida: 25 Rxh3 Ch6 26 Bd1 Cxg4 27 Bxg4 (27 Cxg4?! c5! 28 f3 Bxg4+ 29 fxg4 Dh7+! 30 Rg2 Db7+! 31 Rg1 Tf1+!! 32 Rxf1 Dxh1+ 33 Re2 Dh2+ 34 Re3 Dh6+!, empate) 27...Bxg4+ 28 Cxg4 Dh5+ 29 Rg2 Dxg4 30 De3 e as brancas estariam ganham.

25 Rxh3 Ch6 26 Bd1 Tf7 27 Rg2 Bc6+ 28 Rg1! Cf5 29 Bb3
A partida já está perdida para as pretas e só o zeitnot poderia justificar (?) sua continuação
.

29... Rg7 30 Bxf7 Rxf7 31 d4! Th8
Perdido por um, perdido por cem: Miguel sabia que após 21...Bxh1 32 Rxh1 Th8 33 Rg1 exd4 34 cxd4 c6 35 Dc3 Ce7 36 Te1 a partida teria igualmente chegado a seu final
.

32 d5! Bb7 33 Td1 Dh5 34 De2! Re7 35 Td2 c6
Quem continua uma partida perdida como essa deve ter certeza de duas díspares possibilidades, a favor e contra. A favor, 1% de chance de escapar de algum modo; e contra, 99% garantidos de sofrer um arremate vexatório
...

36 Cxe5! Dxe2 37 Txe2 dxe5 38 Txe5+, 1-0.
 


Soluções 584
A (A. Herbstman, Schachstudien, 1933) 1 Ta2! Th1 2 Tg2! Td1+ 3 Re3 Td8 4 h7 Th8 5 Tg8! Txh7 6 Tg1!! Rh5 7 Rf4 Rh6 8 Rxf5 Tg7 9 Th1++
B (A. Galitzky, Shahmaty Jurnal, 1897) 1 Bd8! exf4 2 Cg8+ Rg4 3 Ch6++; 1...e4 2 Ba5! e3 3 Be1++.

 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO