: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
de
Hélder Câmara


   26/06/2005                 

Vitória da Hydra no match Man-Machine de Londres

 


 

       

    Em Londres, entre 21 e 27 deste mês, mais um duelo defrontando Homem x Máquina, em match de 6 partidas. De um lado, o mais forte GM-A inglês da atualidade e 7º no ranking mundial, Michael Adams (17.11.1971 – 2737), e do outro, a revolucionária e vitoriosa Hidra, concebida pelo genial programador Chrilly Donninger.

    No presente caso, amparada pela força de 200 PCs e atuando num Intel Xeón de 3.06 GHz, a Hydra é capaz de calcular 200 milhões de lances por segundo. Até a 3ª rodada, o resultado era Hydra 2.5 x 0.5 Adams.
 

            

X

             


    Hydra (0000) x (2737) M. Adams (1/m Man-Machine, Londres, 21.06.2005 – Petrov, C 42).

    1 e4 e5 2 Cf3 Cf6

    Conhecida também como Defesa Russa, essa agressiva linha de jogo estaria melhor qualificada se se denominasse como Contra-Ataque Petrov.

    3 Cxe5 d6 4 Cf3 Cxe4 5 d4 d5 6 Bd3 Cc6 7 0-0 Be7

    Variante recomendada pelo GM russo Jaenisch em 1842 e que mantém até hoje sua validade. Sua idéia consiste em pressionar d4 através ...Bg4, criando com isso um agudo jogo de peças.

    8 Te1 Bg4 9 c3!?

    É interessante observar que entre o método Moderno, agressivo e tático, 9 c4, e o método Clássico, 9 c3, tranqüilo e posicional, o monstro de silício, ao contrário do que era de se esperar, conduz o jogo para o terreno estratégico em que predominam idéias e planos, inerentes à natureza humana.

    9...f5 10 Db3 0-0 11 Cbd2 Ca5

    Recomendação de Botvinnik, que previa 12 Da4 Cc6.

    12 Dc2 Cc6

    Antes, Adams optara por 12...c5 13 Ce5 Bh5 14 f3 Bh4 15 fxe4 Bxe1 16 exf5 c4 17 Bf1 Bxd2 18 Bxd2 Cc6 19 Te1 Dc8 20 h3 Txf5 21 g4 Cxe5 22 dxe5 Txf1+ 23 Txf1 Bg6 24 Dd1 Dc5+ 25 Tf2 Te8 26 Bf4 Bd3 27 Df3 Be4, ½-½. Morozevich x Adams, Candidatos 2002.

    13 b4 a6 14 Tb1! N   (diag. 1)



                                         
   

    O intento da Hydra é colocar em jogo a torre de a1, diferente do que fora jogado: 14 a4 Bd6 15 Tb1 Te8 16 b5 axb5 17 axb5 Ca5, com um jogo dinâmico e equilibrado, ½-½ in 29. Leko x Adams, Linares 2005.

    14...Bd6 15 h3 Bh5 16 b5!

    As pretas preponderam no centro e na ala do rei, restando às brancas essa reaçãológica” na ala da dama. E é essa “compreensão posicional” que denuncia a constante, irrefreável e avassaladora evolução desses softs.

    16...Ca5

    O Fritz 8 examina 16...axb5 17 Txb5 Ca5 18 Cxe4 fxe4 19 Bxe4 dxe5 20 Txh5 g6 21 Txa5 Txa5 22 Dxe4, com leve superioridade das brancas, +0.28.

    17 c4! dxc4 18 Cxc4 Cxc4

    Claro, se 18...Bxf3? 19 Cxa5! Bh5 29 Cxb7 etc.

    19 Bxc4+ Rh8 20 bxa6!

    Outra vez inviabilizando 20...Bxf3?, em vista de 21 axb7 Tb8 22 gxf3, ganhando, +2.50 F8.

    20...bxa6 21 Ce5!  (diag. 2)

 




 

    As brancas têm uma posição preferível, com todas as suas peças atuando a pleno e objetivamente. Daí para transformar isso em vitória é outra história.

    21...c5!?

    Adams é obrigado a entrar no jogo tático, ou seja, na verdadeira praia dessa infalível máquina de calcular.

    22 Bd5 Tc8 23 Be6 Tc7

    O Fritz sugere o heroismo de 23...cxd4!? 24 Dxc8 Dxc8 25 Bxc8 Txc8 26 Bf4 g5 27 Bh2 Tc2 28 f3, com um índice de absoluta igualdade, =0.00.

    24 Bxf5! Bxe5

    Para este lance, o F8 registra +1.16 para as brancas, e indica como melhor 24...Cf6 25 Bg5 cxd4 26 Dd3 Tc5 27 Dxd4 Dc7, com um suportável índice de +0.75.

    25 dxe5 Txf5

    Se 25...Cxf2? 26 Dxf2 g6 27 g4, ganhando.

    26 Dxe4 Bg6 27 Tb6! Tf8 28 De3  (diag. 3)


                                                
      

    A marcha do “peão de Keres” na coluna-e decide a sorte desta partida.

    28...Tcf7 29 Td6 Da5 30 e6! Te7 31 Ba3!

    Somente agora, no finalzinho da partida, esse bispo sai de sua capela abençoar a vitoriosa campanha da máquina sobre a mente humana.

    31...Tfe8 32 Bxc5! Dxa2 33 Td2!. 1-0.

    Hydra (0000) x (2737) M. Adams (3/m Man-Machine, Londres, 23.06.2005 – Espanhola, C 91). 1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 a6 4 Ba4 Cf6 5 0-0 Be7 6 Te1 b5 7 Bb3 d6 8 c3 0-0 9 d4! Bg4 10 d5 Ca5 11 Bc2 c6 12 h3 Bc8 13 dxc6 Dc7 14 Cbd2 Dxc6 15 Cf1 Be6 16 Cg5 Bd8 17 Ce3 Bd7 18 a4 h6 19 Cf3 Tc8 20 axb5 axb5 21 Ch4 Cc4 22 Cxc4 bxc4 23 Ba4 Dc7 24 Bxd7 Dxd7 25 Cf5 d5 26 Ta6! Db7 27 Td6! Be7 28 Bxh6!!, 1-0. Se 28...gxh6 29 Df3!! Ch5 20 Txh6 Bf6 31 Dg4+ Rh8 32 Dh5 Rg8 33 Txf6!+-.  



                            
 


 Estudos e problemas
 

785   A   (F. Prokop, Ceskoslovensky Sach 1932) 1 Tg5+ Rh6 2 Tg7 Bxd4 3
                Cxd4 Dxd4 4 Bg5+! Rh4 5 Bf6! Dxf6 6 g4+ Rh6 7 g5+! Dxg5 8 Th7#.


         B   (W. Baird, Illustrated London News, 1896) 1 Dh3! Rf4 2 Ch2! Re4/Rg5
                3 Df3/Dg4#; 1…Rd5 2 Df5+ Rd6/Rc4 3 Bf8/Cd2#.




 

0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0
 

A Hidra de Paderborn

Hélder Câmara

       A espetacular vitória da desconhecida Hidra no 13º International Computer Chess Championship (IPCCCA), 2004, fev/11-15, em Paderborn, na Alemanha, superando consagrados ases e campeões mundiais como Fritz e Shredder, deixou atônita a “comunidade cibernética não apenas por esse resultado em si, mas também pela facilidade com que ele foi obtido.

       A desconhecida Hidra concedeu um único empate (Shredder), perfazendo 6.5 pontos em 7 possíveis, exibindo um estilo que deixou confusos a todos os especialistas no assunto, relutantes em aceitar uma explosão assim fenômeno tão em desacordo com a vagarosa e gradativa evolução desses softs. Mas se examinarmos os antecedentes de seus programadores, logo entenderemos a performance magnífica dessa terrível e desconhecida máquina. Antes, porém, um pouco de história...


                                                 

       De acordo com a Mitologia, o segundo dos 12 trabalhos de Hércules (Héracles) consistia em aniquilar uma monstruosidade que aterrorizava a região de Lerna, na Argólida. Tratava-se da Hidra, uma serpente gigantesca com muitas cabeças (sete, nove, cem ou dez mil – dependendo da imaginação do povo de cada lugar), extremamente venenosa e mortal, posto que não havia antídoto para o seu veneno.

       Suas cabeças (entre as quais uma era imortal) quando cortadas, renasciam em dobro. Por isso, Hércules teve de se valer da ajuda de seu sobrinho Iolau que, à proporção que o seu tio decepava cada cabeça da Hidra, prontamente a cauterizava com uma tocha ardente. Quanto à cabeça imortal, Hércules atirou-a num buraco profundo, tapando-o em seguida com uma enorme pedra.

       Durante a luta com a Hidra, o semideus Hércules teve ainda que se desvencilhar de enorme e incômodo caranguejo, enviado por sua madrasta Juno (Hera) para lhe atrapalhar. Hércules esmagou-o com os pés e Juno, arrependida da desgraça que causara (ao caranguejo...) recolheu o que dele sobrou, transformando-o na bela e reconhecível constelação de Câncer.

       Hércules tampouco se descuidou da oportunidade de embeber suas flechas no sangue envenenado da Hidra, tornando-as assim terrivelmente mortais.

       Entre outros irmãozinhos da Hidra, anotavam-se Ostro, Quimera e Scylla. O primeiro, Ostro, era um cão com várias cabeças e o corpo de serpente, muito parecido com seu outro irmão, Cérbero, que por seu turno vigiava as portas do Inferno (Hades). Ostro teve a infelicidade de ter como função a vigia do gado de Gérion e tentou impedir o décimo trabalho de Hércules, que eraroubar os bois vermelhos dos enormes rebanhos de Gérion”.
Morreu de
porrada..

       A Quimera tinha a cabeça de bode, cauda de dragão e vomitava fogo. Era o terror da Lícia, região da Ásia Menor, e foi morta pelo herói grego Belerofonte.

       Scylla era uma criatura horrível, com 12 pés e 6 longos pescoços a sustentar em cada um deles uma cabeça com filas de dentes mortais com os quais devorava qualquer vítima que pudesse alcançar.

       À luz da psicanálise, Hércules e a Hidra representam a mesma simbologia da eterna luta do Bem contra o Mal. É o perene duelo de Luz e Sombra que encontramos nos combates entre Perseu e a Medusa, Teseu e o Minotauro, culminando em época mais recente com a obra-prima “O Médico e o Monstro”, de Robert Louis Stevenson – conflito em que se expõe a fragilidade da natureza humana e a desesperada luta que travamos conosco mesmos para manter sob controle o perigoso e incognoscível lado obscuro de nossa alma.

       Segundo Efraim Boccalandro, “a Hidra (de Lerna) revela-nos a vaidade, os vícios que renascem em dose dupla, assim como suas cabeças. O pântano onde ela vivia representa as águas estagnadas – imagem de um inconsciente não criativo, parado. O sangue da Hidra, que era venenoso, podia contaminar as águas do pântano, assim como os vícios corrompem aqueles que com ele têm contato...”.

       Há quem veja na Hidra a verdadeira natureza humana, ou seja, nossos estados interiores degradados, nossas paixões e defeitos, enfim tudo o que há de ruim em nossos mundos internos, daí nosso constante e hercúleo esforço em pelo menos dominá-la, quando não for possível destruí-la.

       E não é demais lembrar de que aquela cabeça imortal enterrada por Hércules representa a constante ameaça de volta aos vícios, bastando para isso libertá-la de sua prisão apenas supostamente inexpugnável...

       A idéia dos programadores austríacos Chrilly Donninger, Ulf Lorenz, Alex Kure e Erdogan Gunes (book) era transformar o tronco básico de seu programa (Hidra) em variadas versões (Ostro, Quimera e Scylla).

       Não podemos deixar de registrar que essa mesma quadra de ases em programação lançaram no ano passado a mais espetacular novidade em matéria de soft enxadrístico – o extraordinário Brutus, defendendo as cores da Alemanha. Nesse último torneio disputado pelo Brutus, ele fora superado apenas pelo Fritz, Shredder e Deep Fritz, ocasião em que totalizou 8.5 pontos em 11 possíveis, mas com 2 pontos (!) de diferença sobre o quinto colocado. Depois disso, Brutus retirou-se de cena.

       Este ano, eis que aparece um programa tão revolucionário quanto o Brutus, dos mesmos autores, mas... representando a UAE (United Arabian Emirates). Isso nos força a concluir que Hidra e Brutus são o mesmo (e ótimo) programa.

 HC, fev/2004.


 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: ARQUIVO :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO