: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  Mônaco & Cannes - 1
 

 

 

A - Br. jogam e ganham


B - Mate em 3 lances

Duas grandiosas festas enxadrísticasCannes2001- ¡No te lo pierdas! estão acontecendo simultaneamente, em Mônaco e Cannes, dividindo a participação dos melhores jogadores da atualidade.

Faz dez anos que o mecenas holandês J.J. von Oosterom homenageia sua filha Melody Amber no mês de março com um torneio reunindo os maiores nomes da elite mundial. Trata-se de uma prova em que cada jogador enfrenta o mesmo adversário duas vezes, uma no estilo rápido (25’) e outra, às cegas — variando as cores. Para cada lance, um bônus de 30 segundos.

Este ano, a Fide resolveu celebrar, na mesma época, o Campeonato Mundial de Xadrez Rápido, perfilando o que há de mais forte no ranking internacional.

Em Mônaco, anotamos Kramnik, Anand, (atuais campeões do mundo, oficioso e oficial, respectivamente), Leko,  Shirov, Ivanchuk, Topalov, Karpov, Gelfand, Almasi, Van Wely, Piket e Ljubojevic.

Em Cannes, registramos (A) Kasparov, Bareev, Svidler, Grischuk, Judit, Lautier, Gulko e Bauer; (B) Adams, Morozevich, Gurevich, Kasimdzhanov, Jiangchuan, Tkachev, Bacrot e Hamdouchi. De cada grupo, classificam-se 4 jogadores para a final.

Quem sabe, a Fide prezaria se o milionário Oosterom alterasse a data de nascimento de sua filha?! Afinal, a Fide consegue tudo — até que o ‘‘campeão dos acordos ascéticos’’ ou, se preferirem, ‘‘o paladino das virtudes engomadinhas’’ (Kasparov) jogasse um torneio sob sua égide.

 

Kasparov x Bareev (1º rod. Cannes, 21.03.01 — Francesa, C 05)
 1 e4 e6 2 d4 d5 3 Cd2 c5 4 Cgf3 Cf6 5 e5 Cfd7 6 c3 Cc6 7 Bd3 Db6 8 0-0 g6 9 dxc5 Cxc5 10 Cb3 Cxd3 11 Dxd3 Bg7 12 Bf4 0-0 13 Dd2 Bd7 14 Tfe1 a5 15 Bh6! a4 16 Bxg7 Rxg7 17 Cbd4 Ca5 18 Tab1 Cc4 19 Df4 Dd8 20 h4 h6 21 Dg3 De7 22 Ce2 Rh7 23 Cf4 Tg8 24 Te2 Taf8 25 Tbe1 Tc8 26 Ch2 g5 27 Ch5! gxh4 28 Dh3 Tg5 29 Cf6+ Rg7 30 f4 Tg6 31 Chg4 Th8 32 Ch5+ Rf8 33 Cgf6! Bc6 34 Dxh4 a3 35 b3 Cb2 36 Rh2 Dc5 37 Te3! d4 38 Tg3!! dxc3 39 Txg6 fxg6 40 Cd7+! Bxd7 41 Df6+, 1-0.

Bacrot x Adams (2ª rod. Cannes, 21.03.01 — Nimzoindia, E 12)
 1 d4 Cf6 2 c4 e6 3 Cf3 b6 4 a3 Ba6 5 Dc2 Bb7 6 Cc3 c5 7 e4 cxd4 8 Cxd4 Bc5 9 Cb3 Cc6 10 Bg5 Cd4 11 Cxd4 Bxd4 12 Cb5 Bc5 13 e5 h6 14 exf6 hxg5 15 fxg7 Tg8 16 Dh7 Re7 17 b4 a6! 18 bxc5 axb5 19 Dh6 f6 20 Bd3 Bxg2 21 Tg1 Dc7! 22 cxb5 Dxc5 23 Dh7 Bf3! 24 Tb1 Txa3!, 0-1.

Topalov x Shirov (1ª rod. rapid, Mônaco, 18.03.01 — Espanhola, C 78)
 1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 a6 4 Ba4 Cf6 5 0-0 Bc5 6 c3 b5 7 Bc2 d5 8 d4 dxe4 9 dxe5 Dxd1 10 Txd1 Bxf2+? 11 Rf1! exf3 12 exf6 Bh4 fxg7 fxg2+ 14 Rxg2 Tg8 15 Bh6 Bg5 16 Te1+! Be6 17 Bxg5 Txg7 18 h4 h6 19 Be4! Rd7 20 Td1+, 1-0.

Anand x Ljubojevic (2ª rod, às cegas, Mônaco, 18.03.01 — Siciliana, B 85) 
1 e4 c5 2 Cf3 e6 3 d4 cxd4 4 Cxd4 Cc6 5 Cc3 Dc7 6 Be2 a6 7 0-0 Cf6 8 Be3 Be7 9 f4 d6 10 De1 0-0 11 Dg3 Bd7 12 Tad1 Rh8 13 Cf3 Cb4 14 Td2 d5! 15 e5 Ce4! 16 Cxe4 dxe4 17 Cg5 Bc6 18 Bh5 Cd5! 19 Cxf7+ Txf7 20 Bxf7 Cxe3 21 Dxe3 Bb5! 22 c4 Bc5 23 Td4 Bxc4 24 Tc1 b5 25 Bxe6 Da7!, 0-1.

 

ANAND (2790) x (2710) TOPALOV (9ª rod. Amber Rapidplay 25', Mônaco, 27.03.01 -- Siciliana, B 33)


 

1 e4 c5 2 Cf3 Cc6 3 d4 cxd4 4 Cxd4 Cf6 5 Cc3 e5!?
Dentre os muitos artigos que eu já escrevi sobre essa variante, destaco este de 29.01.94: Os autores A. Adorjan e T. Horvart responsabilizaram a partida Hannah-Lowe, 1857, pelo surgimento dessa variante. E o mestre
Ronald Câmara
enriquece ainda mais o seu histórico, quando nos esclarece que 'essa linha de jogo tem três personagens importantes: em primeiro lugar, aparece Emmanuel Lasker, seu introdutor na prática magistral nos idos de 1910; muitos anos depois, na década dos 50, o MI tcheco-argentino Jiri Pelikan patrocinou o seu renascimento com idéias novas e interessantes; por último, o GM russo Evgeny Sveshnikov pôs em evidência outros recursos, valorizando sobremodo essa continuação.

6 Cdb5 d6 7 Bg5 a6 8 Ca3 b5 9 Bxf6
Há muito, Kasparov tem preferido 9 Cd5 Be7 10 Bxf6, evidenciando ainda mais a cratera de d5. De qualquer maneira, o importante para o plano das brancas (exploração do domínio da casa d5) será sempre a eliminação do cavalo de f6, agora ou logio em seguida. Aliás, na 1ª rodada desse mesmo torneio, encontramos um exemplo significativo: 9 Cd5 Be7 10 Bxf6 Bxf6 11 c3 Bg5! 12 Cc2 0-0 13 Be2 Ce7 14 Ccb4 a5 15 Cxe7+ Dxe7 16 Cd5 Db7! 17 Dd3 Tb8 18 0-0 Be6 19 Tfd1 Tfc8 20 a3 h6 21 g3 Bd8! 22 Td2 Da7 23 Rg2 Tc5 24 Ce3 Bg5! 25 h4 Bxe3 26 Dxe3 Dc7 27 Tad1 Tc6 28 Rh2 Bb3  29 Tg1 Bc4 30 Tgd1 Bxe2 31 Dxe2 b4!, com a iniciativa das pretas, 0-1 in 65. Almasi-Topalov, Amber Rapidplay, Mônaco 2001
.

9... gxf6
A teoria estabelece que se 9...Dxf6 10 Cd5 Dd8 11 c4, com superioridade. No entanto, o motivo maior para essa tomada (9...gxf6) é que agora as pretas dispõem de duas estocadas iguais (...f5 e ...f5), solapando o centro branco e diminuindo assim o domínio absoluto da casa d5.

10 Cd5 f5 11 c3 Bg7 12 Bd3
Ainda recentemente, ocorreu 12 exf5 Bxf5 13 Cc2 e aqui, a) 13...Be6 14 a4 0-0 15 axb5 axb5 16 Txa8 Dxa8 17 Cce3 Db7 18 g4!? Ce7 19 Bg2 Cxd5 20 Bxd5 De7 21 h4 Tc8 22 g5 Tc5 23 Be4 d5! 24 Cxd5 Bxd5 25 Bxd5 e4 26 Re2 De5 27 Bb3 Dc7 e, bispos de cores opostas, a posição se esvaziou, ½-½ in 34. Kasparov-Leko, Corus, Wijk aan Zee, 2000; b) 13...0-0 14 Cce3 Be6 15 Bd3 f5 16 Dh5 e4 17 Bc2 Ce7 18 Cf4 Bf7 19 Bb3 d5 29 Dg5 Cg6 21 Dxd8 Taxd8 22 Cexd5 Cxf4 23 Cxf4 b4! 24 Ce6 Bxe6 25 Bxe6+, ½-½. Anand-Kramnik, Fujitsu-Siemens Giants, Frankfurt, 2000.

12... Be6 13 Dh5 0-0 -- diag. 1 -- 14 0-0
Não leva a nada a continuação 14 exf5!? Bxd5 15 f6 e4! 16 fxg7 Te8 17 Be2 Te5 18 Dh6 b4 19 cxb4 Cd4 20 De3 Cf5 21 Dh3 Cd4 22 De3 Cf4 23 Dh3 Cd4, ½-½. Chandler-Shaw, Birmingham 2001.

14... f4 15 Tad1
Outra possibilidade interessante é 15 g4 Tb8 16 Cc2 a5 17 a3 Ce7 18 Ce1 Cg6 19 Cf3 Te8 20 Tae1 Dd7 21 Cg5 Cf8 22 f3 Dd8 23 Rh1 h6 24 Ch3 Cg6 25 Tf2 Dh4 26 Dxh4 Cxh4 27 Cc7 Te7 28 Cxb5 h5 29 Cg5 hxg4 30 fxg4 Bxg4 31 Tg1 Bh5 32 Bc4! Bf6 33 Cxd6 Bg6 34 Bxf7+! Txf7 35 Cgxf7, 1-0. Luther-Jelen, Groningen Open, 1998.

15... Rh8 16 g3
Temos o registro de um sinistro, depois de 16 Bb1?! Tg8 17 h3? Bf8 18 Rh2 Tg6 19 De2 Dh4! 20 Cc7? Txg2+!, 0-1. Herzog-Povah, Hastings 1976
.

16... Tg8 17 Rh1 Bf8 18 Be2 Tg5 19 Df3 f5! 20 gxf4 -- diag. 2
Vinte lances... e nenhuma novidade até agora. Isso reforça a assertiva de que nos embates magistrais de nossos dias, a memória vale tanto ou mais do que o talento criador
.

20... exf4!
É evidente que Topalov conhecia a simpatia de Anand por essa linha, baseado na sequência 20...fxe4 21 Dxe4 Bf5 22 De3 exf4 23 Cxf4 Ce5 24 Cd5 Cg4 25 Bxg4 Txg4 26 Tg1 Bg7 27 f3 Txg1+ 28 Txg1 Df8 29 De7 Dxe7 30 Cxe7 Be6 31 Td1 Bxa2 32 Cc6 Bf8 33 Cc2 Te8, ½-½. Anand-Leko, Corus, Wijk aan Zee, 2001. Assim, parece-nos nuita inocência de campeão mundial da Fide adotar uma linha de alto risco, principalmente se levarmos em conta de que a dupla Topalov/Danailov passa todas as horas úteis do dia em cima de um computador, examinando as preferências do adversário que o campeão búlgaro deve enfrentar a cada rodada
.

21 Cxf4 Bxa2 22 exf5 Txf5 -- diag. 3
O cavalo inativo em a3 representa uma peça a menos. Some-se a isso o pouco tempo dessa partida (25 minutos), além da amarga certeza de ter sido apanhado numa preparação caseira bem elaborada. Sob o aspecto técnico, poder-se-ia dizer que as pretas provocaram esa posição tremendamente aguda e aberta confiadas no seu perigoso par de bispos
.

23 De4 Tf7 24 Bh5 Tf6 25 c4 -- diag. 4
A preocupação maior de Anand é recolocar em jogo o seu marginalizado cavalo de a3. No entanto, Topalov não vai colaborar com a intenção de seu adversário, mas carrear outra peça para o verdadeiro palco da luta, ou seja, centro e ala do rei
.

25... Ce5! 26 c5?
O Fritz-6.0 sugere 26 Cd5 Th6 27 Be2 bxc4 28 Cxc4 Bg7 29 b4 Tc8 e as pretas, com todas as suas peás jogando, teriam um jogo preferível, mas ainda muito distante de uma vitória. E, é claro, se 26 cxb5 cxb5 27 Cxb5 Bc4, ganhando
.

26... Tc8! 27 cxd6 Bxd6 28 Be2 Df8! -- diag. 5
Com lances inócuos e despretensiosos, as brancas foram esterilizando suas chances; agora, as pretas, com todas as suas peças interligadas, têm a vantagem de uma maioria de peões na ala da dama, além de um poderoso par de bispos numa posição aberta
.

29 Ch5 Txf2! 30 Cc2?
Entre tantos lances perdedores, Anand escolheu o pior: a) 30 Cf4 Txf1+ 31 Txf1 Dg7 32 Ch5 Dg6 33 Dd4 Bc7 34 Cf4 Dd6-+ (-1.53); b) 30 Txf2 Dxf2 31 Cg3 Dc5 32 Cf5 Tg8 33 Ce3 Bf7 34 Tf1 Bg6-+ (-1.59); c) 30 Dd4 Txf1 31 Txf1 De7 32 Cf4 b4 33 Cb1 Tc2 34 Bxa6 Bc5-+ (-1.62).

30... Cd3!!, 0-1.
Depois desse lance, o Fritz acusa uma vantagem decisiva mínima de -6.84. Por exemplo, 31 Ce3 Txf1+ 32 Txf1 Dxf1+! ou então, 31 Dd4+ Be5 32 Dxd3 Txh2+ 33 Rg1 Dc5+ 34 Cd4 Tg8+ 35 Cg3 Txg3+, ganhando.

 


Solução 579
A
(R. Sobolevsky, Shahmaty in URSS, 1951) 1 Bb2+ Be5 2 Td6! Tb5 3 Td8+ Rg7 4 Tb8!! Td5 5 e4!+-.
B (L. Kubbel, Eniqui Popolari, 1933 — 1º prêmio) 1 Ce1! Rf1 2 Dc2! gl=D/g1=C 3 De2/Dg2++; 1...Rf2 2 Dh3! g1=D/g1=C 3 Df3/Cd3++; 1...Rh2 2 Dg4! g1=D/g1=C 3 Dh4/Dg2++.

 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO