: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  K-K 2000 - 1 
 

 

 

  Em Londres, UK, realiza-se, desde 8 deste mês e até 4 de novembro, o oficioso match pelo Campeonato Mundial, defrontando os maiores astros de topboard internacional, Garry Kasparov (13.04.63 Rússia 2.849) e Vladimir Kramnik (25.06.75 Rússia 2.770). As partidas podem ser seguidas on-line, televisivas e comentadas, através dos sites http://www.kasparovchess.com/ ou então, http://www.braingames.net/, este último linkado com a página oficial do evento. 

     Serão 16 partidas, sempre aos domingos, terças, quintas e sábados, que servirão para reforçar o caráter do xadrez atual, com ênfase especial para a preparação teórica das aberturas, a informação otimizada das últimas novidades técnicas, tudo isso nos levando a inferir que hoje o conhecimento cibernético, em termos de resultados esportivos, vale muito mais do que o gênio empreendedor dos artistas de outrora - verdadeiros mestres na arte de extasiar e seduzir os amantes de Caíssa.

     A firma Brain Games, especializada em jogos que exercitem a inteligência, oferece uma bolsa de 2 milhões de dólares, com uma cotação de 2/3 e 1/3 para ganhador/perdedor. Em caso de empate, Kasparov conserva o título ‘‘e divide com Kramnik o meu dinheiro’’, segundo Shirov, que está movendo uma bruta ação judicial contra Kasparov por se sentir esbulhado em mais um affair infamando a imagem dos mentores do xadrez mundial.

     KASPAROV x KRAMNIK (1ª m/WWC, Londres, 08.10.00 - Espanhola, C 65) 1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 Cf6! 4 0-0 Cxe4 5 d4 Cd6 6 Bxc6 dxc6 7 dxe5 Cf5 8 Dxd8+ Rxd8 9 Cc3 Bd7 10 b3 h6 11 Bb2 Rc8 12 h3 b6 13 Tad1 Ce7 14 Ce2 Cg6 15 Ce1 h5 16 Cd3 c5 17 c4 a5 18 a4 h4 19 Cc3 Be6 20 Cd5 Rb7 21 Ce3 Th5! 22 Bc3 Te8 23 Td2 Rc8 24 f4 Ce7 25 Cf2 Cf5, 1/2-1/2.

     KRAMNIK x KASPAROV (2ª m/WCC, Londres, 10.10.00 - Grunfeld, D 85) 1 d4 Cf6 2 c4 g6 3 Cc3 d5 4 cxd5 Cxd5 5 e4 Cxc3 6 bxc3 Bg7 7 Cf3 c5 8 Be3 Da5 9 Dd2 Bg4 10 Tb1! a6 11 Txb7! Bxf3 12 gxf3 Cc6 13 Bc4!? N 0-0 14 0-0 cxd4 15 cxd4 Bxd4!? 16 Bd5 Bc3 17 Dc1 Cd4 18 Bxd4 Bxd4 19 Txe7 Ta7 20 Txa7 Bxa7 21 f4 Dd8 22 Dc3 Bb8 23 Df3 Dh4 24 e5 g5! 25 Te1 Dxf4 26 Dxf4 gxf4 27 e6 fxe6 28 Txe6 Rg7 29 Txa6 Tf5 30 Be4 Te5 31 f3 Te7 32 a4 Ta7 33 Tb6 Be5 34 Tb4 Td7 35 Rg2 Td2+?! 36 Rh3 h5 37 Tb5 Rf6 38 a5! Ta2 39 Tb6+ Re7?? 40 Bd5!, 1-0.

     KASPAROV x KRAMNIK (3ªm/WCC, Londres, 12.10.00 - Espanhola, C 65) 1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 Cf6!? 4 0-0 Cxe4 5 d4 Cd6 6 Bxc6 dxc6 7 dxe5 Cf5 8 Dxd8+ Rxd8 9 Cc3 Bd7 10 b3 h6 11 Bb2 Rc8 12 Tad1 b6 13 Ce2 c5 14 c4 Bc6 15 Cf4 Rb7 16 Cd5 Ce7 17 Te1 Tg8 18 Cf4 g5 19 Ch5 Tg6 20 Cf6 Bg7 21 Td3 Bxf3 22 Txf3 Bxf6 23 exf6 Cc6 24 Td3 Tf8 25 Te4 Rc8 26 f4 gxf4 27 Txf4 Te8 28 Bc3 Te2 29 Tf2 Te4 30 Th3 a5 31 Th5 a4 32 bxa4 Txc4 33 Bd2 Txa4 34 Txh6 Tg8 35 Th7 Txa2 36 Txf7 Ce5 37 Tg7! Tf8 38 h3? (h4!) c4 39 Te7 Cd3 40 f7 Cxf2 41 Te8+ Rd7 42 Txf8 Re7 43 Tc8 Rxf7 44 Txc7+ Re6 45 Be3 Cd1! 46 Bxb6 c3 47 h4 Ta6! 48 Bd4 Ta4! 49 Bxc3 Cxc3 50 Txc3 Txh4 51 Tf3 Th5 52 Rf2 Tg5! 53 Tf8 Re5, 1/2-1/2.

V. KRAMNIK (2.770) x (2.849) G. KASPAROV (2ª p. m/WCC, Londres. 10.10.00 -- Grunfeld, D 85)

1 d4 Cf6 2 c4 g6 3 Cc3 d5
Esse método de combate, dinamizando a estrutura da Defesa India do Rei, data de 1922 e foi introduzido na prática magistral pelo jovem campeão austríaco Ernst Grunfeld (1893-1962) e estaria mais de acordo com os seus recursos técnicos se o denominássemos como um sistema e, não, como defesa de Grunfeld.

4 cxd5 Cxd5 5 e4 Cxc3 6 Bxc3 Bg7 7 Cf3 c5
Palavras do teórico Andras Adorjan:
"na Grunfeld, ao contrário de outras defesas sólidas, mas passivas, as pretas provocam um jogo agudo desde os primeiros lances, criando uma posição assimétrica e oferecendo  às brancas um forte centro de peões, que elas passam a solapar imediatamente"
.

8 Be3
Antes, na grande maioria das vezes, Kramnik optava por 8 Tb1 0-0 9 Be2, como o provam suas partidas contra Kasparov, Topalov, Ivanchuk e Anand, em 1998; no final de 1998, princípios de 1999, ele andou experimentando 8 Bb5+ Cc6 9 0-0, de acordo com os seus duelos contra Kasparov e Shirov. Logo em seguida, ainda em 1999, Volodya voltou à sua opção principal (8 Tb1/9 Be2), conforme registrado em seu jogos contra Svidler, Shirov e Kasparov. No começo deste ano, ele tentou surpreender o "velho" Gazza com 8 h3 0-0 9 Be2 b5!? 10 Be3 Bb7 11 Dd3 cxd4 12 cxd4 Cd7 13 0-0 Cb6 14 Tb1, mas o equilíbrio da posição conduziu-os ao empate, ½-½ in 37. Kramnik-Kasparov, Wijk aan Zee 2000. Mas Kramnik é um camaleão inexcedível e ele sabe muito bem das preferências de Kasparov por essa variante. Não se pode esquecer também que no match Karpov-Kasparov (Campeonato Mundial, Sevilha 1987), a Grunfeld predominou, sendo utilizada por Kasparov nada menos de nove vezes num universo de 24 partidas. E na maioria dessas partidas, cujo escore foi igualado, Kasparov sofreu sérios problemas, sendo salvo em muitas ocasiões por sua exuberante genialidade. Naquela época, Ovik (Vladimir) era um garoto de 12 anos, que seguia avidamente todo o desenrolar desse match. Desde então, ele evoluiu com disciplina e consistência, tornando-se um dos três mais fortes enxadristas do mundo, enquanto Kasparov transformou-se num político atormentado e compulsivo, confiado talvez de que a sua genialidade enxadrística permaneceria eterna, inalterável
.

8... Da5 9 Dd2 Bg4 10 Tb1!
Uma idéia patrocinada por Karpov em posição similar, embora o mais comum seja 10 Tc1 Bxf3 11 gxf3 e6 12 d5 exd5 13 exd5 Cd7 14 c4 Db6 15 Bh3 f5 16 0-0 Dd6 17 Bf4 Be5 18 Tfe1 0-0-0! 19 Bxe5 Cxe5 20 Dc3 The8 e a posição das pretas é preferível, 0-1 in 47. Yermolinsky-Kasparov, Wijk aan Zee 1999.

10... a6
É preciso impedir 11 Tb5: tampouco revelou-se satisfatório 10...Bxf3 11 gxf3 cxd4 12 cxd4 Dxd2+ 13 Rxd2 Cc6 14 d5 0-0-0 15 Ba6! bxa6 16 Thc1 Td6 17 Re2 Rc7 18 Bc5 Rd7 19 Tb7+ Rc8 20 Bxd6 Rxb7 21 dxc6+ Rb6 22 Bxe7 Tc8 23 Bc5+! Rb5 24 Bxa7 Txc6? 25 a4+, 1-0. Rivas-Kir. Georgiev, Plovdiv 1984.

11 Txb7!
O próprio Kasparov já confessou que se sente atordoado, traído, impactado, quando sofre um golpe como esse, que mesmo não sendo nenhuma novidade é uma raridade na prática magistral. Na partida Timman-Ivanchuk, Linares 1992, seguiu 11 Tb3 b5 12 d5 Cd7 13 c4 b4 14 Dc2 Dc7 15 Cd2 Cb6 16 f4 a5, com chances recíprocas, ½-½ IN 42. Comentando tal partida, Ivanchuk condenava esse lance (11 Txb7), argumentando que as brancas estariam com isso trocando um biscoitinho de b7 pelo pão-de-ló de d4 -- como veremos a seguir. Ocorre, porém, que nos dias de hoje, o dinamismo eletrônico , principalmente no xadrez, está dispensando a trágica figura do legista com sua sentença definitiva: "Kaput!". E aproveitando a muleta cibernética oferecida pela modernidade, as palavras de ordem devem ser revisão e reciclagem, como vem fazendo Kramnik e a sua incansável equipe de mágicos
.

11... Bxf3 12 gxf3 Cc6
As mencionadas análises que Ivanchuk fez para o New In Chess terminavam nesse lance, com a lucrativa recuperação do peão central. E ele nem precisou apontar como isso se daria: 13 e5? cxd4 14 cxd4 Dxd2+ 15 Rxd2 Bxe5! 16 dxe5 0-0-0+!, ganhando.

13 Bc4! N
Esse lance, sim, é uma novidade teórica que deve ser creditada à eficiência dos laboratoristas de Kramnik. O que se conhecia era 13 Bh3 e6 14 0-0 cxd4 15 cxd4 Dxd2 16 Bxd2 Cxd4 17 Bb4!! Cxf3+ 18 Rg2 Ch4+ 19 Rg3 Bf6 20 Td1! g5 21 Tdd7 a5 22 Bd6 Tc8 23 f3 Tc3 24 Bg4 h5 25 Txf7 hxg4 26 Txf6 Cxf3 27 Txe6+ Rd8 28 Rxg4, 1-0. Schilly-Krueger, Alrmanha 1999).

13... 0-0! 14 0-0!
As pretas não têm pressa em recuperar seu peão, mas Kramnik exibe uma invejável preparação ao procurar não defender essa falsa vantagem material. Kasparov deve rever imediatamente os seus conceitos sobre essa linha, que proporciona às brancas, no mínimo, um par de bispos e uma insuportável torre na sétima fileira.

14... cxd4 15 cxd4 Bxd4!?
Não servia 15...Dxd2 16 Bxd2 Cxd4 17 Rg2 e as brancas estariam bem superiores.

16 Bd5!
Melhor do que 16 Bh6 Bg7 17 Bd6 Bxh6 18 Dxh6 Cd4 19 De3 Cf5! 20 Dg5 e6 21 Bb3 h6 22 Df6 Cg7 e as pretas conseguiriam uma boa posição.

16... Bc3!?
Uma das raras condenações ao estilo vibrante do campeão é exatamente essa, a falta de humildade em reconhecer que está inferior e se conformar em jogar na defensiva. Todos esperavam 16...Dxd2 17 Bxd2 Ce5 18 Rg2 e6 19 Bb3 Tab8! e as brancas deviam declinar de sua ameaçadora permanência na sétima fileira, embora ainda conservassem um jogo preferível.

17 Dc1 Cd4!?
Outra vez, Kasparov recusa-se ao natural 17...Tac8, possivelmente por causa de 18 Bb6 Db4 19 a3 Db2 20 Dxb2 Bxb2 21 a4, com uma mínima, porém duradoura vantagem. Assim, ele se inclina por um final com peão a menos, mas com bispos de corres opostas.

18 Bxd4 Bxd4 19 Txe7 Ta7! 20 Txa7 Bxa7
Aí está, por um peão, Kasparov livrou-se do incômodo de uma torre na sétima e do par de bispos de seu adversário.

21 f4!
Claro, as brancas precisam fazer valer sua maioria  e com isso evidenciar a força de seu bispo centralizado.

21... Dd8
Kasparov procura passar sua dama para a ala do rei, a única "viva" no tabuleiro. Mas por ironia, será na ala "morta" que ele perderá a partida.

22 Dc3 Bb8
Não interessava 22...Dh4 23 Dg3 Dxg3+ 24 hxg3 Tb8 25 Tc1 Tb2 26 Bxf7+ Rg7 27 Bb3 Bxf2+ 28 Rg2!!, com grandes chances de vitória.

23 Df3 Dh4 24 e5 g5!?
Kasparov provoca o final sem damas, diluindo assim a ameaçadora (e6) vantagem material contrária. Não devia lhe agradar 24...Tc8 25 Tb1 , com real perigo. No entanto, escapou-lhe o golpe a seguir
).

25 Te1! Dxf4 26 Dxf4 gxf4 27 e6! fxe6 28 Txe6

Kramnik mantém seu peão de vantagem, só que agora perigosamente "do lado de lá", com coroação em casa branca. Ainda assim, os expertos garantem que esse final, como está agora, pode ser perdido pelas pretas, mas jamais ganho pelas brancas.

28... Rg7 29 Txa6 Tf5 30 Be4 Te5
Aparentemente, esse final está tão empatado que o campeão nem se empenha em jogar os melhores. Seu ideal gatilho defensivo devia ser com a torre na segunda fileira e o bispo na diagonal a7-g1. Aqui, era fundamental 30...Tb5 31 Rg2 Tb2 32 Rf3 Be5! 33 Ta7 Rf6!= ou 30...Tb5 31 a4 Tb2 33 a5 Be5! 22 Ta7+ Rf6 34 Txh7 Bd4, empatando.

31 f3 Te7?! 
Garry devia perseguir ainda uma vez a meta anterior, 31...Tb5 32 a4 Tb2 33 a5 Ta2! e aí até o rei branco estaria impedido de colaborar.

32 a4 Ta7 33 Tb6! Be5
Nas análises posteriores, Kasparov reconheceu que seria melhor 33...Bc7 34 Tc6 Ba5 35 Rf1 Bd2 36 Re2 Be3 37 Bc2 Td7 38 Bd3 Ta7 39 Bb5 Td7 e as brancas teriam muito mais dificuldades em progredir.

34 Tb4 Td7 35 Rg2! Td2+ 36 Rh3! h5! 
As pretas não podiam permitir a entrada do rei na luta, por exemplo, 36...Ta2 37 Bd5! Tb2 38 Txb2 Bxb2 39 Rg4 Bc1 40 a5 Rf6 41 a6 Be3 42 Rh5 Rg7 43 Rg5 e as brancas venceriam: ou então, 36...Ta2 37 Bd5! Td2 38 Tb7+ Rf6 39 Tb6+ Rg7 40 Be4 Ta2 41 Ta6 e as chances de vitória estariam conservadas.

37 Tb5 Rf6 38 a5 Ta2 39 Tb6+
Em análises "post mortem", Kramnik garantiu que mesmo jogando o melhor, 39...Rg7, as pretas estariam perdidas: 40 a6 Bd4 4l Tg6+ Rf8 42 Bb7 e as brancas, após tomar em h5, não teriam dificuldades para  impor sua vantagem material.

39... Re7?? 40 Bd5!, 1-0.
Depois de 40...Te7 (se 40...Txa5 41 Te6+ Rd7 42 Txe5 Rd6 43 Txh5+-) 41a6 Bd4 42 a7 Bg1 43 Te6+ Txe6 44 a8=D, ganhando.

 
 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO