: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

   Troféu Eurotel - 2
 

Na final em ritmo clássico, prevaleceu a melhor forma do super GM-A indiano Viwanathan Anand
 

 

A - Br. jogam e ganham



B - Mate em 3 lances

 

    A fantástica festa em que se constituiu o Eurotel World Chess Trophy, Igreja de São Nicolau, Pragarealizado de 28 de abril a 5 de maio, em Praga, República Tcheca, reunindo (como nunca dantes ocorrera) os mais fortes enxadristas do mundo, não se limitou apenas aos magistrais entreveros ali efetivados, mas também à mais importante reunião de cúpula do xadrez mundial, envolvendo, de um lado o atual presidente da Fide, Kirsan Ilyumzhinov, e do outro, os mentores da oficiosa Fundação Mundial de Xadrez, patrocinada pelo mecenas holandês Bessel Kok e endossada pelos dois maiores GM-As da atualidade, Garry Kasparov e Vladimir Kramnik.

     O GM norte-americano Yasser Seirawan insistiu com Mark Crowther, titular de uma das mais importantes páginas de xadrez na Internet (TWIC - www.chesscenter.com), para que ele deixasse “pendurada” sua proposta de unificação o tempo que fosse possível. E isso agora rendeu dividendos, com ambas as partes cedendo em alguns pontos e concordando no essencial.

     Firmado em 6 de maio por Ilyumzhinov (presidente da Fide), Kok, Kasparov, Kramnik, Seirawan e Alexey Orlov (presidente da World Chess Foundation), o Acordo de Praga prevê como um sinal de reconciliação o match Kasparov x Ponomariov (semifinal) e Kramnik versus o vencedor do próximo supertorneio de Dortmund (semifinal). Os vencedores desses matches jogarão no moldes oficiais, em outubro e novembro de 2003, um match pelo título mundial - encerrando de uma vez por todas (espera-se) essa cizânia que vem se arrastando desastrosamente há quase uma década.

A seguir, a partida que decidiu o título desse Troféu Eurotel.

V. Anand (2752) x (2690) A. Karpov (Final Eurotel World Chess Trophy, Praga, 05.05.02 - Petrov, C 42)
1 e4 e5 2 Cf3 Cf6
Embora seja pétrea como o próprio nome de quem a idealizou, essa defesa estaria mais de acordo se fosse denominada como um contra-ataque; e sua natureza violenta está em dessintonia com o estilo morigerado do ex-campeão mundial Anatoly “Tolia” Karpov.

3 Cxe5 d6 4 Cf3 Cxe4 5 d4 d5 6 Bd3 Cc6!?
Essa aguda variante Jaenisch data de 1842 e em 1858 passou a ser adotada por Morphy.

7 0-0 Be7 8 c4 Cb4 9 Be2
Sem esquecer que entre eles já aconteceu 9 cxd5!? Cxd3 10 Dxd3 Dxd5 11 Te1 Bf5 12 g4!? Bg6 13 Cc3 Cxc3 14 Dxc3 Rf8 15 Bf4 c6 16 Te3 h5 17 g5 h4!? 18 Tae1 Df5 19 Txe7 Dxf4 20 h3! Bh5 21 g6! Bxg6 22 Dc5! Rg8 23 Cg5! Db8 24 d5! Th5 25 d6! f6 26 f4! fxg5 27 f5!! Th6 28 De5?? (28 Dc4+! Rh7 29 Txg7++-) 28…Bf7! 29 d7 Dxe5 30 T1xe5 Rf8, 0-1. Anand-Karpov, Siemens Giants 25', Frankfurt 1999.

9…0-0 10 Cc3 Bf5 11 a3 Cxc3 12 bxc3 Cc6 13 Te1(diag.1) Te8
Neste torneio, na 1ª rodada, Tolia preferira 13...Bf6 14 cxd5 Dxd5 15 Bf4 Tac8 16 Cd2 Tfe8 17 Bf3 Txe1+ 18 Dxe1 Dd7 19 Ce4 Be7 20 Dd1 Bd6! 21 Bxd6 cxd6 22 Cg3 Ce7 23 Cxf5 Cxf5 com paridade, ½-½ in 45. Short-Karpov, 1.2. Em seguida, na 4ª rodada (4.2), Karpov optou por 13...Te8 14 Bf4 Ca5 15 cxd5 Dxd5 16 Ce5 c6 17 c4 Dd8 18 Bh5 g6 19 Bg4 Bg5 20 Bxg5 Dxg5 21 Bxf5 Dxf5 e, esvaziada, a partida se anulou, ½-½ in 66 —- Shirov-Karpov. Na partida imediata desse tie-break, publicada aqui (04.05.02), Karpov, para evitar surpresas, preferiu 13...dxc4 e venceu a partida que o classificou para essa consagradora final. Assim, parece-nos sem sentido afirmar que Karpov “mudou o rumo de sua preferência”, uma vez que ele já jogara 13...Te8.

14 Bf4 dxc4
Como vimos anteriormente, mesmo sem maiores pretensões, louve-se a continuação 14...Ca5, forçando uma definição central. O incoveniente dessa tomada agora é que ela facilita a exploração do ponto f7, principal tema tático das brancas.

15 Bxc4 Bd6 16 Txe8+ Dxe8 17 Cg5!? - diag.2
E já começa o assédio ao ponto vulnerável de f7; é claro que a troca da dama por três peças seria ilusória: 17...Bxf4? 18 Bxf7+ Dxf7 19 Cxf7 Rxf7 e agora, com 20 Df3 ou 20 Db3+ as brancas venceriam.

17...Bg6 18 Bxd6 cxd6 19 h4! De7
Aqui já se revela toda a precariedade da posição: 19...h6? 20 h5! Bxh5 21 Dxh5 hxg5 22 Rh2! (ameaçando 23 Te1) e o Chess Tiger 14.0 registra a superioridade das brancas em +0.48.

20 Dg4! h6 21 Ch3 Df6 22 Te1! Bf5 23 Df3 Rf8
O Tiger prefere 23...Tc8 24 Ba2 Rf8 25 Te3 b6! garantindo que a posição é de igualdade.

24 Cf4 Bd7
De nada valeu 23...Rf8, pois se agora 24...Te8? 25 Txe8+ Rxe8 26 Ch5! Dg6 27 Dxf5!+-; ou então, 24...Dxh4? 25 Bxf7! Dg4 - se 25...Rxf7 26 Dd5+ Rf6 27 Te6+!! - 26 Dxg4 Bxg4 27 Bb3! e as brancas teriam melhor final, +0.70.

25 g3 Te8
Com pretas, Karpov anela o empate e, assim, procura esvaziar a posição; no entanto, as três opções principais do Tiger são 25...Tb8!,para passar o cavalo para a ala do rei, 25...Td8 e 15...Tc8, em nenhuma delas o açodamento da proposta textual.

26 Txe8+ Bxe8
No caso de 26...Rxe8 27 De4+ Rf8 28 Dh7+/- ou 27...Rd8 28 Ch5!+-.

27 De4! g5
Segundo o próprio Anand,
“embora aqui a configuração seja de um empate, a posição das pretas é de difícil condução. Se 27...g6 (que o Tiger aponta como o melhor), eu jogaria 28 h5 g5 29 Cd5 Dg7 30 Df5!+-”.

28 hxg5 Dxg5?
Esse lance foi duramente criticado pelos expertos que analisavam ao vivo essa partida; com 28...hxg5, Karpov manteria seus peões e as pretas não perderiam mais.

29 Bd5!
Um lance eficiente: aproveitando a ação de seu perigoso e intocável cavalo em f4, Vishy diminui o espaço das pretas e ainda lhes inibe a melhor movimentação de suas peças.

29...Bd7?
Um mal menor: 29...Df6 30 Dh7 Cd8! liberando seu bispo do inferno de e8.

30 Dh7! Df6
Um desastre seria 30...Dg7? 31 Db1!! b6 32 Db5 Dg5 - 32...Cb8? 33 Dc4! - 33 Da4!+-; ou 31…Cd8 32 Bxb7 Dg5 33 Bf3 Bg4 34 Be4 De7 35 f3 e em ambas as variantes as brancas teriam mais de 2.00 pontos de vantagem.

31 Bxf7!? - diag.3
“Não sei se esse lance é o melhor, mas se eu não o fizesse, eu sabia que na sala ao lado, com o auxílio do Fritz, o pessoal ia exclamar 'oh! Vishy não viu isso!' e, assim. eu tomei esse peão”, disse Anand. De fato, no final forçado em que a partida descambará, ninguém pode garantir com certeza a vitória das brancas, não obstante seu peão de vantagem.

31...Ce7 32 Bb3 Bf5! 33 Ch5 Bxh7 34 Cxf6 Bg6
A preocupação de Anand
“era não trocar os cavalos, senão, depois de ...Rf6 e ...Be8, quando eu trocasse em g5, hxg5 fxg5+, ele se plantaria em g7 e eu não via como poderia progredir”.

35 Cg4 Rg7 36 Ce3 Be4 37 g4 Rf6 38 Rh2 b6 39 Rg3 Rg5
O Tiger oscila a vantagem das brancas entre 1.79 e 1.84, mercê dessa maioria na ala do rei, que Vishy se apressa em movimentar.

40 Bf7 Rf6 41 Bc4 Rg5 42 Bb3
Essas manobras revelam que Vishy ainda não encontrou o caminho das pedras; ou então, está esperando que o seu adversário facilite as coisas, do contrário ele executaria o plano lógico de avançar sua maioria. Por seu turno, Tolia devia procurar trocar seu peões na ala da dama, com 42...b5! - como reclama o Shredder-6.2.

42...Rf6 43 f3 Bg6 44 f4! Be4 45 Bc4 Bc6 46 Bd3 Bb7 47 Rh4!?
Meus softs apontam, direto, 47 g5+!? hxg5 48 Cg4+; mas Vishy procura conservar o maior número de peões aumentando assim suas chances de vitória.

47...Bf3 48 Cc4 Cd5
Era preferível a humilhação de 48...Cc8 do que facilitar mais um peão passado para o adversário e que se constituirá na principal causa da derrota de Karpov.

49 Rg3! Bd1 50 Cxd6 Cxd3 51 Cf5 Rg6!?
Um xeque descoberto sem significado, mas que pode ser de efeito durante um zeitnot.

52 d5! Ba4 53 d6!! - diag. 4 - Bd7 54 Rh4 a5 55 Ce3+ Rf7 56 Rh5
Tolia não podia impedir que as brancas passem os dois peões, pois se 56..Rg7 57 Cf5+ Bxf5 58 Bxf5, ameaçando 59 d7.

56...b5 57 Rxh6 Re6 58 g5 Rxd6 59 g6, 1-0.


Soluções
637 A (L. Kubbel, Pravda, 1928 - 1º pr.) 1 Tg7! Dxg7! 2 Cxe6+ Rd7 3 Cxg7 Rc6 4 Ce6! Ba3 5 Cd4+ Rxc5 6 Ra4! Bb4 7 Cf3 Rc4 8 Ce5+ Rc3/c5 9 Cc6/d3++-.
B (A. Fink & J. Stimson, Good Companions, 1920 - 1º pr.) 1 Tc8! (zug) 1…Cxc6 2 Cc7#; 1…d6 2 e6!#; 1...e6 2 De4#.

 
 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO