: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  Cadaqués 2001
 

 

 

A - Br. jogam e ganham







 


B - Mate em 3 lances

    No campo das promoções enxadrísticas, os espanhóis parecem dispostos a manter uma liderança difícil de ser superada. Sem falar dos eventos de vanguarda que se realizam em Dos Hermanas, Ubeda e León, há uma verdadeira febre de atrativos opens grassando por toda a Espanha.

     O
Supertorneio de Linares (fev/2001) é considerado de há muito como a prova mais importante do nosso calendário anual, reunindo sempre a mais consagrada plêiade do topboard internacional.

     Como arremate dessas promoções, a cidade de
Cadaqués realiza, pelo segundo ano consecutivo, um supertorneio entre os melhores softs comerciais do mundo. Sob a direção do Prof. Enrique Irazoqui, enfrentaram-se, agora em janeiro, seis monstruosíssimas feras de silício, que jogavam num ritmo de 40 lances em 40 minutos e cada match entre elas constava da bagatela de 20 (!) partidas. Sem reclamações.

     Todas atuaram numa base dupla de Pentium-III 933 MHz, com 768 MB de RAM. Com uma paridade assim, podia-se avaliar melhor o avanço tecnológico de cada programação. A tabela final registrava:
    
     1. Deep Fritz 57 pontos em 100 possíveis (da ChessBase, autor Frans Morsch). 2. Gambit Tiger 1.0 53.5 (Rebel B.v./Christophe Théron). 3. Shredder 5 53.0 (Millennium/Stefan Mayer-Kahlem). 4. Junior 6.0 49.5 (ChessBase/Amir Ban e Shay Bushinsky). 5. Nimzo 8 48.0 (ChessBase/Chrilly Donninger). 6. Gandalf 4.32g 39.0 (Gambit-Soft/Steen Suurballe).

     Shredder 5 x Junior 6.0 (3ª rod. Computer Chess Match Tournament, Cadaqués, 28.01.01 — Eslava, D 13) 
1 d4 d5 2 c4 c6 3 Cf3 Cf6 4 cxd5 cxd5 5 Cc3 Cc6 6 Bg5 Ce4 7 Bf4 f6 8 Dd3 g5 9 Bc1 Bf5 10 Dd1 e5! 11 dxe5 Bb4! 12 Bd2 Cxd2 13 Cxd2 d4 14 Ccb1 fxe5 15 Ca3 0-0 16 Db3+ Rh8 17 Td1 g4 18 Cb5 a6 19 Ca3 d3! 20 Dc4 Bxa3! 21 bxa3 Cd4 22 exd3 Tc8! 23 Dxc8 Dxc8 24 Cb3 Cc2+ 25 Rd2 e4, 0-1.

     Gambit Tiger 1.0 x Gandalf 4.32g (4ª rod. Comp. Chess Tournament, Cadaqués, 29.01.01 — GD Aceito, D 20)
1 d4 d5 2 c4 dxc4 3 e4! e5 4 Cf3 exd4 5 Bxc4 Cc6 6 0-0 Cf6 7 e5 Ce4 8 Te1 Cc5 9 Bg5! Dd7 10 b4! Ce6 11 b5 Ccd8 12 Cbd2 Bb4 13 Te4! 0-0 14 Th4 Bc3 15 Tc1 a6 16 b6 cxb6 17 Ce4 b5 18 Bd3 Cxg5 19 Cfxg5 f5 20 exf6-ep h6 21 Ch7! Tf7 22 fxg7 Dc6 23 Dh5 Bf5 24 Cef6+ Txf6 25 Bxf5 Cf7 26 Tg4 Ce5 27 Cxf6+ Dxf6 28 Tg3 Td8 29 f4 Cf7 30 Dg4! Cg5 31 fxg5, 1-0.

     Deep Fritz x Gambit Tiger 1.0 (5ªrod. Comp. Chess M. Tournament, Cadaqués, 30.01.01 — Eslava, D 13) 
1 d4 d5 2 c4 c6 3 Cc3 Cf6 4 cxd5 cxd5 5 Cf3 Cc6 6 Bf4 Ce4 7 e3 Cxc3 8 bxc3 g6 9 Be2 Bg7 10 0-0 0-0 11 c4 b6 12 Tc1 dxc4 13 Txc4 Ca5 14 Tc3 Bb7 15 Dc2 Tc8 16 Bc7! Dd7 17 Tc1 f6 18 Db2 Dd5 19 Bd3 e5 20 e4 Dd7 21 d5! Bh6 22 T1c2 Bg7 23 Db5! Dxb5 24 Bxb5 Ta8 25 Bd7 Bc8 26 Ba4 Bb7 27 Cd2 f5 28 d6! fxe4 29 Cb3 Cxb3 30 Bxb3+ Rh8 31 d7! Bf6 32 Td2 h6 33 Td6 Bh4 34 g3 e3 35 Txe3 Bd8 36 Bxd8 Taxd8 37 Txe5 Bc6 38 Txg6! Txd7 (38...Bxd7 39 Te7!+-) 39 Txc6 Rg7 40 Tee6 Rh8 41 Bc2, 1-0 (in 56).


     Ano passado, o atual vencedor do Computer Chess Match Tournament Cadaqués 2001 (numa versão mais light, mais suave, Fritz6) jogou um match com o mais proeminente GM holandês da atualidade, Loek Van Wely. Sem contar uma das vitórias do Fritz , quando Loek deixou uma peça no ar e abandonou imediatamente, a partida que vamos examinar denuncia um progresso extraordinário no comportamento posicional dessas máquinas, que dia a dia adquirem uma maior "compreensão" desse alucinatório labirinto que é uma partida de xadrez.

     Fritz-6.0 (0.000) x Van Wely, L. (Computer Match, Holanda 2000 -- Siciliana, B 87)

     1 e4 c5 2 Cf3 d6 3 d4 cxd4 4 Cxd4 Cf6 5 Cc3 a6 6 Bc4 Lance que caracteriza a variante Leonardt-Sozin, o meio mais agudo para combater a efetividade da variante Najdorf e que sempre gozou da seletiva preferência de Fischer. Esse lance está bem de acordo com o que se espera de uma máquina de cálculos infalíveis, pois um acirramento tático só exaltaria suas qualidades.

     6... e6 7 Bb3 b5 8 0-0 Be7
      Refrescando a memória da moçada: se 8...b4 9 Ca4 Cxe4 (diag. 1), as pretas ganham um peão, mas perdem preciosíssimos tempos; A) 10 Te1! Cc5 11 Cxc5 dxc5 12 Ba4+ Bd7 13 Cxe6! fxe6 14 Txe6+ Rf7 15 Dd5!+-; B) 10 Te1! d5 11 Bf4! Bd6 12 Bxd6 Dxd6 13 Cf5 exf5 14 Dxd5 Dxd5 15 Dxf7+ Rd7 16 f3 Bd7 17 Cb6 e 18 fxe4+/-; C) 10 Te1! Cf6 11 Bg5 Be7 12 Cf5! exf5 13 Bxf6 gxf6 14 Dd5 Ta7 15 Dxf7+ Rd7 16 Cb6+!+-; D) 10 Te1! Cf6 11 Bg5 Be7 12 Cf5! 0-0 13 Cxe7+ Dxe7 14 Cb6 Ta7 15 Cd5! Dd8 16 Bxf6! gxf6 17 Dd4!+-.

     9 Df3
     A notoriedade desse seguimento vem desde a partida Fischer-Olaffson (½ - ½ in 43), Buenos Aires 1960.

     9... Db6 10 Be3 Db7 11 Dg3 b4
     Embora viável, esse lance de Van Wely admite e até provoca o entrevero tático, o que não deixa de ser uma temeridade, se considerarmos a natureza de seu adversário. A própria Judit, estrela maior do perigoso estilo explosivo, preferiu 11...Cbd7 12 f3 Cc5!N 13 Tfd1 Bd7 14 Rh1 b4! 15 Cce2 0-0! 16 Bh6 Ce8 17 c4 bxc3-ep 18 Cxc3 Bf6 19 Bg5 Bxd4! 20 Txd4 Cxb3 21 axb3 f6! 22 Bd2 Dxb3-/+ e as pretas venceram, 0-1 in 44. Milos-Judit, Bali 2000

     12 Ca4 Cbd7 13 f3 0-0
     Observem que na partida de Judit, ela, com ...Cbd7, Cc5!, Bd7 e b4, impediu a incômoda colocação desse cavalo branco em a4.

     14 Tfd1! Rh8
     Com as pretas, esse mesmo Fritz6 preferiu 14...Ce5 15 Ce2 Tb8 16 Cb6 Dc7 17 Cxc8 Tfxc8 18 Td4 d5! com igualdade, embora 0-1 in 74. Century-Fritz6, Computer Chess Match Tournament, Cadaqués 2000.

     15 Tac1!
     Pronto: o soviético dever de casa está cumprido, com todas as peças devidamente desenvolvidas; logo, logo, virá a hora do merecido recreio. Já o açodado 15 Cb6!? Ch5 16 Dh3 Cf4! 17 Bxf4 Dxb6 18 Be3 Dc7 19 Dg3 Rh8 20 c3 Cc4 21 Bxc4 Dxc4 resultou numa posição esvaziada (quatro peças fora do tabuleiro) e o mais que as brancas conseguiram foi um pálido empate em 54 lances. Rowley-Vigorito, Philadelphia Open 2000.

     15... Ce5 16 Ce2!
     Deixando em aberto a opção de liquidar o par de bispos (Cb6), uma vez que agora as pretas já não dispõem da manobra simplificadora, ...Ch5 e ...Cf4!

     16... Tb8 17 c4! bxc3 18 Cexc3
     A coisa que até hoje mais me impressionou com relação a esses programas de xadrez foi me inteirar de que esses softs não sabem que estão jogando xadrez. Nesse caso, como no jogo de Damas, em que é mister um acendrado senso quantitativo, eles deviam ser fisiológicos inveterados, glutões compulsivos, ainda que aferindo peso e medida para essa e aquela refeição (dama filet-mignon, peão buchada). Como então justificar-se um ataque de mate (qualitativo), se o rei, como todos os reis de verdade, têm um valor puramente simbólico em sua perene postura parasitária?! E aqui, o que parecia ser uma arrancada sobre a ala do rei, transformou-se, qual um prelúdio interrompido, numa luta de manobras posicionais no centro e na ala da dama, em que as brancas preponderam pela maciça atuação de suas peças.

     18... Bd7 19 Cb6 Bc6 20 Rh1 Tfd8 21 Tc2
     Como quem lê um mapa topográfico, identificando abismos, vales e montanhas, a leitura do meio-jogo de uma partida de xadrez também deve ser assim. Desse modo, você consegue localizar com facilidade a fraqueza que deve ser explorada -- no caso aqui, o ponto d6.

     21... Cfd7 22 Cxd7
     Lembrando que esse cavalo branco de b6 já foi um tremendo marginal e essa troca, embora sempre diminua o potencial de que está atacando, não pode ser lamentada.

     22... Bxd7 23 Tcd2! Be8 24 f4! Cd7
     Agora, sim, a máquina está como gosta: botina tamanho 44 (e4 e f4), par de bispos tesourando o tabuleiro, cavalo arreado e pronto para um galope avassalador, torres duplicadas pressionando a fraqueza maior das pretas, dama no refrigério inatingível de g3 e apta para vasculhar a solidão sem-vergonha daquele coroa em h8, além do desocupado que na sombra de h1 dormita em tranquila segurança.

     25 f5! -- diag. 2
     Claro, qualquer um vai querer movimentar a ala onde tem uma dama de vantagem.

     25... exf5
     Deduz-se com facilidade que depois de 25...e5, as pretas poderiam até obstaculizar a escalada sobre a ala do rei, mas elas ficariam com um doloroso peão a menos (2 x 1) na ala da dama, porquanto sua compensação, que seria o peão de d6, não apenas estaria a menos, pois imóvel, como ainda entravaria roda a movimentação das peças pretas no underground do tabuleiro. O meu Fritz6, ou seja, o mesmíssimo que jogou essa partida, oferece, no caso de 25...e5, um seguimento posicional, 26 Bd5!/+0.84, fixando a fraqueza das pretas, e outro com cheiro de pólvora  26 Txd6!!/+0.91 -- muito interessante para quem gosta de emoções fortes. Por exemplo, 26...Bxd6 27 Txd6 f6 28 Bh6 g6 29 Dh4 g5 30 Bxg5 fxg5 31 Dxg5 Bf7 32 Bxf7 Dxb2 33 h3! Tg8 34 Bxg8 Txg8 35 Tg6! (ou 38 Dd2), com posição ganhadora.

     26 exf5 Cf6 27 Bd4 Bc6
     O Fritz dá esse lance como segunda opção, com um índice negativo para as pretas de -1.31. E recomenda em seu lugar 27...Ch5 28 Dh3 Cf6 29 Te2! e as brancas mantêm sua superioridade em +1.28.

     28 Bxf7 d5 29 Be5 Ta8
     De um instante para outro, tudo desmoronou. Quando alguém se sujeita a executar um lance desses, você podem ter certeza de que ele ou está com preguiça de assinar a súmula de sua tragédia ou com vergonha da galera aflita "que depositava em mim tantas esperanças".

     30 Bxd5!?
     Estranho, mas o meu Fritz registra como melhor 30 Cxd5 (+2.31) e assinala uma diferença mínima (+2.28) para o lance do texto, embora ambos ganhadores.

     30... Tac8 31 h3 h6 32 Dg6 Tf8 -- diag. 3
     A posição das pretas é de enervante passividade, sem sequer um plano definido de defesa. O meu Fritz está apontando agora toda a sequência da partida, como alguém que narasse o que lhe aconteceu na noite anterior. Para o lance que segue, o Fritz registra um definitivo índice de +4.59 (!).

     33 Bxc6! Dxc6 34 Td7! Tce8 35 Tc7! Db6 36 Cd5, 1-0.
     Um castelo de cartas não desmoronaria com maior facilidade.

     Para arrematar essa matéria, reproduzimos duas partidas de um "barrado do baile" de Cadaqués 2001 (Rebel Century 3.0) contra o GM holandês John Van der Wiel.

     Rebel Century 3.0 (0.000) x (2.530) Van der Wiel, J.  (Stichting Computer Match, Maastricht/HOL. 2000 -- Francesa, C 10)
    
1 e4 e6 2 d4 d5 3 Cd2 dxe4 4 Cxe4 Bd7 5 Cf3 Bc6 6 Bd3 Cd7 7 0-0 Be7 8 Te1 Cgf6 9 Ceg5 h6 10 Cxe6! fxe6 11 Bg6+ Rf8 12 De2 Bxf3 13 Dxf3 Rg8 14 Txe6 c6 15 Db3 Cd5 16 Dxb7! Cf8 17 Txc6 Cb4 (diagrama) 18 Bf4! Dd5 19 Dxa8 Dxc6 20 Dxc6 Cxc6 21 Bd3 Cxd4 22 Be3 Bc5 23 Bc4+ Rh7 24 Td1 Cde6 25 Td5 Bxe3 26 fxe3 Cg6 27 Bd3 Td8 28 Txd8 Cxd8 29 g4 Cc6 30 h4 Cce5 31 h5 Cxg4 32 Bxg6+ Rg8 33 e4 Rf8 34 b3 Re7 35 c3 Ce3 36 c4 Cd1 37 Rf1 Cc3 38 a3 Rd6 39 Rf2 Rc5 40 Re3 Cb1 41 Rd3 Cxa3 42 e5 a5 43 Bf5 a4 44 e6 axb3 45 e7, 1-0.

 

     Van der Wiel, J. (2.530) x (0.000) Rebel Century 3.0  (Stichting Computer Match, Maastricht/HOL. 2000 -- Inglesa, A 34)
     1 c4 c5 2 g3 Cf6 3 Bg2 d5 4 cxd5 Cxd5 5 Cc3 Cc7 6 Da4+ Bd7 7 Db3 Bc6 8 Bxc6+ Cxc6 9 Dxb7 Cd4 10 Cf3 Tb8! 11 De4 f5! 12 Dd3 g6 13 0-0 Bg7 14 Dc4 Cxf3+ 15 exf3 Dd4 16 Da4+ Dxa4 17 Cxa4 Ce6 18 Tb1 c4 19 b3 cxb3 20 Txb3 Txb3 21 axb3 Rf7 22 Bb2 Bxb2 23 Cxb2 Cd4 24 Ta1 Cxf3+ 25 Rg2 Cxd2 26 b4 Tb8 27 Cd3 Tb7 28 Ta6 Cc4 29 h4 e5 30 Tc6 e4 31 Txc4 exd3 32 Td4 Re6 33 Rf3 d2 34 Re2 (diagrama) 34...Td7! 35 Txd7 Rxd7 36 Rxd2 Rd6 37 Rc3 Rd5 38 f3 h6 39 Rb3 Rd4 40 Ra4 Re3 41 f4 Rf3 42 Ra5 Rxg3 43 Ra6 Rxh4 44 Rxa7 g5 45 fxg5 hxg5 46 b4 g4!, 0-1.

 

 

 

 
Soluçõe 573
A -
(E. Somov-Nasimovich, 64, 1927 - 2ªMH) 1 Da4+ Rc5(1 ... Rc3 2 Da1+ Rd3 3 Ce5+ +-) 2 Da7+ Rd5 3 Ce3+ Re5 4 Dg7+ Rf4! 5 Cg2+! fxg2 6 Dxd4 g1-D 7 De3+ Rg4/Re5 8 f3/f4++-.
B -
(G. Zahodiakin, URSS, 1964) 1 Ta5! (zug) 1... c3 2 Db5! e 3 Dxg5/h5++; 1...e3 2 Df3! e 3 Dh3++.

 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO