: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

   Linares & Cannes - 2
 

Um severo equilíbrio técnico inibe o espetáculo das românticas e sedutoras partidas de ataque
 

 

A - Br. jogam e ganham



B - Mate em 3 lances

 

     Em Cannes, na França, no supertorneio NAO Masters Cannes 2002, realizado entre 22 de fevereiro e 3 de março, rate-médio 2677 pontos-ELO, categoria 18, o destaque ficou por conta da alarmante atuação do maior rating da prova, super GM-A Alexander Morozevich. Ele totalizou o que se denomina de cem mil pontos negativos, ou seja, venceu uma e perdeu cinco partidas (100000). O equivalente a cinco pneus e um macaco, na linguagem oficinal. A tabela final registrava: 1/2. V. Topalov (Bul 2739) e B. Gelfand (Isr 2708) 6.0 pontos em 9 possíveis; 3/7. E. Bareev (Rus 2707) E. Bacrot (Fra 2649) A. Karpov (Rus 2693) P. Leko (Hun 2713) e L. Fressinet (Fra 2591) 4.5; 8/9. J. Lautier (Fra 2697) e I. Nataf (Fra 2546) 4.0; 10. A. Morozevich (Rús 2739) 2.5.

     Em Linares, na Espanha, no returno, o supertorneio que reúne seis dos maiores astros da atualidades (Kasparov, Anand, Adams, Ponomariov, Ivanchuk, Shirov) apresentava em três rodadas mais resultados positivos do que todas as sete primeiras rodadas do turno. E é desse supertorneio (2732 pontos-ELO, categoria 20) que selecionamos a animada partida a seguir. V.

Ivanchuk (2717) x (2742) M. Adams (7ª rod. Linares, 02.03.02 - Espanhola, C 88)
 

 1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 a6 4 Ba4 Cf6 5 0-0 Be7 6 Te1 b5 7 Bb3 0-0 8a4! Bb7 9 d3 Te8 10 Ca3!?
Lance raro e interessante, pressionando b5 e torcendo pelo avanço ...b4, quando então esse cavalo se instalaria soberano em c4. Na 3ª rodada deste torneio, aconteceu 10 Cc3 b4 11 Cd5 Ca5 12 Cxe7+ Dxe7 13 Ba2 d5! 14 Bg5 dxe4 15 dxe4 Tad8 16 De2 h6 com igualdade, ½-½ in 25 — Shirov-Adams. Vale lembrar que em seu match pelo oficioso campeonato mundial, o superteórico “number one” preferiu 10 Cbd2 Bf8 11 c3 h6 12 Ba2 d6 13 Ch4 Dd7 14 Cg6! Ce7 15 Cxf8! e com um jogo preferível, as brancas venceram, 1-0 in 59. Kasparov-Short, m/3 WCC-PCA, Londres 1993. Para se ter uma idéia do veneno dessa posição, vejam: 10 Cg5?! d5! 11 exd5 Cd4 12 Ba2 Cxd5 13 Txe5 Bxg5 14 Bxg5 Dd7 15 Txe8+ Txe8 16 Cd2 Cb4 17 Bb1? Ce2+! 18 Rf1 Bxg2+!! 19 Rxg2 Dg4+ 20 Rh1 Cg3+, 0-1. Zapata-Nunn, Olimpíada de Dubai, 1986.

10...Bxa3 N
 Como vimos há pouco, Kasparov trotou com seu cavalo por h4-g6 só para eliminar o bispo que no retiro de f8 não incomodava a ninguém. Ocorre, porém, que pelos preceitos da escola soviética, a troca de um cavalo por um bispo representa o lucro (que palavra feia, hein Marx?) de meio peão ou a “pequena qualidade” — como eles costumam consignar. Assim, deve ter sido uma surpresa para Vassily, quando o mestre inglês veio lhe entregar graciosamente e a domicílio essa pequena qualidade. E o que é mais grave, por um cavalo meio manco e marginalizado. O que se conhecia era 10...Bc5 11 Bg5 Cd4 12 Cxd4 Bxd4 13 c3 Bb6 14 Df3! Bc6 15 Cc2 bxa4 16 Bxa4 Bxa4 17 Txa4 Te6 18 d4 h6 19 Bh4 De8 20 d5 com superioridade, 1-0 in 46. Kupreichik-Dueball, Alemanha 1993.

11 bxa3! d5!?
Parece incoerente a abertura da posição favorecendo àquele que tem par de bispos, mas essa é a única maneira de que Michael dispõe para assenhorear-se da iniciativa.

12 exd5 Cxd5 13 Bb2? Cf4! 14 Bc1?
Uma clara confissão de equívoco; no caso de 14 Dd2 Df6! 15 De3 Df5 e a situação só se agravaria. De acordo com Ljubojevic, impunha-se 14 h4! e se 14...Cd4 15 Cxd4 exd4 16 Txe8+ Dxe8 17 Dg4 Cxg2 18 Dxd4 Df8 19 h5 h6 20 Rh2 Td8 21 Dg4 Dd6+ 22 Rg1 Df8 23 axb5 axb5 24 a4! e as brancas estariam superiores.

14...Cxg2?!
Era melhor 14... Cd4! 15 Bxf4 Bxf3! 16 gxf3 exf4-/+ ou 15 Cxd4 Cxg2! 16 Cf5 Cxe1 17 Dxe1 Df6 18 Cg3 e4!-/+ ou ainda, 15 Cxd4 Cxg2 16 Dh5 g6! 17 Dh3 exd4 18 Txe8+ Dxe8 19 Bg5 bxa4 20 Bc4 De5 21 Dg3 Te8! 22 f4 De3+ 23 Dxe3+ Cxe3 24 Tb1 Bc6 e o Chess Tiger 14.0 registra uma vantagem de -+1.70 para as pretas. Detalhe: se 17 Bxf7+ Rxf7 18 Dxh7+ Rf6 19 Cc6 Bxc6 20 h4 Cf4 21 Bxf4 exf4 22 h5 Tg8 23 axb5 gxh5+ 24 Rf1 axb5 e já agora a vantagem das pretas é de -+2.02.

15 Cg5! Cxe1?!
Se não estivesse cego de gula, Michael continuaria com 15...Cd4!? 16 Bxf7+ Rf8 17 Ba2! —- se 17 Dh5? Cf3+! 18 Cxf3 Bxf3 19 Dxf3 Cxe1 20 Df5 Df6-/+ — 17...g6! 18 Cf7 Dh4 19 Bh6+ Dxh6 20 Cxh6 Cxe1 e as pretas estariam bem.

16 Dh5! — diag. 1
É mais grave a ameaça do que sua execução, e assim, surpreendido, desarvorado, Michael comete um erro após outro. Mesmo agora ele dispunha de 16...h6! 17 Cxf7— se 17 Bxf7+ Rh8 18 Dg6 Cf3+! 19 Cxf3 Cd4= — 17…Df6 18 Cg5+ Rh8 19 Cf7+, empate.

16…Dd7?! 17 Bxf7+ Rf8 18 Be3!
Um combate desigual: enquanto Michael não acerta um lance, Vassily não erra nenhum. Não servia 18 Cxh7+ Re7 19 Bg5+ Rd6 20 Txe1 Cd4 e as pretas teriam um novo alento para continuar.

18...Cd4
Se 18...Re7?? 19 Be6! Dd6 20 Bc5!!+-.

19 Txe1! Cf3+?!
Consentâneo seria 19…g6!? 20 Dh6+ Re7 21 Dh4! Dc6 22 f3! Cf5! 23 Bxe8 Cxh4 com boas chances de sobrevivência. No entanto, a ânsia de Michael era trocar o que fosse possível para aliviar a tensão sobre seu rei.

20 Rf1! Cxg5 21 Bc5+ Te7 22 Txe5! Cxf7 23 Txe7 Dxe7 24 Bxe7+ Rxe7 — diag. 2
Mesmo com toda a sua “consciência” posicional, o Tiger aponta uma mínima vantagem para as pretas — claro que fundamentado na soma dos botões. Ocorre, porém, que a desarticulação das peças pretas condena-as a um final difícil; a dama, em volteios vertiginosos, vai por à roda as forças adversárias, impedindo-lhes a coordenação salvadora.

25 Dc5+ Rd7?!
25...Re6!? 26 Dxc7 Bd5 27 Db6+ Cd6! 28 De3+ Rd7 29 De5 Bf7! 30 Dxg7 h5 com boas chances de empate.

26 Dd4+ Re7 27 Dxg7 bxa4??
Para vencer, as brancas precisavam avançar, unidos, os peões c e d — tarefa agora facilitada pela capivarada de Adams. Era fundamental 27...Bd5! 28 Dxh7 Th8 29 Df5 c6! e o boletim do torneio registraria outro resultado.

28 Dc3! Rd7 29 Dd4+ Cd6 30 Dxa4+ Re6 31 Dg4+ Cf5 32 Dc4+ Bd5?
Era imperioso manter o peão de c7 com 32...Rd7 33 Df7+ Ce7 34 Dxh7 Tf8 e começaria outra partida.

33 Dxc7 h5 34 c4! Bh1 35 f4+-
O Tiger já acusa uma vantagem decisiva de +-2.88: cada um desses peões centrais vale uma peça.

35...Tf8 36 Db6+ Rf7 37 Da7+ Ce7 38 Dxa6
Há pouco o que comentar: cinco peões aplaudindo o rodopio ligeiro dessa Isadora faminta no palco do tabuleiro.

38...Tb8 39 d4! Tb1+
A tentativa de armar uma rede de mate com 39…Tb2 fracassaria: 40 d5! impedindo a participação do cavalo.

40 Re2 Tb2+ 41 Rd3 Tb3+ 42 Rd2 Th3 43 d5! Txh2+ 44 Rd3 Cxd5
Senão, 45 De6+ e 46 d6 seria mais desastroso ainda.

45 cxd5 Bxd5 46 f5!!
Com a terrível ameaça de 47 Da7+!, ganhando mais uma peça.

46...Ta2 47 Da7+
Também ganhariam 47 Rd4! ou 47 Dd6!, capturando mais material.

47...Rf6 48 Dd4+ Rg5 49 Dxd5 Txa3+ 50 Re4, 1-0.


Soluções
628  A (E. Pogosiantz, Schachstudien, 1973) 1 Ch6+! Rh7 2 Dc2+ Rh8 3 Dc8+ Cf8 (3…Cd8?4 Dxd8+!+-) 4 Dxf8+ Rh7 5 Dg8+!! Dxg8 6 g6+! Rh8 7 Cf7+! Dxf7 8 gxf7 g6+ 9 Rh6!+-.
B (M. Sinoviev, Mem. V. Bron, 1986)
1 Bh1!! Dxh1 2 Dc8+ Ra7 3 Be3#; 1…Rb8 2 Bf4+ Ra8 3 Da5#.

 

 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO