: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  História antiga
 

 

 

     Na Olimpíada de Siegen (19ª), na Alemanha, 1970, enfrentavam-se na última rodada a invicta equipe da Inglaterra (liderando com folga o Grupo B) e a equipe do Brasil (Câmara, Rocha, Nóbrega e Toth), que atuava sem o seu melhor primeiro tabuleiro de todos os tempos, Mequinho.
     O capitão de nossa equipe, mestre Ronald Câmara, propôs ao lendário capitão inglês, Sir C.H.O’D. Alexander, um empate (2 x 2) que beneficiaria o Brasil na tabela de classificação e garantiria a invencibilidade do time inglês (mesmo perdendo, a Inglaterra seria, como foi, campeã do Grupo B). Alexander (1909-1974) concordou imediatamente com aquela proposta, mas um dos ingleses, Graham Lee, sentindo-se prejudicado em sua campanha individual, rebelou-se, inutilizando com isso todo o acordo costurado pelos capitães das duas equipes.
     Ao final desse encontro, o Brasil venceu por 2.5 a 1.5, com três empates e a vitória de
Antonio Rocha no 2º tabuleiro sobre... Graham Lee ! Foi a primeira, a única e certamente a última vez que o Brasil venceu a Inglaterra.
     Agora, no Interclubes da Grande São Paulo, enfrentavam-se as equipes do Clube de Xadrez A e B. Um dos integrantes do time A não aceitou a proposta de 2 x 2, que deixaria ambos os times com possibilidades no torneio, por considerar que o time A era superior ao B. Resultado, o time B derrotou o time A por 2.5 a 1.5, repetindo assim a mesma e trintenária história daquela saudosa olimpíada.


E. MALBRÁN x A.CALDEIRA(3ªrod. Interclubes da Grande São Paulo,19.03.00 — Siciliana, B 80)

 1 e4 c5 2 Cf3 e6 3 d4 cxd4 4 Cxd4 Cf6 5 Cc3 d6 6 Bd3!?
 
A variante Scheveningen é uma das mais sólidas estruturas defensivas e conta com a preferência de muitos super GM-As, Kasparov entre eles; combatê-las à perfeição só se for com um livro na mão, daí por que Emílio Malbrán, com 6 Bd3, procura se desviar de seus trâmites normais.

 6... Cc6
 
Embora esse lance seja perfeitamente exequível, a teoria recomenda uma formação baseada no fianchetto ...Bb7 conjugada com a manobra ...Cbd7/Cc5, pressionando o ponto e4 — isso, quando o bispo branco é desenvolvido em d3. Por exemplo, 6...a6 7 0-0 Cbd7! (ideando ...b5/Bb7/Cc5/b4) 8 a4 b6 9 De2 Bb7 10 Bd2 Be7 11 Rh1 0-0 12 f4 Cc5 13 b4!? Cxd3 13 cxd3 Cd7 15 Tac1 Tc8 16 Dd1 Bf6 17 Cf3 g6, com equilíbrio, não obstante 1-0 in 34. Van der Wiel-Polugaievsky, Antuérpia 1993.

 7 Cxc6!?
 
Novidade in Karasev-Lukin, URSS 1989, quando seguiu 7...bxc6 8 0-0 Be7 9 b3 0-0 10 Bb2 d5 11 De2 c5 12 Tae1 d4 13 e5! Cd5 14 Cxd5 exd5 15 f4!, com superioridade; até então, jogava-se 7 Cb3, cf. Informador 39/274.

 7... bxc6 8 0-0 Dc7?!
 
E quem me garante que a dama não estaria melhor em b6? Ou a5? Ou lá mesmo em d8, ao lado de seu Otelo? A verdade é que sem roque e com peças por desenvolver, esse lance merece a nossa suspeição. Vejam só, 8...Be7 9 b3 0-0 10 Bb2 e5!? 11 Ca4 Bg4 12 f3 Be6 c4 Da5 14 De1 Dxe1 15 Tfxe1 Cd7 16 Ted1 f6 17 Bc2 Tfd8 18 Td2 Cb6 19 Cxb6 axb6 20 a4 d5!, com igualdade. Schafer-Espig, Alemanha 1992.

 9 De2 d5?!
 
As pretas insistem em resolver o problema central antes de completar seu desenvolvimento. No entanto, o Fritz-6.0 recomenda 9...Tb8 e o Hiarcs-7.32, mais posicional, 9...Be7, ambos com
igualdade.

 10 Bd2 Bd6 11 f4 Tb8 12 Rh1!
 
Minha dupla dinâmica prefere 12 e5! Bc5+ 13 Rh1 Cd7 14 Ca4 e agora, F: 14...Be7 15 Dg4 Rf8 16 Dh5 ou H: 14...Bb4 15 a3 Bxd2 16 Dxd2, com superioridade. O lance do texto, porém, como num
filme de cowboy, representa aquele instante duelístico em que o gunfight puxa suavemente para trás sua pesada capa, deixando a descoberto um enorme Colt 45.

 12... Be7 13 b3 Bb7 14 Tae1!
 
Notem, a única peça que não atinge a ala do rei é o cavalo de c3; assim, a dupla F/H, mais do
que depressa, oferece 14...d4, na tentativa de conservar fechada essa verdadeira caixa de Pandora, que é o centro do tabuleiro. Para quem não sabe, tal caixa, se aberta, deixaria escapar todos os males do mundo. E com eles — miserere supremum — também a esperança!...

 14... Cxe4? 15 Bxe4?!
 
É claro que era melhor 15 Cxe4 dxe4 16 Bxe4, quando as brancas, sem peões isolados, disporiam de maioria na ala da dama e ainda conservariam latentes todas as chances de uma escalada na ala do rei. Mas, estilo é estilo e um cavalo nas mãos de um jogador de ataque, acreditem, às vezes tem oito patas.

 15... dxe4 16 Cxe4 c5?!
 
Nessas alturas, nem 16...0-0 salvaria a posição: 17 f5! c5 18 f6 Bxf6 19 Cxf6+ gxf6 20 Txf6 e5 21 Bh6 Rh8 22 Bxf8+- F/ 2.69 e H/3.33; ou 17 f5! e5 18 f6! Bxf6 19 Txf6!!+-.

 17 f5! Td8
 
Agora mesmo é que o roque enguiça, 17...0-0 18 f6! gxf6 19 Cxf6+ Bxf6 20 Txf6 e5 21 Bh6 (F/+2.87) ou 20...Tbe8 21 Bf4 Da5 22 Bh6 Rh8 23 Tff1 Dc7 24 Bxf8 Txf8 25 De5+ (H/+3.20); nem é possível
17...exf5? 18 Bf4!, com um estratosférico índice vitorioso.

 18 fxe6! 0-0
 
No caso de 18...fxe6? 19 Bc3! Tf8 20 Txf8+ Rxf8 21 Dg4! Bxe4 22 Dxg7+ Re8 23 Txe4 Td1+ 24 Be1! Rd7 25 Dg4! Dd6 26 Txe6!+-; ou então, 21...e5 22 Tf1+ Re8 23 Dxg7! Bxe4 24 Dg8+ Rd7 25 Dg4++- F/1.72 e H/2.66.

 19 exf7+ Rh8
 
Outra vez, a impossibilidade de diminuir o prejuízo material: 19...Txf7? 20 Txf7 Rxf7 21 Cg5+ Re8 (21...Bxg5?? 22 Bxg5!+-) 22 Ba5/22 Ce6/22 Bf4, ganhando.

 20 Cg5!+- Bf6
 
As pretas não dispunham sequer de 20...Bxg5 21 Bxg5 Td7 22 De8 ou 22 Be7, ganhando.

 21 Txf6! gxf6 22 Bc3!?
 
Confirmando a máxima de Tartakower ‘‘as partidas mais difíceis de ganhar são aquelas que já estão ganhas’’, Malbrán demonstrava nas análises post-mortem que era melhor 22 Dh5! fxg5 23 Te8! De5 24 Txe5 Txd2 25 Te8+-; ou ainda, a sugestiva linha 22 Dh5! fxg5 23 Bc3+ Td4 24 Te8! Rg7  25 Bxd4+! cxd4 26 Txf8! Rxf8 27 Dh6+!!, ganhando.

 22... Txf7 23 Ba5!?
 
Um lance de efeito, principalmente se considerarmos o zeitnot absoluto em que se encontrava o condutor das pretas, mas que ensejava 23...Te7!! 24 Dxe7 Dxe7 25 Txe7 Td1+ 26 Be1! fxg5 27 h4!, com um final superior, mas trabalhoso para as brancas.

 23... fxg5? 24 Bxc7 Txc7, 1-0.
Sem tempo e sem material para continuar, as pretas abandonaram.

 
 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO