;

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  Radiábov
 

 

 

A - Br. jogam e ganham


B - Mate em 3 lances

         O mais jovem grande mestre de nossa história, Teimur Radiábov (Azerbaijão, 12.03.87), consignou um feito sem paralelo e mais extraordinário ainda do que o próprio título de GM que o está consagrando: não conseguiu surpreender a ninguém — salvo aqueles que acreditam possa uma enorme bola de neve (seu talento) se deter no meio de uma montanha.

     Antes dele, a lista se compunha de Fischer, Judit, Leko, Bacrot, Ponomariov e Bu, ordem decrescente. Em Cannes, na França, a homologação de seu título pela Fide (26.03.01) pegou-o com 14 anos e 14 dias, mas seus resultados foram obtidos antes, em Budapeste (2000) e Wijk aan Zee (2001), torneios de categoria VIII em que ele se classificou 1º e 2º, respectivamente.

     O destaque maior, porém, está nas declarações dos mais proeminentes GMs da atualidade, que são unânimes em apontá-lo como um futuro campeão mundial. Karpov ficou maravilhado com o seu estilo sóbrio, posicional (impróprio, proibitivo mesmo, para sua idade), e Kasparov não hesitou em reconhecê-lo como seu substituto.

      Seus treinadores em Baku, no Azerbaijão, Faik Gasanov e Fukret Sideif-Zade (este, um ativo GM há uns 30 anos), que um dia também trabalharam na preparação técnica do então jovem Garry Kasparov, garantem que ‘‘Teimur é muito mais tranqüilo do que Garry’’. O que, convenhamos, não é um bom sinal. Afinal, é mais fácil acalmar um louco do que convencer um mestre shaolin a pular o carnaval.

T. Radiábov (2395) x (2455) I.Csom (Budapeste GM, 11.02.99 — Inglesa, A 30) 
1 Cf3 c5 2 b3! b6 3 Bb2 Bb7 4 c4 Cf6 5 g3 e6 6 Bg2 Be7 7 0-0 d6 8 d4 cxd4 9 Dxd4! Cbd7 10 Cc3 a6 11 Tad1 0-0 12 e4 Dc7 13 Tfe1 Tac8 14 Dd2 Tfe8 15 Cd4 g6 16 f4 e5 17 Cc2! b5 18 Ce3 Dc5 19 cxb5 axb5 20 Rh1 Bf8 21 Ced5 Cxd5 22 Cxd5 Bxd5 23 exd5! Dc2 24 Bf1 Dxd2 25 Txd2 b4 26 Bb5 Ted8 27 Te4! Tb8 28 Txb4 Bg7 29 a4 Cc5 30 fxe5 dxe5 31 d6! Tb6 32 Td5! Tdxd6 33 Txd6 Txd6 34 Be2 Ca6 35 Bxa6 Td1+ 36 Bf1!!, 1-0. 
 

T. Radiábov (2438) x (2465) Bu Xiangzhi (Kasparov Cadet GP, 14.01.00 — Peão Dama, D 32) 
1 Cf3 d5 2 d4 Cf6 3 e3 c5 4 dxc5 e6 5 c4 Bxc5 6 Cc3 0-0 7 cxd5 exd5 8 Be2 Cc6 9 0-0 a6 10 Cd4 Bd6 11 Cxc6 bxc6 12 b3 Be5 13 Bb2 Ce4 14 Dc1 Dh4 15 f4 Cxc3 16 Bxc3 Bd6 17 Bb2 De7 18 Bd3! Bd7 19 Tf3 f5 20 Dc2 h6 21 Tg3 Tf7 22 Be2! Df8 23 Tf1 Be8 24 Bd3! Bd7 25 Tff3 De7 26 Tg6! Rh7 27 Tfg3 Tg8 28 De2 Bc5 29 Be5! Dh4 30 T3g4!! Dd8 31 De1! Be7 32 Dg3 Df8 33 Bxg7!! Dxg7 34 Txg7+ Tfxg7 35 Txg7+ Txg7 36 Dh3 Rg6 37 g4! Rf7 38 Dh5+! Rf8 39 Bxf5 Bc5 40 Bxd7 Bxe3+ 41 Rg2 Txd7 42 Dxh6+ Re7 43 Dg5+ Re8 44 Dg8+ Re7 45 f5 d4 46 g5 d3 47 f6+! Rd6 48 f7!, 1-0. 
 


VERSO & REVERSO

     As duas partidas que vamos examinar, ambas na mesma linha da Defesa India do Rei, servem para ilustrar a excelsa preparação teórica do mais jovem GM do mundo, além de revelar a impressionante coerência de sua irrepreensível formação técnica.

T. RADJABOV (2480) x (2440) Y. VISSER (5ª rod. Corus B, Wijk aan Zee, Holanda, 22.01.2001 -- India do Rei, E 97)

1 d4 Cf6 2 c4 g6 3 Cc3 Bg7 4 e4 d6 5 Be2!

Um lance malicioso, digno de um veterano e calejado GM. Aparentemente, as brancas se dispõem a jogar a aguda e bem-sucedida variante Averbach (6 Bg5), sem desenvolver o cavalo em f3. E daí? Daí, que o adversário de Teimur, ante essa perspectiva, deve ter-se detido na avaliação dessa possibilidade e, quase certo, desperdiçou alguns valiosos minutos na revisão mental dessa variante.

5... 0-0 6 Cf3!
Compreenderam agora? Com 5 Cf3 0-0 6 Be2, a partida não assinalaria nenhuma possível mudança de curso e não provocaria a apreensão do condutor das pretas. E olhem que essa "pequena malandragem" já faz parte do venenoso arsenal de um garoto de 13 anos de idade.

6... e5 7 0-0 Cc6 8 d5 Ce7
Centro cerrado, estabelece-se automaticamente a estratégia de ambos os lados: as brancas atacam na ala da dama e as pretas, na ala do rei. A vitória há de sorrir para aquele que se houver melhor na execução de suas escalada.

9 b4!
Além de estar na moda, a variante Taimanov pode até nem ser a melhor maneira de se combater a India do Rei, mas é pelo menos a mais coerente, pois, sem mais delonga, detona aquele setor com a imediata ameaça c5 -- principal rompimento da cidadela contrária.

9... a5!? 10 Ba3 Cd7 -- diag. 1
Fracassaria a tentativa de conter a expansão das brancas na ala da dama com 10...axb4 11 Bxb4 b6, por que aí, então, seguiria  12 a4! Ch5 13 Te1 Cf4 14 Bf1 Bd7 15 a5! bxa5 16 Bxa5 Db8 17 Cb5! Bxb5 18 cxb5 Cc8 19 Dc2 Cb6 20 Dc6 Ta7 21 Bxb6 Txa1 22 Txa1 Dxb6 23 Ta6 Db8 24 b6!+/- e as brancas estariam superiores, 1-0 in 37. Hamzabegovic-Stauch, Ambassador Open, Berna (Suiça) 2000.
Observem nessa partida que citamos como, em prejuízo das pretas, a ala do rei permaneceu inalterada. Ou seja, só houve movimentação na ala da dama, em claro benefício da estratégia das brancas.

11 bxa5
Ou então, 11 Cd2 f5! 12 bxa5 Txa5 13 Bb4 Ta8 14 a4 Bh6 15 Bd3 Tf7 16 Cb3 Cf6! 17 c5 fxe4 18 cxd6 cxd6 19 Cxe4 Cxe4 20 Bxe4 Bf5! 21 Bxf5 Cxf5 22 Bd2 Bxd2 23 Dxd2 Db6 24 Tfb1 Taf8! com um jogo preferível, 0-1 in 36. Bacrot-Ivanchuk, Rapidplay Cap D'Age, França 1998.

11... Rh8
O padrão é 11...Txa5 12 Bb4 Ta8 13 a4 e aqui, sim, encontramos a) 13...Bh6 14 a5 f5! 15 Bd3 Rh8 16 Cd2 Cg8 17 Te1 Tf7 18 Cb5 Ta6 19 Dc2 Cdf6 20 c5 fxe4! 21 Bxe4 Bd7 22 Cc3 Bf5! 23 Bxf5 gxf5 24 Cc4 Ce7 com igualdade, ½-½ in 39. Van Wely-Ivanchuk, Wijk aan Zee, Holanda 1999; b) 13...Rh8! 14 a5 f5! 15 Cd2 Bh6 16 Cb3 Cf7 17 f3 Be3+! 18 Rh1 Ch5 19 Dd3 Cg3+!! 20 hxg3 f4 21 gxf4 Cf5! 22 g3 Cxg3+ 23 Rg2 exf4 24 Cd1 Cxf1, 0-1. Jelen-Socko, Groningen Open, Holanda 1998.

 12 Cd2! -- diag. 2
Aí está, não há quem me convença de que Teimur (da geração de silício) não conhecia a preferência de Yge Visser por esse lance 11...Rh8, baseado na partida 11...Rh8 12 Te1 Cg8 13 Cd2 f5 14 c5! dxc5 15 Cc4 Cfg6 16 exf5 gxf5 17 Bb2! Ce8 18 Cb5 Ta6 19 d6 cxd6 20 Cbxd6 Tc6 21 Cxc8 Dxc8 22 Tb1 Dc7 23 Dd2 Cd6 24 Ce3! Ce4 25 Dc2 Tg6 26 Bd3 Cg5 27 Bxf5 Cf3+ 28 Rh1 Cxe1 29 Txe1 Tg5 30 Td1 Cf6 31 h3 e4 32 Bxf6 Txf6 33 Cd5 De5 34 Cxf6 Dxf6 35 Bxe4, 1-0. Epishin-Visser, Hoogoveen, Holanda 2000. E outra, enquanto o meu Fritz-6.0 propõe a cupidez material de 12 Bb4 (+/-0.31), Teimur, de acordo com seu plano estratégico, apenas se apressa em transferir mais uma peça para a ala onde pretende promover sua escalada, ao mesmo tempo em que libera a casa f3 para reforçar sua defesa na ala do rei -- ala do domínio adversário.

12... f5 13 Cb3 Cf6 14 f3 Bd7?
Através de dogmas e preceitos, qualquer um pode transformar-se num bem estruturado jogador posicional. Um tático, não. Tal qual um inspirado poeta, o tático, um indianista do Rei, por exemplo, já nasce feito. Uma natureza incomum reveste-o com o diáfano manto da inspiração criadora, para que melhor sua alma depure fantasias, filigranando sonhos e delírios. De preferência, o tático deve ser diplomado em precipício, PhD em porrada.
Desse modo, o lance 14...Bd7? revela claramente que Visser não é do ramo, quando se sabe que esse bispo só sai de c8 para ser sacrificado em h3. Se fosse possível, seu deslocamento antes de sua imolação devia ser ...Bb9(!), onde ficaria super-protegido e cederia passagem para que a torre de a8 fosse para a ala do rei. E mais, em d7, ele fica estorvando a defesa da dama sobre o ponto d6. Mais ainda, denuncia sua infeliz disposição de enfrentar a luta na ala que é a praia do seu adversário.

15 c5! Cc8 16 Tb1 Ch5 17 Bb5 Bh6 18 Bc1!
Quem viu até o fim a partida Jelen-Socko anteriormente citada , compreende por que Teimur não pode deixar esse bispo entrar impune em e3. Por exemplo, 18 Bxd7? Be3+ 19 Rhl Cg3+! 20 hxg3 Dg5, ganhando.

18... Bf4 19 Bxd7 Dxd7 20 c6! -- diag. 3
A idéia será sempre essa -- detonar o máximo possível a ala onde se está atuando. E agora, Yge é obrigado a aceitar a devolução do peão, mas desviando a dama preta de sua participação na ala do rei.

20... bxc6 21 dxc6 Dxc6
As pretas desistiram de vez de sua escalada (nessas alturas, retardatária e sonrisal) na ala do rei e são obrigadas agora a sustentar uma luta desigual no terreno de seu adversário. Observem também a incrível desconexão das peças pretas, que nem parecem fazer parte de um mesmo exército, mas de um bando errante de saltimbancos sem versatilidade alguma.

22 Cd5! fxe4 23 fxe4 Dc4 -- diag. 4
Agora. no mais puro estilo capablanqueano, Teimur provoca uma liquidação geral para entrar num final em que ele se encontra flagrantemente superior, até mesmo com um perigoso e passado peão-a, que vale pelo menos a escravização de uma peça contrária no impedimento de sua progressão.

24 Bxf4! Cxf4 25 Cxf4! Txf4 26 Txf4! exf4 27 Df3
De quebra, esse importante peão de f4 -- portão principal do palácio real das pretas. Senão, vejamos: 27...Dc2? 28 Tc1 Dxa2 29 Txc7 Db1+ 30 Tc1 Db2 31 Dxf4! Dxb3 32 Df6+! Rg8 33 Dd8+ Rg7 34 Tc7+, ganhando.

27... d5!? 28 Dxf4! Cd6
O ilusório 28...dxe4 era perdedor, em vista de 29 De5+! Rg8 30 Tc1!+-.

29 De5+ Rg8 30 Dxd5+! -- diag. 5
As brancas ainda dispunham de 30 exd5, com a idéia de seguir com 31 Tc1, para aproveitar a situação exposta do rei preto. Mas estilo é estilo e Capablanca, quero dizer, Radjabov simplifica a posição para assomar num final em que as chances de reação de seu adversário inexistem.

30... Dxd5 31 exd5 Rf8 32 Te1!
É muita preciosidade num pivete só!

32... Cb5 33 Tc1! Ta7
Forçado, uma vez que o "normal" 33...Re8 ensejaria 34 Tc5 Tb8 35 a6! Rd7 36 Txb5! Txb5 37 a7!, ganhando.

34 Tc6!
Com o peão de c7 defendido, já não adianta atacar o cavalo de b5. A meta ganhadora implica em liberar o cavalo de b3, aumentando assim a pressão sobre a posição já comprometida das pretas.

34... Re8 35 a6! Rd8 36 Cc5 Cd6 37 Ce6+ Rd7 38 a4!
As pretas estão zugadas e impotentes ante a ameaça de 39 Cf8+ e 40 Cxh7, colecionando peões alheios. E como para perder qualquer serve...

38... Ta8?, 1-0. 


V. ROGOVSKY (2446) x (2480) T. RADJABOV (8ª rod. Spring Alushta, Ucrânia, 15.03.2001 -- India do Rei, E 99)
 

1 d4 Cf6 2 c4 g6 3 Cc3 Bg7 4 e4 d6 5 Cf3
Como se vê, o ucraniano Vladimir, com 5 Cf3, telegrafa dizendo que vai jogar a Variante Clássica, sem a malícia de assustar seu adversário.

5... 0-0 6 Be2 e5 7 0-0 Cc6 8 d5 Ce7
É claro que vocês acabaram de ver essa posição na partida anterior. A diferença é que agora Radjabov está com as pretas. Vejamos como ele se comporta.

9 Ce1
Questão de estilo, de preferência. O lance da hora é 9 b4, mas há quem prefira 9 Cd2 ou o lance do texto, todos plenamente viáveis.

9... Cd7! -- diag. 1
Esse, sim, é super da hora e evita o dissabor que adviria de 9...Ce8 10 Cd3 f5 11 f4!, como defende Kozul, posto que sem o cavalo em d7 as pretas não têm o controle da casa e5.

10 Be3 f5 11 f3 f4 12 Bf2 g5!
Teimur não joga uma bola fora e todos os seus lances até agora visaram a escalada na ala do rei. Vejam que na partida anterior, o jogador holandês perdeu em 38 lances e sua ala do rei pouco se movimentou. Aqui, no l2º lance, Teimur já jogou ...g5 e devia estar pensando "se eu perder, se eu for p'ro buraco, levo junto comigo a minha escola (soviética) de xadrez...".

13 Cd3 Tf6!
É preciso dizer mais alguma coisa? Ainda assim, cabe uma observação, pois há quem prefira o convencional ataque com o avanço de peões, como nesse modelo: 13...h5!? 14 a4 Cf6 15 a5 g4! 16 Rh1?! Cg6 17 a6 b6 18 Cb4 g3! 19 Cc6 Dd7 20 hxg3 fxg3 21 Bxg3 h4! 22 Bh2 Cf4 23 De1 Bh6! 26 Dxh4 Dg7! 25 Df2 Bd7 26 g3 Rf7!! 27 Tfd1 Th8 28 Bf1 Bg5 29 Td2 Th6 30 Cb5 Tah8 31 Cbxa7 Cg2! 32 Dxg2 Bxd2 33 Cd8+ Re8 34 Ce6 Bxe6 35 dxe6 Dh7, 0-1. Borik-Uhlmann, Bundeskliga 2000.

14 c5 Th6! 15 Tc1 a6 -- diag. 2
Vocês verão que essa será a única e necessária concessão que Teimur fará com relação à ala da dama, ala de seu adversário. É como se ele se esquecesse de que existia uma outra metade do tabuleiro, numa demonstração insofismável de cabedal estratégico. Perder, todo o mundo perde, mas perder sem executar um plano equivale a mover as peças sem jogar xadrez.

16 c6 bxc6 17 dxc6 Cf8!
Em outras palavras, muito obrigado por empurrar meu cavalo na direção da ala do rei.

18 Cb4 De8! 19 Rh1 Ce6 20 Ccd5 Cxd5 21 Cxd5 Rh8!
Além de praticar um "segundo roque", esse lance profilático revela a calma, a madurez do impúbere Teimur, que, qual calejado lutador, antes encera sua mão para melhor empunhar o definitivo gládio de sua determinação.

22 b4 Df7
A dama preta transforma-se momentaneamente na guilhotina que defende o ponto c7, liberando assim o cavalo preto (...Ce6-Cd4) que, uma vez deslocado, liberará a fundamental ação do bispo de c8 no ataque das pretas na ala do rei.

23 Dd3 Cd4 24 Bd1 Be6! 25 Te1 Tf8!! -- diag. 3
Agora vocês compreenderam por que, desta vez, o bispo não saiu de c8 direto para o possível sacrifício em h3 -- antes, ele teve de levantar a batina para deixar passar a última peça que não estava atuando na ala do rei. Isso, sim, é que é escola!

26 Dxa6
Por certo, Vladimir nunca ouviu falar no ditado latino "aquila non capit muscas".

26... g4! 27 fxg4
O Junior-6.0 propõe 27 Bxd4 exd4 28 fxg4 f3! 29 gxf3 (29 Bxf3? Bxd5 30 exd5 Df4 31 Rg1 Dxh2+ 32 Rf2 Th3-/+) 29...Bxd5 30 exd5 Df4 31 Tc2 Be5 32 Txe5 dxe5 33 Dd3 Th3 34 Df1 Dg3 35 Tg4 Df4, com um jogo preferível para as pretas.

27... f3! 28 Bg3
Se 28 Bxd4 Bxd5! 29 Bg1 Df4 31 exd5 Dxc1 32 Be3 Dc3 33 De2 Tg6, com uma vantagem (Junior) de -+0.44.

28... Bxg4 29 Dd3 -- diag. 4
Na posição do diagrama, Teimur, ratificando o seu imenso talento posicional, incomum para a sua pouca idade, jogou o confortável e ganhador 29...fxg2+. No entanto, se ele fosse um verdadeiro tático, um daqueles caras da pesada que levam uma águia tatuada no espírito, teria iniciado o seu show de fogos de artifício com o frontal (-+ 4.31) 29...Txh2+!! 30 Rxh2 (30 Bxh2 fxg2+ 31 Rxg2 Df2+) 30...Dh5+ 31 Rg1 fxg2 32 Bf4 (esses lances do Junior são únicos, nem adianta procurar melhores: 32 Bh2 Bxd1! 33 Tcxd1 Cf3+ -+) 32...Dh1+ 33 Rf2 Dxe1+! 34 Rxe1 Txf4!! 35 De3 Tf1+ 36 Rd2 g1=D 37 Bxg4 Txc1 38 Dxg1 Txg1, ganhando.

20... fxg2+ 30 Rxg2 Cf3!
O Junior também recomenda esse lance, com um índice ganhador de -+ 1.52.

31 Tf1
Embora não salvasse a posição, o Junior sugere a interessante opção 31 Te3 Bh3+ 32 Rh1 Cxh2! 33 Rg1 (33 Bxh2? Bg2+!) 33...Cf1! 34 Tf3 De8 35 Rf2 Cxg3 36 Rxg3 Dg6+ 37 Rf2 Dg2+ 38 Re1 Bg4! 39 Txf8+ Bxf8 40 Be2 Bxe2 41 Dxe2 Th1+ 42 Rd2 Bh6+, ganhando.

31... Bh3+ 32 Rh1 Bxf1 33 Dxf1 Dg6!-- diag. 5
Além de desimpedir o tobogã de f8-f1, essa dama em g6 ameaça, como um bispo, o peão de e4 e, como uma terceira torre, o bispo de g3, liquidando a partida.

34 Dg2 Cxh2!! 35 Bxh2 Txh2+! 36 Rxh2 Dh6+, 0-1.
O que mais impressiona nessa partida é exata noção posicional do condutor das pretas, movimentando ávida e exclusivamente a ala do rei na vitoriosa execução de seu plano estratégico.

 

 

 


Solução 581 
A (N. Grigoriev, Shahmaty Listok, 1930 - 1º MH) 1 f6! exf6! 2 d5! exd5 3 Rg4 c3 4 Rf5 c2 5 Re6!! c1=D 6 Rf7 Dc2!? 7 g7+ Rxh7 8 g8=D+ Rh6 9 Dg7+ Rh5 10 Dh8+ Rg4 11 Dh3+ Rf4 12 Df3+ Re5 13 Dxf6+ Re4 4 Dg6++-.
B (V. Potempsky, Shahmaty Jurnal, 1894)
1 Tb3! Ra5 2 Bb6+ Ra4/Ra6 3 Cc5++; 1...Rxa7 2 Rc6! Ra8 3 Ta3++.

 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO