: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

  Astana - 2
 

 

 

A - Br. jogam e ganham



B - Mate em 3 lances

      O Supertorneio de Astana, no Cazaquistão, realizado entre 19 de maio e 1 de junho, atingindo a exuberante marca de 2.733 pontos-ELO (categoria 20), não apresentou nenhuma surpresa. Os favoritos Kasparov e Kramnik isolaram-se dos demais desde o início e a prova se resumiu nessa disputa até a última rodada, quando Kasparov, invicto, impôs ao seu maior rival sua única derrota.

    Um destaque especial cabe ao GM-A israelense Boris Gelfand, que além de se nivelar com os melhores, soube tirar partido do estilo alucinado de Morozevich e Shirov, estilo que pode até servir para ilustrar coletâneas de partidas brilhantes, mas que dificilmente renderá o suficiente para colocá-los na ponta de supertorneios magistrais.

     Na tabela final de classificação, 1. Garry Kasparov 7.0 pontos em 10 possíveis; 2. Vladimir Kramnik 6.5; 3. Boris Gelfand 5.5; 4/5. Alexandre Morozevich e Alexey Shirov 4.5; 6. Damen Sadvakhasov

     A partida a seguir, com rápidos comentários, registra uma incursão do sólido campeão mundial (oficioso) Kramnik pelas estufas onde vicejam flores de metáfora, ou melhor, pelos terrenos escorregadios e traiçoeiros das combinações delirantes.

Kramnik x Sadvakhasov (7ª rod. Astana 28.05.01 — GD Aceito, D 27) 
1 d4 d5 2 c4 dxc4 3 Cf3 Cf6 3 e3 e6 5 Bxc4 c5 6 0-0 a6 7 a4!? 
Dependendo da força do adversário, 7 Bb3!? cxd4 8 exd4 Cc6 9 Cc3 Be7 10 Te1 0-0, com equilíbrio, 1/2-1/2 in 76. Kramnik-Anand, Mônaco 2001.

 7...Cc6 8 De2 Dc7 9 Td1 Bd6 10 dxc5! 
 
Completando o desenvolvimento da torre de d1 e abrindo a diagonal do inferno, a1-h8.

 10...Bxc5 11 b3 0-0 12 Bb2 e5 13 Cc3!
 
Incrível, esse lance é novidade; antes, a turma se preocupava com o peão-h (h3), mas, sob a ótica do xadrez boêmio, ‘‘é mais fácil perder uma partida mantendo-o do que entregando-o’’.

 13...e4
 
É claro que isso é capivarada, quando se tem quase metade das peças ainda por desenvolver.

 14 Cg5 Bd6 15 Cd5! 
 Kramnik troca seu cavalo inútil de c3 pela única peça defensiva da ala do rei adversário, não se importando com o preço.

 15...Cxd5 16 Txd5!
 
Agora, podem contar, somente a torre de a1 não participa do assalto à cidadela contrária.

16...Bxh2+?! 17 Rh1 Be5 18 Dh5 Bf5??
 
Com o simples e efetivo 18...h6, as pretas escapariam ao pior e, quem sabe, Kramnik se convenceria de que essa não é verdadeiramente a sua praia: 19...Cxf7!? 20 Txf7 20 Txe5 Cxe5 21 Bxe5 De7 22 Dxf7+ Dxf7 23 Bxf7+ Rxf7 24 Tc1=, empate.

19 Cxf7! Txf7
Se 19...Bxb2 20 Txf5! Bxa1 21 Ce5+! Rh8 22 Cg6#.

 20 Dxf5!! 
 
Essa foi a bomba que escapou às análises do jovem GM casaque; se 20...Bxb2 21 Td7+- e se 20... Txf5? 21 Td8#!!

20...g6 21 Bxe5!, 1-0.



The Boss
 

      A partida decisiva do Supertorneio de Astana, defrontando os dois maiores do ranking internacional, repete a lição que recomenda uma salutar flexibilidade no repertório de aberturas, evitando assim tornar-se um alvo fixo para a perigosa pontaria de um dos melhores jogadores de todos os tempos: Garry "The Boss" Kasparov.

KASPAROV (2.835) x (2.797) KRAMNIK (10ª e última rodada, Astana / CASAQUISTÃO,01.06.01 -- Ab.Espanhola / Def. Berlinense, C 67) 

 1 e4 e5 1 Cf3 Cc6 3 Bb5 Cf6
 
A teoria garante que "essa é uma defesa segura, que era muito utilizada no início do século passado. Atualmente, porém, a opinião generalizada é de que as variantes derivadas de 3...a6 proporcionam uma maior elasticidade para as pretas" (Max Euwe). No entanto, não se pode esquecer que foi precisamente essa defesa a principal arma de Kramnik para obter o título mundial (Kasparov-Kramnik, Londres 2000), sendo que daquela data até hoje, Kramnik não fora ainda derrotado utilizando-a.

 4 0-0
As linhas secundárias 4 d4 e 4 d3 nunca fizeram parte do repertório do "Boss" e nas últimas sete vezes em que enfrentou Kramnik e sua favorita Defesa Berlinense, ele sempre optou por esse seguimento, que a teoria recomenda como o melhor.

4... Cxe4 5 d4! Cd6 6 Bxc6 dxc6 7 dxe5 Cf5 8 Dxd8+ Rxd8 9 Cc3
Todas as partidas jogadas entre eles (Kasparov-Kramnik) nessa linha foram idênticas até aqui. Parece-nos que o grande dilema das brancas está na escolha do posicionamento de seu bispo. Em duas oportunidades (e nesta partida), Kasparov optou por fianchettá-lo em b2, atuando firmemente sobre a ala do rei onde as brancas têm maioria de peões e, por consequência, preponderância.

9... h6 10 h3
Para se ter uma idéia de como essa variante é antiga, vejam: 10 Bd2 Be6 11 Ce2 c5 12 Bc3, com superioridade, 1-0 in 49. Tarrasch-Lasker, Hastings 1895.

10... Bd7
Num dos maiores vexames do século passado em termos de campeonato mundial, seguiu 10...Re8 11 Ce4 c5 12 c3 b6 13 Te1 Be6 14 g4, ½-½ (empate!). Kasparov-Kramnik, 13ª partida do Brain Games Network WCC, Londres/INGLATERRA, 2000.

11 b3! Re8 N -- diag. 1
Uma novidade difícil de nos convencer. O bom senso garante que onde está o rebanho (maioria de peões na ala da dama) deve estar o pastor. E outra, ainda restam cinco peças no tabuleiro, sendo que as torres brancas, postadas nas únicas colunas aberta e semi-aberta do tabuleiro (justamente onde está o rei preto), exercerão uma pressão insuportável, como veremos a seguir.
Na primeira partida do mencionado  match promovido pela Braingames, continuou 11...Rc8! 12 Bb2 b6 13 Tad1 Ce7 14 Ce2 Cg6 15 Ce1 h5 16 Cd3 c5 17 c4 a5 18 a4 h4 19 Cc3 Be6 20 Cd5 Rb7 21 Cc3 Th5 22 Bc3 Te8 23 Td2 Rc8 24 f4 Ce7 25 Cf2 Cf5, ½-½. Kasparov-Kramnik.
Há poucos dias tivemos 11...b6 12 Bb2 Rc8 13 Tad1 Ce7 14 Tfe1 Cg6 15 Cd4 Cf4 16 Cce2 Cg6 17 Cc3 Cf4 18 Cce2 Cg6 19 Cc3 Cf4, ½-½. Luther-Miles, Memorial Capablanca, Havana 2001.

12 Bb2
Kasparov pensou dez minutos para fazer esse lance, mas isso não deve ter mudado em nada seu estratégico plano original -- conforme suas declarações, que reproduzimos ao final desse artigo.

12... Td8 13 Tad1! Ce7   
Mesmo que seja estândar, essa torcicolosa manobra para colocar o cavalo preto em sua casa ideal (g6) já denuncia a posição pouco natural das pretas. E ainda seria pior, se 13...Be6?! 14 g4 Txd1 15 Txd1 Ce7 16 Cd4, com muita superioridade.

14 Tfe1!
Esse lance, que o Gigantão faria de estalo, custou a Kasparov nada menos do que 40 minutos de análise. Por seu turno, Kramnik, nos próximos três lances, vai gastar em tempo de reflexão o tempo suficiente para ficar também tão "pendurado" quanto o seu adversário.

14... Cg6
A maioria dos analistas aponta a omissão neste momento de 14...c5 como uma das razões das dificuldades das pretas. Era imperioso vigiar a passagem Cd4 aumentando a pressão sobre o rei preto.

15 Ce4!
Shipov sugere a especulação que adviria de 15 Cd4 (ameaçando 16 e6) 15...Cf4 16 Ce4! e se agora 16...c5 17 Cf6+! gxf6 18 exf6 Ce6 19 Cxe6 Bxe6 20 Txe6+! fxe6 21 f7+, com grande superioridade posicional. No entanto, a excelsa escola soviética ensina que o bolo estratégico deve ser bastante fermentado para aumentar seu tamanho e sabor tático.

15... Cf4  --  diag. 2
As análises post-mortem apontam como única e paliativa defesa o lance 15...Be6. Se 16 Cd4 Be7 17 Cxe6 fxe6 18 Txd8+ Rxd8 19 Td1+ Rc8 20 g3 h5 21 h4 e as brancas teriam, pelo menos virtualmente, um peão de vantagem. Ou então, 15...Be6 16 Cd4 Bd5 17 Cg3 Cf4 18 c4! Bxg2 19 Bc1 Txd4!? 20 Txd4 Ce6, com alguma compensação pela qualidade.
A verdade, porém, é que nem Kramnik nem ninguém estava esperando o seguinte sacrifício de peão, que tem todas as características de pesquisa laboratorial.

16 e6!
O lógico sacrifício desse peão libera a diagonal a1-h8 ao mesmo tempo em que abre coluna e1-e8; e assim, se o bispo de b2 duplica seu valor, a torre de e1 triplica sua força. A resposta a seguir é forçada (16...Cxe6), uma vez que se 16...fxe6 17 Be5! Cg6 18 Bxc7 Tc8 19 Bd6! e as pretas estariam zugadas, perdidas; ou então, 16...Bxe6 17 Cf6+! Re7 (17...gxf6 18 Txd8+ Rxd8 19 Bxf6+ Rc8 20 Bxh8+-) 18 Ba3+! Td6 19 Ce4 ou 18...Rxf6 19 Txd8, ganhando em todos os casos.

16... Cxe6 17 Cd4 c5?!  
Por mais artificial que pudesse parecer, era melhor agora 17...Th7!?, lembrando que em tempo de tormenta a gente se agarra aé em fio descascado. Por exemplo, 18 Cf5 Bc8 19 Txd8+ Rxd8 20 Td1+ Re8 21 Rf6 Bd7 22 Bxg7 Bxg7 23 Cxg7+ Txg7 24 Cf6+ Re7 25 Cxd7 Cf4 e as pretas escapariam; nesse caso, na linha principal, 18 f4 c5 19 Cxe6 Bxe6 20 Bf6!? Txd1 21 Txd1 Bd6 22 Bh4 f6 23 Cxd6+ cxd6 24 Txd6, com um final igualado.

18 Cf5! Th7 19 Bf6 Tc8 -- diag. 3
A única justificativa para Kramnik seria dizer que ele foi pegado de surpresa  (o termo pego de surpresa nós deixamos para presidentes desavisados), por que se ele planejou uma estratégia defensiva para essa partida e ficou assim nessa situação horrível, desconectada (Tc8/Th7), um verdadeiro apagão, então a coroa de rei que ele ostenta com tanta bravata, não passa, eu sei, de uma sebenta armação de lata.
Aqui, o "Boss" também zeitnotado, jogou o bastante 20 Bxg7. Posteriormente, ele confessou ser muito melhor 20 Bh4, mantendo o incrível zug das peças pretas.

20 Bxg7 Bxg7 21 Cxg7+ Txg7 22 Cf6+ Re7 23 Cxd7 Td8 24 Ce5 Txd1 25 Txd1 Cf4 
A gente avalia uma posição tirando-lhe todas as peças do tabuleiro, mas conservando os reis e os peões. Aqui, se isso sucedesse, as pretas estariam completamente perdidas: desvantagem de 3 x 2 peões na ala do rei, enquanto aquela maioria de 4 x 3 na ala da dama é falsa, não funciona. Façam esse teste, tirem todas as peças do tabuleiro e joguem c4. E aí então vocês verão que as brancas têm virtual e realmente um peão de vantagem.

26 Rh1! -- diag. 4
Não servia 26 Cg4? Cxh3+! 27 gxh3 f5 28 f3 h5 29 Rf2 fxg4 30 hxg4 hxg4 31 Tg1, arribando a um final empatado. O lance do texto previne 26...Txg2?? 27 Cd3!+- ou 26...Cxg2 27 Tg1 Tg5 28 Cf3, ganhando.

26... Tg5 27 Cg4 Td5!
Mesmo com um virtual peão a menos, esse final de cavalos interessa às pretas, que veriam aumentar suas chances de empate.

28 Te1+!
Kasparov não quer se arriscar um final, com 28 Txd5 Cxd5 29 Cxh6 Cb4 30 Cf5+ Re6 31 Ce3 Cxa2 e as pretas ainda estariam  muito longe da derrota.

28... Rf8 29 Cxh6 Td2?
Um lance lógico, natural e... ruim! Era imperioso, primeiro, tanger aquele enorme cavalo perigosamente instalado dentro de  seu campo, com 29...Rg7!, aproveitando que a torre preta vigia o seu salto em f5. Aí, sim, depois de 30 Cg4 Td2!, com chances de sobrevivência. Exemplo, 31 Te4 Ce6 32 Ce3 Txf2 33 Rg1 Td2 34 Rf1 Rf6 e as pretas exerceriam o seu sagrado direito de espernear (jus esperneandi) durante ainda muito tempo. O Fritz-6.0, nessa variante, aponta para as brancas uma insignificante vantagem de +0.31, insuficiente para ganhar.

30 Te5! Txf2?? -- diag. 5
O erro definitivo, fatal. Kramnik omite mais uma vez o forçado 30...Rg7!, que lhe proporcionaria uma boa defesa: 31 Cf5+ Rf6 32 Ce3 (32 Txc5 Ce6 33 Tb5 a6 34 Ta5 b6-+) 32...Rxe5 33 Cc4+ Rd4 34 Cxd4 Rc3 e quem tem um rei desse tamanho nem precisa de peça para ajudar; ou então, 31 Cxf7 Txc2! 32 Cd8 Txf2! 33 Txc5 Txg2 34 Txc7+ Rg6 35 Tc4! Tf2 36 Cxb7 Cxh3 e o rei cortado das brancas seria um alento para a defesa das pretas. Ou o melhor: 31 Tf5!? Rxh6 (31...Cxh3 32 Cg4!+-) 32 Txf4 Txc2 33 Txf7 Txa2 e as brancas deviam ganhar, mesmo que penosamente.

31 Tf5! Rg7 32 Cg4 Txg2
De nada adiantaria 32...Rg6 33 Tf6+ Rg5 34 g3, ganhando.

33 Txf4 Txc2 34 Tf2! Tc3
É claro que o final (34...Txf2) com um cavalo a menos seria sem nenhuma esperança para as pretas.

35 Rg2 b5 -- diag. 6
O Fritz acusa uma superioridade ganhadora de +-2.19. Depois de 35...a5 36 h4 c4 37 h5 cxb3 38 cxb3 Tc5 39 h6+ Rf8 40 Cf6 Tg5+ 41 Rh1 Tg3 42 Th2 Td3 43 Th5 Td8 44 h7! Rg7 45 Tg5+ Rxf6 46 Tg8, ganhando.

36 h4 c4 37 h5 cxb3 38 axb3 Tc5 
Se 38...Txb3 39 h6+ Rh8 (39...Rg8? 40 Cf6+ Rf8 41 Te2+-) 40 Txf7, ameaçando Cf6 e mate a seguir.

39 h6+ Rf8 40 Cf6 Tg5+ 41 Rh1, 1-0.
As brancas ameaçavam 42 Te2. Kramnik não dispunha mais de meios defensivos para continuar lutando: 41...Tg3 42 Th2 Txb3 43 Th5 e as pretas não poderiam deter o demolidor avanço h7 e h8=D.           

     Numa entrevista após essa partida, Kasparov declarou entre outras coisas que "Pela manhã, não me saía da cabeça a idéia do sacrifício de peão (16 e6). A minha dificuldade era encaminhar o jogo para esse desenlace, como ocorreu"

It Astana KAZ 2001

1 Kasparov,G 2827 +39
&;
½1 ½½ 11 ½½7.0 / 10  
2 Kramnik,V 2797 +34 ½0
&;
½½ 11 6.5 / 10 
3 Gelfand,B 2712 +60 ½½
&;
½½ 5.5 / 10 
4 Shirov,A 2722 -24 00 ½½ ½½
&;
10 ½1 4.5 / 10 19.50
5 Morozevich,A 2749 -56 01
&;
11 4.5 / 10 18.00
6 Sadvakasov,D 2585 -75 ½½ 00 ½0 00
&;
2.0 / 10 
Media Elo: 2732 <=> Cat: 20 gm = 3.30 m = 1.30
 

Solução: 589
A
(F.Richter, Schachstudien, 1939) 1 Rd6! d2 2 Rc7! d1=D (2...b6 3 Txb6 d1=D 4 Ta6++) 3 Ta6+!! bxa6 4 b6+ Ra8 5 b7+ Ra7 6 b8=D++.
B
(I.Ivanov, Schach, 1961 — 7ª- MH) 1 Ba5! (zug) 1...Rxa5 2 Cd5 Ra6/Ra4 3 Db6/Db4++; 1...Rb5! 2 Da2!! Rc5 3 Dd5++.
 

 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO