: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   CRÔNICAS    : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :
 

   Linares & Cannes - 1
 

Na Espanha, a técnica supera a imaginação; na França, a imaginação supera a técnica
 

 

A - Br. jogam e ganham



B - Mate em 3 lances

 

      Em Linares, Espanha, realiza-se entre 22 de fevereiro e 10 de março o mais forte torneio da temporada, com um rate-médio de 2732 pontos-ELO, categoria 20, reunindo por ordem de rating: 1. G. Kasparov (2838) 2. V. Anand (2757) 3. M. Adams (2742) 4. R. Ponomariov (2727) 5. V. Ivanchuk (2717) 6. A. Shirov (2715) e 7. F. Vallejo (2629). On-line: http://www.todoajedrez.tv/

     Em Cannes, França, mesma data, o campo é um pouco mais modesto, rate-médio de 2677, cat. 18, defrontando por ordem de sorteio: 1. E. Bareev (2707) 2. B. Gelfand (2708) 3. A. Karpov (2693) 4. J. Lautier (2687) 5. V. Topalov (2739) 6. A. Morozevich (2742) 7. E. Bacrot (2649) 8. L. Fressinet (2591) 9. I. Nataf (2546) 10. P. Leko (2713). Para assistir on-line: http://nao-ccc.com/

     Em virtude da paridade de forças no supertorneio de Linares, o número de empates (10 em 12 partidas) vinha arreferecendo o interesse dos espectadores, sempre ávidos por combates sangrentos. Assim, selecionamos duas partidas de Cannes, por suas conotações teóricas.

V. Topalov (2739) x (2742) A. Morozevich (1ª rod. Cannes, 22.02.02 - Espanhola, C 78)

1 e4 e5!? 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 a6 4 Ba4 Cf6 5 0-0 b5 6 Bb3 Bc5!?
Esse esquema defensivo, que hoje convencionaram chamar variante Tkachev-Malaniuk, se deve ao teórico J. Möller, que publicou seus inéditos fundamentos nos idos de 1903, na famosa revista Tidskrift for Schack.

7 a4! Tb8 8 c3 d6 9 d4 Bb6 10 axb5 axb5 11 Ca3 0-0 12 Cxb5 Bg4
 Posição básica da variante em questão; a partir daqui, separam-se os caminhos, sendo os mais comuns 13 Te1, 13 d5, 13 Be3 e o lance do texto.

13 Bc2 h6!?
Com essa turma da pesada, nada é deixado ao acaso. E Alex devia conhecer a preferência de Veselin pela continuação 13 Bc2, louvado no exemplo 13 Bc2 d5!? 14 Bg5 exd4 15 cxd4 Bxf3 16 Dxf3 Bxd4 17 exd5 Dxd5 18 Dxd5 Cxd5 19 Cxd4 Cxd4 20 Be4 Cf6! 21 Bxf6 gxf6 22 Ta7 Tfe8 23 Bd3 Te7 com igualdade, ½ - ½ in 53. Topalov-Shirov, Wijk aan Zee 1996.

14 dxe5 Cxe5 15 Cbd4
Tendo acabado a grama na ala da dama, o discernimento encaminha esse cavalo para o pasto central.

15...d5!
As pretas pagaram o preço de um peão por um desenvolvimento mais rápido; assim, nada mais lógico que elas procurem o imediato acirramento das ações, quando essa compensação se notabilizaria.

16 exd5
O Chess Tiger 14-0 e o Fritz 7 se inclinam pelo estranho 16 Dd2!? Bxf3 17 Cxf3 Cxf3+ 18 gxf3 dxe4 19 Dxd8 Tfxd8 20 fxe4 Te8 21 Te1 Cg4 22 Te2 com ligeira vantagem, de +0.36.

16...Dxd5 17 h3
Depois de 17 Bf4 Bxd4 18 Bxe5 Bxe5 19 Dxd5 Cxd5 20 Cxe5 Txb2, a partida caminharia célere para o empate.

17...Bh5 18 g4!
Nem há melhor, posto que qualquer tentativa para aliviar a tensão sobre o ponto f3 resultaria pior: 18 Ta3 c5 ou 18 Ta4 Tbd8 ou ainda 18 Te1 Bxd4 19 Dxd4 Cxf3+ 20 gxf3 Dxd4 21 cxd4 Bxf3 com ligeira vantagem das pretas.

18...Cfxg4
O Tiger e seu luminoso botãozinho amarelo avisam-me de que as pretas estão perigosamente superiores em -0.62.

19 Cxe5!
No caso de 19 hxg4 Bxg4 20 Cxe5 Bxd1 21 Cec6 Dd7 22 Bxd1 Ta8 23 Txa8 Txa8 24 b3 Dh3 com alentada vantagem de -1.00/Tiger.

19...Cxe5 20 Dxh5 Bxd4 21 Df5!
E aqui, posição esvaziada e de estéril igualdade, o empate faria justiça ao empenho de ambos. Mas as coisas são como são e não como nós as queremos.

21...Cf3+ 22 Rh1 Dxf5 23 Bxf5 Bf6 24 Ta7 c5
Uma sutileza nesta posição seria 24...Tfd8, defendendo indiretamente o peão de c7, pois se 25 Txc7 Ch2!! 26 Te1 Cf3 27 Tf1 Ch2 empatando por insistência perpétua. E se 25 Bg4 Cd2 26 Td1 Ce4! e as pretas garantiriam pelo menos o empate.

25 Be4 Ce5 26 Td1 Cc4 27 Bb7!
Lance raro e efetivo, conservando a decisiva maioria na ala da dama.

27...Bg5
O Tiger sugere 27...Tfd8 28 Txd8+ Txd8 29 Ba6 Td1+ 30 Rg2 Cd2 31 Bxd2 Txd2 32 Bc4 Txb2 33 Txf7 Rh7 34 Bd3+ Rg8 35 Bc4 Rh7, empatando. A idéia de Alex era minar a defesa de b2 e detonar o par de bispos adversário.

28 Bxg5 hxg5 29 b3 Ce5
Era melhor 29…Cb6 30 Bc6 Tfd8 31 Txd8+ Txd8 32 Ta5 c4 33 b4 f6 com algumas chances de empate.

30 Td5! Tfe8 31 Txc5 Te7
Impunha-se 31...Cd3 32 Tc7! Cxf2+ 33 Rh2 Cd3 e as pretas ainda poderiam opor uma tenaz resistência.

32 Tb5
Agora, as pretas não podem evitar que após 33 Ta8 as brancas se livrem da cravada de b7 e movimentem sua maioria de peões; mesmo assim, Alex devia continuar com 32...g6, embora o Tiger assinale uma substancial vantagem das brancas em +0.82.

32...Cd3?? 33 Be4!!, 1-0 (+4.18/Tiger).
 Um verdadeiro blow-up — flash incandescente iluminando a cena final.

 

P. Leko (2713) x (2742) A. Morozevich (2ª rod. Cannes, 23.02.02 - Espanhola, C 78)
1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bb5 a6 4 Ba4 Cf6 5 0-0 b5 6 Bb3 Bc5 7 a4 Tb8 8 c3 d6 9 d4 Bb6 10 Ca3 0-0 11 axb5 axb5 12 Cxb5 Bg4 13 Bc2 h6!? 14 d5!!
De esmola grande cego desconfia: Alex acabara de perder nessa linha e ei-lo de volta com a mesma variante "perdedora". É claro que Peter, após examinar detalhadamente o desastre de seu adversário no dia anterior, concluira que as pretas, pelo menos na abertura como vimos, tiverem sempre as melhores chances, além de assenhorar-se da iniciativa. Assim, prevendo que um raio não atinge a mesma árvore duas vezes, Peter resolveu mudar o rumo da tempestade preparada para ele.

14...Ce7 15 h3! Bh5 16 Rh1!? Cxe4!?
Um jogador de ataque do estilo de Morozevich não se contenta com a recomendação da máquina, 16...Dd7, 16...Bxf2 ou 16...Bg6 e parte para o irreversível caminho do sacrifício.

17 Bxe4 f5 18 Bc2 De8!?
Se 18...e4 19 Cbd4! Bxd4 20 g4!! fxg4 — se 20…exf3 21 gxh5+- — 21 Cxd4 Cg6 22 De1 Dh4 23 Dxe4 Dxh3+ 24 Rg1 e as brancas estariam ganhas.

19 Ba4! e4 20 Cxc7 Df7 20 Ce6 exf3 22 gxf3 Df6
Para quem está acostumado a gastar peças inteiras em pródigos sacrifícios, qualidade é troco. Mas de outra forma, o ataque das pretas ficaria estagnado: 22...Tfc8 23 Cf4 Bf7 24 Bd7 com superioridade.

23 Cxf8 Txf8 24 Bb5!
Repondo o bispo em jogo e montando uma guilhotina defensiva na quarta fileira do tabuleiro, com Ta4.

24...Dh4?
É inacreditável que um setecentos cometa o sacrilégio de meter sua dama em arapuca... Viável seria 24...Cg6 25 Be2 Te8 com alguma chance de prosseguir com seu ataque.

25 Rg2 g5??
Agora a dama está emparedada de fato; outras tentativas seriam igualmente inócuas: 25...Cg6 26 Ta4 Df6 ou 25...Tf6 26 Ta4 Tg6+ 27 Rh2 e outra vez o ataque cairia no vazio.

26 Ta4 f4 27 Bd7! Cg6 28 Te4 Ce5 29 Txe5!
O cavalo no centro do tabuleiro, espalhando coices em todos os sentidos, merecia essa devolução de qualidade. Depois de 29 Bg4?! Cxg4 30 hxg4 Bxg4 31 fxg4 f3+ 32 Dxf3 Txf3 33 Rxf3 Dh3+ 34 Re2 Dg2, a vantagem das brancas seria de apenas +0.74.

29...dxe5 30 Dd3! Rg7 31 De4 Bc7 32 Bf5 Tf6 33 c4! Bf7 34 c5! h5
É claro que Alex descartou a seqüência 34...Bxd5 35 Dxd5 Txf5 36 b4 Dh5 37 b5 e as brancas venceriam, +-3.34.

35 d6 g4 36 fxg4?
No zeitnot, Peter omitiu 36 dxc7! Bg6 37 c8=D Bxf5 38 Dcb7+ Rg6 39 Dxe5 Dxh3+ 40 Rg1 gxf3 41 De8+ Rg5 42 Bxf4+ Rh4 43 Dg7! Tg6+ 44 Bg3++-.

36...Bg6 37 Tg1?!
Outra vez, o Tiger insiste em 37 dxc7! hxg4 38 c8=D! +-12.88.

37...Bd8 38 Dxe5 f3+ 39 Rxf3 Dxh3+ 40 Re2 hxg4 41 Txg4 Dh5 42 Bg5!
Uma posição de múltiplas cravadas, dignas dos problemas do genial Lev Loshinsky.

42...Bxf5 43 Bxf6+ Rf7 44 f3!, 1-0.
Depois de 44…Bxg4 45 Dxh5+ Bxh5 46 Bxd8 as pretas não deteriam esse destacamento de peões.

Duas partidas de grande interesse teórico.


Soluções
627 A (L. Kubbel, Schachstudien, 1925) 1 Te8! Cd7 2 Ba4 Ta7 (2…Td5 3 Te6! Txe6 4 Bxd7+-) 3 Bc6 Tc7 4 Tc8! Ta8 5 Th8+ Rg2 6 Th7+-.
B (L. Kubbel, Sovremennce Slovo, 1908)
1 Tb6! (zug) 1…Rxd4 2 Ce4 Rd5 3 Td6#; 1…Rc2 2 Re3 Rc1 3 Tc4#.

 

 

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: XADREZ JUVENIL :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO