: : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :   ATUALIDADES   : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : :

 

 

Ana Matnadze em Barcelona

      
A combativa e corajosa musa de nossa site, GM georgiana Ana Matnadze, enviou-nos far-to material sobre sua estada em Barcelona, na Espanha, cidade que prestigia o xadrez femini-no e que devia ser referência e modelo para todas as cidades realmente interessadas na verda-deira emancipação da mulher em nossa preconceituosa sociedade. A seguir, suas impressões sobre essa significativa e exemplar visita.

                                       
                                                          Ana e a Catedral da Sagrada Família em Barcelona


Visita relâmpago a Barcelona: jornadas para refletir

15.12.2005. Estava prevista para os dias 26 e 27 de novembro a celebração de umas maravilhosas jornadas intituladas “Mulher & Xadrez”, que se deviam realizar em Esplugues de Llobregat, em Barcelona.
No mês de setembro, a organização dessas jornadas aproveitou minha participação no Torneio de Sants para convidar-me a intervir nessas atividades que se iam realizar. Desde o início, tinha uma impressão muito favorável sobre essas jornadas, tanto pelo impecável entusiasmo e profissionalismo de seus organizadores e de todas as pessoas envolvidas nesse sedutor projeto, como também (devo confessar) pela grande paixão que sinto, já faz muito tempo, por esse país, sua cultura, sua gente... Dessa maneira, é claro, não hesitei em aceitar esse convite com o maior prazer e logo contatei-me com a sempre amável e minha preferida companhia aérea KLM e no dia 23 de novembro, pela madrugada, fiz a viagem que me traria às minhas queridas terras de Barcelona.


                    
                                                       Local das jornadas enxadrísticas DONA I ESCACS


Sem dúvida, o dia-a-dia que experimentei durante essas jornadas superaram amplamente a expectativa que eu tinha a princípio. Estabeleceram-se muitos debates, com a finalidade de localizar problemas e buscar soluções. Aliás, devo admitir que esse é um bom caminho. Nessas jornadas, foi notável o enorme interesse e entusiasmo demonstrados por parte de todas as pessoas que intervieram na busca de soluções e melhoras para o mundo do xadrez. Debater é importante e necessário para tentar solucionar os problemas que temos atualmente. E se para essas buscas nunca é tarde, devemos atuar com presteza. E eu convido a todos vocês para seguir com atenção os passos dessa gente e que cada um, dentro de suas possibilidades, colabore como possa. Dessa maneira, se cada um contribuir com o que puder, no intuito de ajudar, e se cada um de nós colocarmos o nosso pequenino grão de areia de nossa contribuição, então o mundo será muito melhor.


                      
                        
               Ana jogando uma sessão de partidas simultâneas


As jornadas iniciaram-se com as apresentações feitas pelo Instituto Catalão das Mulheres, o Conselho Catalão de Desporte, a Federação Catalã de Xadrez e o Clube de Xadrez Peão e Peona. Seguiram-se diferentes atividades e conferências, com intervenções de todo tipo, tanto de expertos em Sociologia, Antropologia, Pedagogia, Investigação, Psicologia, assim como também de treinadores da Seleção Catalã de Voleibol Feminino e de Basquete, a presidenta do Instituto Catalã das Mulheres, presidentes de clubes de xadrez da Catalunya.
Houve ainda apresentações dos projetos “Escac a la Dama”, feitas pelo presidente do Clube Peona i Peó, Pepe Melendres, y “Escacs Per a Tothom”, por Jordi Prió, bem como também exibições de dados estatísticos, exposições de fotografias, partidas simultâneas, leitura dramatizada da obra teatral “Escac i Mat...?”, de Araceli Bruch. Foi jogado o 2º Campeo-nato da Catalunha Feminino por Equipes. Houve sessões de mesas redondas em que foram debatidos temas como “A situação atual das mulheres desportistas”, na qual eu participei com Carmen Lluveras (treinadora de basquete), Marc Llinás (treinador da seleção de volibol) e Roser Rumí (presidenta do Clube de Balaguer), tendo como moderadora a Sra. Marta Carranza, Professora da UAB, coordenadora de programas educativos da IMEB.


                       
                                      
Pep Melendres, Marta Amigó e Maria José Bilbao


Na mesa redonda de domingo que tratava das “vias de atuação”, estive com Toni Ayza, presidente da Federação Catalã de Xadrez, Maria José Bilbao, do Gabinete Geral do Conselho Catalão do Esporte, Joan Bártoli, da União de Conselhos Esportivos da Catalunha, Marta Amigo, delegada do xadrez feminino da Federação Catalã de Xadrez, Pep Melendres, presidente do Clube de Xadrez Peão e Peona, a simpaticíssima Rula Fernández, que apresentou o informe enviado por Elena Strikovic emitido pela Federação Gallega, etc, etc... Ao finalizar esse tema, falamos da Organização Internacional “Xadrez – Embaixador da Paz” (“Chess – a Peace Ambassador”), da qual sou presidenta. Comentamos seus projetos e por parte de todas as entidades e pessoas ali representadas houve uma demonstração de grande interesse em co-laborar pelo bem do xadrez feminino e do xadrez em geral. Tivemos também o prazer de ver o filme realizado com várias entrevistas feitas com as jogadoras que participaram do Torneio de Sants, em agosto/setembro. Os autores desse filme deixaram-me gratamente surpresa.


                       
                                      Ana tentando explicar o fenômeno das “maravilhosas georgianas”...


O público interveio em diversas ocasiões, o que ajudou bastante a chegarmos a várias conclusões. Surpreendeu-me também gratamente o esforço e o notável trabalho feito por Jor-di Capellades, secretário do Clube Peão e Peona; Cati Gómez, pedagoga e investigadora e, como não, a verdadeira Rainha das Montanhas (ela sabe do que estou falando); Joan Girona, que se desdobrou para atualizar a correspondência oficial das Jornadas; Pere Duran, que além de de muitas outras coisas, com David desenvolveu um perfeito papel de intérprete sincrônico de catalão e castelhano e que me deu muito boas lições sobre Capitalismo (e me ficou devendo um livro sobre o assunto, anotei), e muitas, muitas pessoas mais.
Tentei ser breve nessa reportagem, e acredito ter conseguido, ainda que não pareça assim, mas a minha intenção era ser o mais sucinta possível. Para meu pesar, os sites que publicam essas impressões não são muitos, senão poderia continuar escrevendo e não me cansaria e nem se esgotariam os temas que eu poderia desenvolver.
Mas, paciência, tudo tem os seus prós e os seus contras, e é até melhor deixá-los assim, intrigados. Mas devo dizer, em resumo, que as jornadas foram um êxito total e projetam um futuro impressionante. Nesses dois dias já prepararam todo um terreno para as próximas edições. Novamente, muitíssimo obrigada à Organização e a todos os que assistiram às Jornadas. Mil desculpas ao que eu deixei de citar, não por que os tenha esquecido, mas por que é praticamente impossível mencionar a todos, porquanto numerosos. Tenham a certeza de que eu me lembro de todos vocês.
Despeço-me aqui até a próxima, pois não tenho dúvida de que haverá muitas outras! E lhes deixo uma “breve” reportagem fotográfica.
Milhões de beijos, Ana.


                  
                                                    Arquitetura barcelonense: poesia e saudade!

HOME :: PERFIL :: ATUALIDADES :: COLUNAS :: TEORIA :: COMPUTAÇÃO :: ARQUIVO :: XADREZ FEMININO :: LINKS :: CONTATO